Semana On

Terça-Feira 22.out.2019

Ano VIII - Nº 368

Coluna

Azambuja divulga 'nota que a Globo recusou' após matéria sobre seu filho

As notícias que fizeram a semana política em MS, com Marco Eusébio

Postado em 25 de Setembro de 2019 - Marco Eusébio

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Após o Fantástico divulgar matéria sobre denúncia feita à Justiça pelo Ministério Público Estadual (MPE) que acusa seu filho, Rodrigo de Souza e Silva, de ser mandante de um roubo de propina paga a José Ricardo Gutti Gumari (Polaco), que conforme o MP seria executado durante o assalto que deu errado, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) divulgou nota nas redes sociais com os dizeres: "Veja a nota que a Globo recusou publicar explicando o caso do Fantástico de hoje". Na nota, Azambuja repudia as "chamadas divulgadas pela Rede Globo" e diz que a matéria faz "acusações absurdas e desprovidas de qualquer prova material contra seu filho". Diz ainda que o processo "está repleto de falhas, ilegalidades e arbitrariedades" e "terá o mesmo destino da acusação anterior contra o governador, em relação aos mesmos fatos, que foi arquivada por onze votos a zero no Superior Tribunal de Justiça". Azambuja diz ainda que houve "abuso de poder" na investigação que está sendo alvo de "sindicância no Conselho Nacional do Ministério Público", e "lamenta que Rede Globo trate do assunto de forma sensacionalista". Veja abaixo a íntegra da publicação em vídeo no Twitter do governador.

Operação contra milícia cumpre prisões, buscas e apreensões em Campo Grande

Agentes do Grupo de Apoio Especial de Repressão Organizado (Gaeco) em conjunto com policiais civis do Garras e da Polícia Militar cumprem nesta sexta (27), em Campo Grande, 23 mandados de prisão (13 preventivas e 10 temporárias) e 21 de busca e apreensão na Operação Omertà em investigação sobre milícia armada e crimes de execução na cidade. Dentre os presos estão os empresários Jamil Name e Jamil Name Filho, policiais civis, guardas municipais, um policial federal e um advogado. A ação decorre de desdobramentos de uma apreensão de armas e munições com um guarda civil feita em maio deste ano na Capital. O advogado do empresário, André Borges, disse à imprensa que o cliente "está surpreso com a situação, mas tranquilo" e que afirmou que está se informando melhor sobre a operação ainda em andamento.

Coronel David aciona polícia após invasão de celular com crítica de membro do PSL

O deputado Coronel David (PSL) disse que acionou a Polícia Civil e a Polícia Federal para investigar invasão em seu celular por alguém que compartilhou um vídeo do Instagram em que Bruno Gomides, da Juventude do PSL, de Brasília, o acusa de ter homenageado o ex-senador Delcídio do Amaral e diz que vai pedir providências à presidente do PSL de MS, senadora Soraya Thronicke, "para que não fiquem elogiando nenhum petista corrupto". "O autor diz que gravou o vídeo a pedido do PSL de Campo Grande, dizendo que eu era autor da homenagem. Eu não sou o autor da homenagem. É muito estranho que o mesmo vídeo, que foi veiculado por integrantes do PSL, tenha sido usado pelo hacker para postar no status do WhatsApp. Por isso fui à polícia, para que se esclareça e verifique essa situação", disse David. Na verdade, a Comenda do Mérito Legislativo para Delcídio foi proposta pelo deputado Neno Razuk (PTB) – leia a nota abaixo. David afirmou que votou a favor, porque precisava de apoio para aprovar proposição dele que concede um título de Cidadão Sul-mato-grossense para o presidente Jair Bolsonaro.

Deputados aprovam título de cidadão de MS para Bolsonaro e comenda a Delcídio

Deputados estaduais de Mato Grosso do Sul aprovaram por dezessete votos a três a outorga do título de Cidadão Sul-mato-grossense para o presidente Jair Bolsonaro, proposta pelo Coronel David (PSL). Os três votos contrários foram dos petistas Cabo Almi e Pedro Kemp (PT) e de Jamison Name (PDT). O título deverá ser entregue ao presidente na Assembleia até o fim deste ano e caso Bolsonaro não possa comparecer, David levará a comenda à Brasília. Também foi aprovada, por dezoito votos a um, a entrega da Comenda de Mérito Legislativo a Delcídio do Amaral, que assumiu a presidência regional do PTB. O único voto contrário à homenagem proposta por Neno Razuk (PTB) ao ex-senador foi do Capitão Contar (PSL).

'Dourados vai sentir falta de O Progresso nas mesas do café da manhã', diz deputado

Depois de 68 anos de circulação em Dourados, o jornal "O Progresso se despede da versão impressa na sexta-feira". Ao exibir a manchete do diário da maior cidade do interior de MS em sessão da Assembleia ontem, o deputado Barbosinha (DEM) homenageou os fundadores do jornal – que passará a existir somente na versão digital – afirmando que Dourados "vai sentir a falta do impresso nas mesas do café da manhã".

Vander diz que votou por engano a favor de vetos na Lei de Abuso de Autoridade

Apoiador da polêmica Lei do Abuso de Autoridade, o deputado federal Vander Loubet (PT-MS) divulgou nota afirmando que "houve um erro" no registro de seu voto contra a derrubada dos vetos do presidente Jair Bolsonaro na sessão do Congresso na noite anterior. "Alguns parlamentares do PT receberam por engano cédulas com o voto 'sim' (a favor dos vetos). Parte desses parlamentares conseguiram corrigir as cédulas para registrar o voto 'não' (contra os vetos presidenciais). Infelizmente, não consegui corrigir a minha cédula, o que causou o registro favorável aos vetos, situação semelhante pela qual passou meu colega de bancada Rogério Correia (PT-MG)", diz Loubet. Reiterando que apoia a lei, que segundo ele visa "combater abusos" nas operações de combate à corrupção, Vander afirma que pediu hoje "à Liderança do PT na Câmara para formalizar meu pedido de retificação de voto, de maneira que possa constar corretamente meu voto 'não' aos vetos presidenciais".

Provocada pelo 'modesto autor da Lei de Abuso', Renan, Simone responde: vídeo

Na sabatina na CCJ do Senado com Augusto Aras, indicado por Jair Bolsonaro à PGR, Renan Calheiros (MDB-AL) se autointitulou como "um dos modestos autores da Lei de Abuso de Autoridade", fez questão de cumprimentar o presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), pela derrubada de 18 vetos do presidente ontem e aproveitou para criticar a presidente da comissão, Simone Tebet (MDB-MS), por ter reverberado contra a decisão de adiar a votação do relatório da reforma da Previdência para a semana que vem. Sem se intimidar, Simone disse que havia compromisso da presidência da Casa de votar a reforma na véspera e reafirmou sua posição: "Tenho consciência de quem é o presidente do Senado Federal, que cabe a ele estabelecer prazo, dia e hora para convocação do Congresso Nacional. E tem o meu total apoio sempre que o fizer. Apenas repito: nós teríamos tempo hábil para fazer a votação da reforma da previdência ontem [na CCJ]." Veja o vídeo.

OAB-MS comemora derrubada de vetos de Bolsonaro relacionados à advocacia

Dirigentes da OAB de Mato Grosso do Sul comemoram a derrubada, pelo Congresso, dos vetos do presidente Jair Bolsonaro ao artigo que prevê pena de três meses a um ano de detenção, e multa, para autoridade que violar prerrogativa de advogado. A Ordem acompanhou a votação de MS e registrou que cinco dos oito deputados votaram pela derrubada dos vetos: Beto Pereira, Bia Cavassa e Rose Modesto (os três do PSDB), Dagoberto Nogueira (PDT) e Fábio Trad (PSD). Votaram contra os deputados Loester Trutis e Luiz Ovando (ambos do PSL) e Vander Loubet (PT). Dos três senadores, Simone Tebet (MDB) e Soraya Thronicke, que são advogadas, votaram a favor. Nelsinho Trad (PSD), em viagem aos EUA na comitiva presidencial, não participou da sessão.

"O trabalho da Ordem foi fundamental para conseguir o início desse projeto de relatoria da senadora Simone Tebet que, posteriormente aprovado pela Câmara, foi vetado pelo presidente. Esse veto derrubado passa a consagrar a atividade efetivamente como indispensável para a administração da Justiça", comemorou o presidente da OAB-MS Mansour Karmouche. "Não tenho dúvida de que essa foi a maior vitória da advocacia nesses 86 anos. Afinal, era anseio dos mais de 1,2 milhão de advogados que as prerrogativas profissionais – que são garantias do cidadão – fossem respeitadas", afirmou o conselheiro federal da OAB-MS Ary Raghiant Neto.

Dentre os trechos vetados e derrubados que atendem a advocacia, estão o que prevê de um a quatro anos de detenção para autoridade que prosseguir com interrogatório de pessoa que tenha optado por ser assistida por advogado ou defensor público, sem a presença de um destes; seis meses a dois anos de detenção para a autoridade que impedir, sem justa causa, a entrevista do preso com advogado; seis meses a dois anos de detenção para autoridade que impede investigado de falar com advogado antes de audiência judicial ou que negar a advogado acesso aos autos da investigação.


Voltar


Comente sobre essa publicação...