Semana On

Sábado 19.out.2019

Ano VIII - Nº 368

Campo Grande

Campo Grande vem melhorando a cada ano a posição no ranking de cidades inteligentes

Número de computadores e laptops em escolas públicas, percentual de resíduos plásticos recuperados na cidade e percentual da população que vive em regiões de baixa e média densidade fazem parte da medição

Postado em 01 de Outubro de 2019 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Em primeiro lugar na região Centro-Oeste ano passado, Campo Grande subiu mais uma posição no ranking de avaliação de cidade inteligente e conectada estando em 11° lugar no Brasil, segundo a quinta edição do Ranking Connected Smart Cities 2019.

A pesquisa divulgada neste mês, é elaborada pela consultoria Urban Systems em parceria com a empresa de organização de eventos Sator.

Para o prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad, o conjunto de ações fazem a diferença. “Nossa gestão define suas ações ouvindo cada setor, planejando as ações de infraestrutura, serviços, comunicação e tecnologia da informação sempre atreladas às necessidades sociais e econômicas. O estímulo à participação dos cidadãos é preponderante para tornar Campo Grande mais inteligente”.

“A agência de tecnologia, além de melhorar a conectividade física entre os órgãos com investimentos e aprimoramento das redes e sistemas, oferece ações inovadoras voltadas às sustentabilidade, criatividade e melhoria na qualidade de vida, com ferramentas e eventos que estimulem a participação popular como o Fala Campo Grande e a coleta de resíduos eletrônicos”, explica o diretor presidente da Agetec, Paulo Fernando Garcia Cardoso.

Conforme informações da revista Exame, para a edição deste ano, foram incorporados novos seis indicadores baseados na Norma Técnica ISO 37120, que são o uso de veículos de baixa emissão de poluentes, dois critérios relativos à força de trabalho — percentual da força ocupada em setores de tecnologia e comunicação e percentual da força ocupada nos setores de educação e pesquisa —, número de computadores e laptops em escolas públicas, percentual de resíduos plásticos recuperados na cidade e percentual da população que vive em regiões de baixa e média densidade.


Voltar


Comente sobre essa publicação...