Semana On

Sábado 19.out.2019

Ano VIII - Nº 368

Brasil

Operação da Polícia Civil e do MP prende mulher de acusado de matar Marielle Franco

Investigadores acreditam que Elaine, mulher do principal suspeito de morte de Marielle, planejou sumiço de armas usadas no crime

Postado em 03 de Outubro de 2019 - Vera Araújo, Chico Otávio e Letícia Gasparini – O Globo

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio cumpriram na manhã do último dia 3 cinco mandados de prisão contra alvos ligados ao sargento reformado da PM Ronnie Lessa. Alvo de um dos mandados, ele já está preso na Penitenciária Federal de Porto Velho, apontado como o assassino da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes. Outros alvos da operação "Submersus" são a própria mulher de Lessa, Elaine de Figueiredo Lessa , e o irmão dela, Bruno Figueiredo , além de dois supostos cúmplices do policial. Até 7h35, quatro pessoas já haviam sido presas: Elaine, Bruno, José Márcio Mantovano, o Márcio Gordo, e Josinaldo Lucas Freitas, o Djaca. Todos foram detidos de forma preventiva por ocultação de armas.

Por determinação do juízo da 19ª Vara Criminal da Capital, também foram expedidos 20 mandados de busca e apreensão , um deles contra um suspeito de integrar um grupo de matadores de aluguel que teria como principais clientes contraventores cariocas.

Elaine vestia um casaco jeans quando foi presa, por volta de 7h20. Ela foi conduzida até o carro da polícia sem algemas. Vizinhos de condomínio acompanhavam das sacadas a movimentação no local.

Seu irmão Bruno chegou à Delegacia de Homicídios da Capital (DH), na Barra da Tijuca, por volta de 7h35. O advogado de Bruno Figueiredo, Fernando Santana, o mesmo de Ronnie Lessa, disse que só falará com a imprensa depois de "tomar ciência das acusações". 

Márcio Gordo havia sido detido mais cedo.

A coordenadora do Gaeco, Simone Sibílio, comandou a busca e apreensão no alvo principal: a casa de Elaine. O advogado de Bruno Figueiredo, Fernando Santana, que também defende Lessa e a mulher do sargento reformado, disse que a arma encontrada na casa de Elaine é um fuzil Airsoft.

– Tanto Ronnie Lessa quanto Bruno comercializam armas de Airsoft. Esta arma já estava na casa de Ronnie da outra vez. Por que não apreenderam antes? Como é que a minha cliente pode ser presa? Ela é apenas esposa de um comerciante. Quiseram chamar atenção para o interrogatório do Ronnie Lessa, que acontece amanhã – disse Santana.

Segundo o advogado, Elaine se mudou logo depois da prisão do marido para um imóvel em um condomínio no número 3200 da Avenida Sernambetiba, na Barra, que é de propriedade do casal. Antes, ela morava no condomínio no número 3100 da mesma via, onde o presidente Jair Bolsonaro tem uma casa. Os dois condomínios se chamam Vivendas da Barra. A atual residência de Elaine ocupa apenas um andar, mas é de alto padrão.

As buscas na casa da mulher de Lessa começaram às 5h40m e terminaram às 7h24. Os policiais estão revistando o local em busca de documentos e armas, pois Elaine tem registro de colecionadora de armas e, segundo investigadores, também atira.

Elaine estaria por trás de sumiço de armas

A DH e o Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) acreditam que Elaine foi quem comandou a ação para dar sumiço às armas do marido para apagar qualquer tipo de prova que pudesse incriminá-lo . Acredita-se que uma submetralhadora HK-MP5 , que teria sido usada na execução da parlamentar , tenha sido jogada no mar da Barra da Tijuca , próximo às Ilhas Tijucas . A mulher de Lessa teria escolhido pessoas da confiança de Lessa e dela própria para a empreitada criminosa. Um dos que ajudaram a eliminar provas, de acordo com as investigações, foi o irmão dela, Bruno Figueiredo. Além dele, também participaram Josinaldo Lucas Freitas , o Djaca, e Márcio Gordo.

Conheça os alvos da Operação Submersus

A primeira providência de Elaine teria sido mandar o irmão e Mantovano buscar uma caixa no apartamento que Lessa usava no condomínio da sogra, no Pechincha, em Jacarepaguá. Nela, estariam escondidas armas. O material teria sido levado por um pescador para ser lançado no mar. Antes de os dois chegarem ao imóvel, um outro grupo já tinha tentado recuperar o armamento sem sucesso. A tentativa, segundo os investigadores, foi feita por um policial e três integrantes, com camisetas da Polícia Civil, que estiveram no mesmo endereço na madrugada do dia 13 de março deste ano. Eles usavam um Fiat Palio com placa clonada e foram impedidos de acessar o local pelo síndico do prédio, que exigiu a apresentação de mandados de busca e apreensão.

Um dos homens que estavam no Palio, de acordo com a polícia, era Leonardo Gouvea da Silva, o Mad, do grupo de matadores de aluguel comandado pelo ex-capitão do Batalhão de Operações Especiais (Bope) Adriano Magalhães da Nóbrega. Por volta de 7h40 desta quinta-feira, policiais se dirigiram a uma empresa de Mad, na Barra, para cumprir mandados de apreensão. O ex-militar tem mandado de prisão pela Operação Intocáveis, do Gaeco, acusado de ser chefe da milícia de Rio das Pedras e está foragido da Justiça. Na lógica do inquérito, o objetivo do bando, ao ir ao apartamento de Jacarepaguá, era se aproveitar do fato de Lessa ter sido detido para aplicar-lhe um golpe.

No mesmo dia 13, à tarde, Mantovano, com a ajuda de Bruno, teria sido filmado por câmeras de segurança do condomínio levando a caixa. No dia seguinte, Mantovano e Josinaldo se encontraram no condomínio da Barra da Tijuca onde Lessa morava. Eles teriam contratado um táxi que os seguiu até o estacionamento de um supermercado da Barra. Lá, várias malas e caixas de papelão, retiradas do apartamento de Jacarepaguá, foram transferidas para o táxi. Uma denúncia chegou à polícia informando que um táxi deixou Josinaldo, com o material, no Quebra-Mar. Com a desculpa de que praticava pesca submarina, ele alugou um barco para se livrar do armamento em alto-mar. O pescador teria percebido que havia armas nas caixas porque uma delas, molhada, ficou sem o fundo.  Montavano e Josinaldo foram reconhecidos por testemunhas em depoimento na Delegacia de Homicídios da Capital. A Marinha chegou a fazer buscas no mar das Ilhas Tijucas, a pedido do Gaeco e da DH, mas nada foi encontrado.


Voltar


Comente sobre essa publicação...