Semana On

Sábado 19.out.2019

Ano VIII - Nº 368

Artigo da semana

Os comunistas da China não merecem todo o crédito

Nos 70 anos da República Popular, o Partido Comunista se vangloria do sucesso da segunda maior economia do mundo. Mas nem tudo são conquistas – ou se deve à política de seus governantes

Postado em 02 de Outubro de 2019 - Perry Link – DW

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O que devemos dizer neste 1º de outubro, nos 70 anos da República Popular da China? O Partido Comunista, que governa o país, se vangloria de ter criado a segunda maior economia do mundo, com a China sendo número 1 em outras categorias mensuráveis: maiores reservas em moeda estrangeira, mais quilômetros de linhas de trens de alta velocidade e mais telefones celulares, por exemplo.

Mas muitas dessas primeiras posições se devem mais ao tamanho da China do que a qualquer astúcia incomum de seus governantes. Também seria possível nomear outros primeiros lugares nos quais o tamanho da China é o principal fator: mortes no trânsito, suicídios e casos de resfriado comum.

Em termos de renda per capita, as sociedades do Leste Asiático Japão, Coreia do Sul e Taiwan – que compartilham uma base cultural com a China – tiveram um desempenho econômico melhor. O Fundo Monetário Internacional (FMI) lista Taiwan como o 14º país no mundo em riqueza per capita. O Japão é o 28º, e a Coreia do Sul, 29º. A China ocupa a 73ª posição.

O Partido Comunista se vangloria de ter "tirado centenas de milhões da pobreza". Essa afirmação também é menos impressionante quando analisada de forma proporcional ao tamanho da população, mas seu maior problema está em algo bem diferente: o termo "tirado". Ele sugere que os governantes melhoraram as condições de vida da população, enquanto o oposto está mais próximo da verdade.

A partir da década de 1990, centenas de milhões de chineses – trabalhando longas jornadas por salários baixos, sem proteção de sindicatos ou tribunais independentes (uma situação que o Partido Comunista e as empresas multinacionais estrangeiras consideraram atraente e trabalharam juntos para manter) – saíram da pobreza e, ao mesmo tempo, catapultaram a elite comunista para uma riqueza fabulosa. Em 2018, os 153 membros mais ricos do Congresso Nacional do Povo acumulavam cerca de 650 bilhões de dólares (2,7 trilhões de reais) – o que equivale ao PIB da Suíça.

Os 70 anos de governo do Partido Comunista incluem 27 sob Mao Tsé-Tung, quando dezenas de milhões de pessoas morreram de forma não natural. A grande fome de 1959 a 1962 – causada pelas políticas de Mao, e não pelo clima – custou por si só entre 30 milhões e 40 milhões de vidas.

Uma série de outras campanhas de Mao enfatizava consistentemente a hostilidade e a violência. Na Grande Revolução Cultural Proletária de 1966-69, jovens foram pressionados a denunciar seus pais, espancar seus professores e destruir seus livros. Dificilmente poderia haver um ataque mais fatalmente direcionado aos valores centrais da China antiga e da civilização avançada.

Os efeitos do ataque de Mao à cultura chinesa permaneceram. Hoje eles são visíveis, entre outros lugares, numa assustadora subversão da linguagem moral. Na década de 1950, quando Mao disse "Servir o Povo", muitos na China aceitaram o slogan como um conteúdo novo em seu repertório de normas morais públicas. Mas quando a era Mao terminou em caos na década de 1970, a mesma frase estava totalmente esvaziada.

A maioria dos slogans oficiais de norma moral que se seguiram foi igualmente vazia.

A afirmação do presidente chinês, Xi Jinping, de que "aderimos incondicionalmente ao socialismo com características chinesas" não é apenas vazia, mas, para um intelecto consciente, é também incoerente. Mas todo mundo sabe o que isso realmente significa: calar a boca e obedecer ao Partido Comunista.

Xi Jinping, como todo líder chinês nesses 70 anos, não pode se dar ao luxo de abandonar o "grande timoneiro" (Mao) porque muito da tradição que apoia o prestígio do partido (e, portanto, seu poder) se baseia em Mao.

Além disso, Xi precisa de Mao como modelo. O presidente chinês é um homem de baixa escolaridade, pouco viajado e não consegue imaginar onde procurar recursos intelectuais além dos métodos de Mao.

Durante a Revolução Cultural, Mao colocou a sociedade chinesa num frenesi que celebrava a China como um lugar único, destinado à liderança mundial e era a base de um orgulho nacional avassalador. Esse gigantismo entrou em colapso e, no final da década de 1970, muitos chineses prometeram que isso nunca mais deveria acontecer.

Mas agora, quatro décadas depois, algo realmente muito semelhante está acontecendo de novo. Hoje, a China incita um "patriotismo" berrante e superficial. Algumas das inovações orgulhosas envolvem avanços recentes em tecnologia: centenas de milhões de câmeras de vigilância pública, reconhecimento facial assistido por inteligência artifical e o sistema de "crédito social" do governo que visa avaliar a reputação de cidadãos e empresas.

O gigantismo de Xi será bem-sucedido? Se sim, seria uma má notícia para a China e para o mundo. Mas também seria assustador vê-lo entrar em colapso. Qual seria a turbulência resultante e quanto tempo duraria?

Se a história serve como um guia, há motivos para ter esperanças de que o governo do Partido Comunista na China não durará muito mais tempo. Aos 70 anos, já é o mais duradouro regime comunista moderno.

Se o regime chinês parece forte no seu 70º aniversário, devemos dedicar um momento para apreciar a posição de seu líder. De uma vez só, Xi Jinping precisa se preocupar com a democracia em Hong Kong, com a guerra comercial de Trump, com uma grave doença suína que está causando um aumento vertiginoso nos preços da carne de porco e com uma economia que entrou em lento declínio.

O problema de se ater ao poder em todos os setores é que a culpa de todos os problemas se acumula à própria porta.

Na tradição chinesa comunista, os líderes que fracassaram muitas vezes foram presos. Suas famílias também são vulneráveis. Até a esposa do grande Mao foi presa depois que ele morreu.

Alguns dias atrás, o jornal Qiushi (Busca de fatos), periódico oficial do Partido Comunista, fez algo estranho: republicou um discurso de Xi Jinping de 2014, em que ele dissera que um sistema político saudável precisa de uma "transição ordenada" de sua liderança. Quatro anos depois, o presidente adotou uma nova lei que aboliu os limites de mandato do presidente do país.

O sistema como um todo não é transparente. Se Xi está pensando duas vezes sobre sua decisão do ano passado, as razões para isso não são difíceis de imaginar.

Perry Link - Professor titular de Ensino Inovador, Literatura Comparada e Línguas Estrangeiras da Faculdade de Humanidades, Artes e Ciências Sociais da Universidade da Califórnia em Riverside; professor emérito de Estudos da Ásia Oriental na Universidade de Princeton e traduziu várias histórias, escritos e poemas chineses para o inglês


Voltar


Comente sobre essa publicação...