Semana On

Sexta-Feira 06.dez.2019

Ano VIII - Nº 374

Campo Grande

Começa implantação da ciclo-faixa que vai ligar a ciclovia da Afonso Pena ao Sóter

Ação atende a meta 11 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, um compromisso da Prefeitura com a Organização das Nações Unidas

Postado em 19 de Setembro de 2019 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Com o rebaixamento do meio-fio na Avenida Afonso Pena, a empresa contratada pela Cassems iniciou a implantação da ciclo-faixa que se estenderá por um quilômetro até a Avenida Mato Grosso, onde se conectará com a ciclovia já existente na Avenida Nelly Martins.

A previsão é que em 30 dias o serviço esteja concluído, com taxões, pintura e sinalização. Por 15 dias, os ciclistas fizeram o trajeto na faixa-teste pintada no início do mês e por ampla, aprovaram o projeto que começa a ser executado. Com essa ciclo-faixa, segundo os técnicos da Agetran, se criará um corredor de mobilidade urbana alternativa ligando o Aeroporto Internacional (por ciclovia) e a Avenida José Barbosa Rodrigues (pela ciclo –faixa) até o Parque Soter, passando pelas avenidas  Afonso Pena, Luiz Alexandre e  Nelly Martins.

A ciclo-faixa, junto com a instalação de um semáforo e de um ponto de ônibus, são contrapartidas que a Cassems vai custear e que foram definidas na GDU (Guia de Diretrizes Urbanísticas) do Hospital da Caixa de Assistência dos Servidores Públicos, construído nos altos da Avenida Mato Grosso.

Campo Grande tem hoje uma malha de 89 quilômetros de ciclovias e ciclo-faixas. O planejamento da cidade para os próximos anos prevê a implantação de mais 29,5 km para garantir a integração de toda esta malha.

O plano prevê a construção de ciclovia  da  Avenida Fabio Zahran até Paulo Freire, desce pela Paulo Freire, entra na Avenida das Bandeiras e desce pela rua Tatuí (Vila Carvalho, paralela a Salgado Filho):

* Fabio Zahran – desce pela Rua Carandá, Arica,Candelária, rotatória da Avenida Jorge Chaia até a Rua Anchieta, desce e faz o contorno na Avenida Gabriel Spipe Calarge com a Rua Divisão, Cordeiro de Souza (ligação Gabriel Spipe Jorge Chaia);

* Manoel da Costa Lima – da rotatória com a Filinto Muller até o Trevo Imbirussu;

* Filinto Muller (ligação entre a rotatória da Manoel Costa e a ciclovia da Fábio Zahran);

* Antônio Maria Coelho (entre a Rua Professor Luiz Alexandre até a rotatória com a Mato Grosso Lima Felix);

* Plutão (ligação com a Avenida Noroeste).

Ciclo-faixas

* Rua Antônio Rahe (entre a Cristóvão Lechucaté e Avenida Cônsul Assaf Trad);

* Avenida Fabio Zahran (entre a Afonso Pena e a Rua 26 de Agosto);

* Duque de Caxias (entre a Avenida Solon Padilha e a Rua Radio Maia);

* Euler de Azevedo (entre a Presidente Vargas e a Avenida Tamandaré);

* Presidente Ernesto Geisel (da rotatória com a Euler de Azevedo até um pouco à frente Elvidio Serra);

* Ligação da Avenida Duque de Caxias com a Rua Fernando Noronha;

* Passa pelas ruas Barnabé Mesquita, São Caetano, Eunice Welver, Nioaque, Presidente Vargas até a Fernando de Noronha;

* Tamandaré (entre a Avenida Euler de Azevedo, Rua Urano, interligação com a Rua Plutão);

* Avenida Rodoviária (Rua Iguatemi, Avenida Rodoviária até a Rua das Joias);

* Alfenas (ruas Noroeste, Alfenas, Jaboticabal e chega na Avenida Tamandaré.

A ação atende a meta 11 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, um compromisso da Prefeitura de Campo Grande com a Organização das Nações Unidas. Ela tem como propósito tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis.


Voltar


Comente sobre essa publicação...