Semana On

Sexta-Feira 18.out.2019

Ano VIII - Nº 367

Entrevista

“Governo brasileiro é neofascista”, afirma Dilma

Ex-presidenta afirma que Jair Bolsonaro está destruindo a Amazônia e a soberania do país

Postado em 25 de Setembro de 2019 - Cecilia Ballesteros – El País

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Alguém poderia dizer que Dilma Rousseff, de 71 anos, é uma ativista de esquerda que virou tecnocrata. É verdade, mas Dilma é sobretudo uma lutadora. Presidenta do Brasil, foi a primeira mulher a governar o país, entre 2011 e 2016. Ativista desde sua juventude, Rousseff irrompeu na primeira fila da política brasileira primeiro como ministra de Minas e Energia no Governo Lula, e depois como titular da Casa Civil no segundo mandato do petista, cargos em que ganhou a reputação de dama de ferro por sua gestão exigente, sua capacidade de trabalho e seu domínio dos temas técnicos.

Filha de um imigrante búlgaro e uma brasileira, Rousseff nasceu em uma família de classe média em Belo Horizonte, onde se formou em Economia. Depois do golpe de Estado que deu início à ditadura militar (1964-85), aderiu a grupos radicais de esquerda. Embora diga que nunca participou de nenhum confronto armado, foi detida, torturada e passou três anos na prisão.

Escolhida por Lula para disputar sua sucessão, num contexto de prosperidade econômica que permitiu a 40 milhões de brasileiros ascenderem à classe média, venceu com folga em 2010 e voltou a ganhar quatro anos depois. Veio então uma etapa de vacas magras e uma sociedade mais consciente de seus direitos, que exigia reformas sempre postergadas. Rousseff presidiu um período de estancamento econômico e uma espiral de corrupção que envolvia o Partido dos Trabalhadores (PT). Ironicamente, muito mais dura que seus antecessores na luta contra a corrupção —em seu primeiro ano de Governo demitiu seis ministros imputados—, acabou virando alvo quando uma oposição de direita a desalojou do poder valendo-se de uma artimanha jurídica

Pouco tempo e muitas coisas se passaram. Rousseff superou um câncer; seu sucessor e verdugo político, Michel Temer, está sendo processado por corrupção, e em outubro os brasileiros elegeram presidente Jair Bolsonaro, um militar populista de extrema direita a quem Rousseff não hesita em qualificar como “neofascista”. Nesta semana Dilma —apenas Dilma, como é conhecida no Brasil— está em Madri para participar de atos da central sindical UGT e do Partido Comunista da Espanha, porque, diz, “a esquerda deve ficar unida e não perder a esperança”

 

A ONU debate a mudança climática, depois das queimadas na Amazônia, mas Jair Bolsonaro parece ir na direção contrária neste e em outros assuntos…

Parece-me que está destruindo não só a Amazônia, mas também a soberania do Brasil. O país tem uma área de preservação em um entorno que é 11 vezes o tamanho da Espanha. Tudo isso está sendo ameaçado. O processo já começou com o Governo anterior, de Michel Temer, mas meio que às escondidas, pelas beiradas. Bolsonaro não. Bolsonaro assumiu atitudes muito graves: por exemplo, fechou o Conselho Nacional do Meio ambiente (Conama). É uma política deliberada. Bolsonaro deixou explícito seu objetivo de exploração mineradora da zona. A Amazônia é uma epifania.

Passaram-se três anos desde seu processo de impeachment. Como vê hoje aqueles fatos?

Foi mais do que uma injustiça. Foi um golpe de Estado. Minha saída foi o primeiro ato de uma peça teatral que não acabou. O segundo foi colocar um Governo que adotou medidas não aprovadas pelas urnas e uma reforma trabalhista que precariza o trabalho e que nós não teríamos feito. Isso cria o ambiente para a chegada de Bolsonaro. A Rede Globo de televisão difunde que o Brasil está quebrado. Como que estava quebrado? O Brasil estava quebrado quando Lula chegou ao Governo. Os golpistas dão um golpe para implantar um modelo neoliberal. Foram irresponsáveis, uniram uma crise política a uma econômica e começaram a vislumbrar que havia uma possibilidade de que Lula voltasse para a presidência. Primeiro, começam a fazer gestos para criminalizá-lo e, como não conseguem, o condenam e o encarceram. Continuava sendo o favorito para as eleições.

Mas essa trama é a única responsável pela chegada de Bolsonaro ao poder? Está aí a corrupção pelo caso Lava Jato, o saque da Petrobras…

Os partidos de centro, centro-direita e direita se destruíram no processo. Iniciamos o fortalecimento das instituições, com uma legislação que permitia o combate à corrupção. Lula deu, além disso, recursos e profissionais à Polícia Federal, e eu sancionei uma lei de combate às organizações criminais em 2013, antes da Operação Lava Jato. As instituições nas democracias jovens correm um risco, o de se transformarem de instituições em corporações, que, como se sabe, só se ocupam de defender seu próprio interesse. As instituições judiciais viraram uma corporação, e com Sérgio Moro como chefe dos procuradores de Curitiba desencadearam a Operação Lava Jato. É verdade que descobriram muitas coisas, mas a questão é em quem focaram. Em Lula.

O que opina dos vazamentos que o The Intercept, em colaboração com o EL PAÍS BRASIL, publicou sobre o ministro da Justiça Moro?

Em qualquer outro país, os procuradores deveriam ser interrogados e inclusive julgados. Cometeram irregularidades e uma série de atos ilegais e irregulares. E ainda mais grave, esses vazamentos demonstraram que não tinham provas contra Lula e que forçaram denúncias falsas. Segundo, agiram de forma política. Em relação ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que tinha a mesma situação que Lula, Moro escreveu: “Não convém investigar um aliado”. Comprometeu-se a Justiça brasileira. Um juiz não pode comportar-se como um acusador. Não sei como essa situação vai se desenrolar num Governo neofascista como o de agora, que ataca todos os setores.

Como fazer o Brasil voltar a se apaixonar pelo PT?

Tivemos uma derrota. Perdemos, chegamos em segundo lugar, mas somos os únicos que sobrevivemos à terra arrasada da extrema direita, com 47 milhões de votos, 44,8%. Sofremos uma derrota, mas não estratégica. O PT manteve sua dignidade. Tivemos erros e acertos. Impedimos a chegada do neoliberalismo.

Acha que a autocrítica e novos rostos devolverão o poder ao PT? Pensa em voltar à política?

Bolsonaro não chegou ao poder por nossos erros, e sim por nossos acertos. A exigência de autocrítica vem de um setor da mídia que criou o clima que facilitou a chegada de Bolsonaro ao poder, e de setores do empresariado. Posso ter errado quando dei uma isenção de impostos, foi um grande erro, porque os empresários simplesmente a enfiaram no bolso. Podemos ter errado ao não ter regulamentado o mercado oligopólico dos meios de comunicação, que levou à absoluta ambição de uma parte das elites brasileiras de implantar já as reformas neoliberais. Eu estou na política. Acredito na política em sentido grego, como serviço público.

No documentário Democracia em Vertigem, da Netflix, a senhora diz que em algum momento de seu mandato chegou a se sentir só.

Não me lembro de ter dito isso. E se puseram na minha boca, seria fora de contexto. Tudo o que eu tinha eram companheiros ao redor. Nunca fiquei sozinha. E também nunca fui de dizer “Ai, coitada de mim, estou sozinha".

Como vê a esquerda latino-americana?

Com muita esperança. Já tivemos López Obrador, agora há a possibilidade de que na Argentina ganhem Alberto Fernández e Cristina Fernández de Kirchner, para que voltem… porque o Governo [de Mauricio] Macri revela aonde leva uma política endeusada. Recordemos o que se disse quando ganhou: que salvaria a Argentina do caos, que teria muito sucesso porque era empresário e faria uma política muito eficiente. O que fez? O endividamento mais brutal. E é estranho que o FMI conceda um empréstimo de 56 bilhões de dólares que foge de todos os parâmetros técnicos. Vão quebrar a Argentina outra vez.


Voltar


Comente sobre essa publicação...