Semana On

Quinta-Feira 12.dez.2019

Ano VIII - Nº 374

Comportamento

Efeito Werther: como um suicídio pode afetar outras pessoas

Estudos mostram que, dependendo de como um suicídio for noticiado, pode fazer com que outras pessoas o imitem

Postado em 24 de Setembro de 2019 - Carina Brito – Galileu

Foto: Sebastian Andil Foto: Sebastian Andil

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Um homem se apaixona por uma mulher que irá casar com outra pessoa e comete suicídio. Este é o enredo de Os Sofrimentos do Jovem Werther (1774), escrito por Johann Wolfgang Goethe. A obra poderia ser mais uma trágica história de amor da literatura, mas levou a um grande problema: o suicídio de muitas pessoas na Europa que se mataram usando uma pistola e roupas parecidas com as do protagonista.

De tão significativo, o caso foi usado para nomear o Efeito Werther, que é quando ocorre um aumento do número de suicídios depois de um caso amplamente divulgado. O termo foi proposto pelo pesquisador americano David Phillips, em 1974.

Segundo Karen Scavacini, psicóloga e diretora do Instituto Vita Alere, em São Paulo, o suicídio por imitação só acontece quando a pessoa já está em um estado de vulnerabilidade. De acordo com a especialista, a maior probabilidade de ocorrer o suicídio por imitação é quando há uma identificação um personagem, uma pessoa pública ou até mesmo um colega de escola. “Também depende de como é retratado na mídia, se for muito romantizado, trouxer informações simplistas ou dizer que a pessoa encontrou paz", exemplifica. 

Recentemente tivemos um exemplo do Efeito Werther com a série 13 Reasons Why. Estudos mostraram aumento de suicídio entre adolescentes nos meses após a estreia do programa, que conta a história de Hannah Baker, uma jovem estudante que tira a própria vida. “O Efeito Werther realmente existe e essa série da Netflix cometeu muitos erros que os principais manuais orientam a não fazer”, avalia o psiquiatra Neury Botega, autor de diversos livros sobre suicídio. Entre os problemas citados pelo psiquiatra estão: cada episódio culpar uma pessoa ou um acontecimento, a glorificação da Hannah Baker (chegando ao ponto de mostrar o armário dela transformado em altar) e ainda mostrar detalhes sobre o método que ela usou em uma longa cena. “Tudo isso é contrário às recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e de outras instituições que batalham na prevenção [do suicídio]", destaca Botega .A cena do suicídio da personagem — que recebe críticas desde 2017 — foi removida em julho deste ano da série, que está na terceira temporada.

Publicado na revista JAMA Psiquiatry, o estudo mostra um aumento de 13% no número de suicídios de norte-americanos de 10 a 19 anos entre abril e junho de 2017 — os três meses seguintes à estreia do seriado. Em relação ao gênero, o crescimento foi de 12% para os meninos e 21% entre meninas. Ainda não há uma pesquisa dizendo qual foi o efeito no Brasil.

A situação também acontece quando famosos cometem suicídio e isso se torna público. Em que uma pesquisa divulgada na revista científica PLOS One, notou-se que os casos nos Estados Unidos aumentaram logo após o ator Robin Williams se matar em 2014. O estudo diz que, nos cinco meses seguintes à morte do ator, houve 10% mais casos que o esperado para o período: 18.690 pessoas tiraram a própria vida entre agosto e dezembro de 2014; sendo que 16.849 casos eram esperados com base na série histórica.

No caso de suicídio de pessoas próximas, como amigos e familiares, Botega afirma que é preciso ainda mais cuidado. “Pessoas que estão vivendo o luto de alguém por suicídio merecem uma atenção especial porque elas sofrem de sentimentos muitas vezes contraditórios. É uma sensação de culpa muito grande, muitas vezes uma vergonha ou receio de falar sobre o assunto com outras pessoas”, explica o psiquiatra.

Como evitar?

Da mesma forma que uma notícia pode ser "contagiosa", valorizar a resiliência de alguém que conseguiu superar a vontade de tirar a própria vida pode diminuir os casos de suicídio. É o chamado Efeito Papageno, que é o contrário do Efeito Werther e tem seu nome inspirado em A Flauta Mágica, uma ópera de Mozart cujo personagem desiste do plano de se matar.

Para evitar o suicídio por imitação, Botega diz que o primeiro passo é contextualizar a morte. “Isso significa não mostrar o suicídio como um ato heroico, mas como um ato de desespero e muita dor, que teve uma história ao longo da vida",  pontua o médico. Não basta, portanto, querer explicar o suicídio com base em uma situação ruim pela qual a vítima passou.

O Centro de Valorização da Vida (CVV) realiza apoio emocional e prevenção do suicídio gratuitamente a todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo. O contato pode ser feito a qualquer hora do dia por e-mail, chat ou pelo telefone, no número 188.


Voltar


Comente sobre essa publicação...