Semana On

Quinta-Feira 14.nov.2019

Ano VIII - Nº 371

Mato Grosso do Sul

Governador e bancada vão até ministro da Infraestrutura pedir agilidade nos estudos sobre Rota Bioceânica

Para o governador, a Rota Bioceânica “está muito bem concebida, tanto a Ferroviária quanto a Rodoviária”

Postado em 18 de Setembro de 2019 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O governador Reinaldo Azambuja e a bancada federal sul-mato-grossense vão solicitar ao ministro de Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, agilidade nos estudos técnicos referentes a questões aduaneiras necessários para viabilizar a Rota Biocêanica, tanto rodoviária quanto ferroviária, que vai ligar Mato Grosso do Sul aos portos do Chile. 

A decisão foi tomada em reunião com o ministro João Carlos Parkinson de Castro, do Ministério das Relações Exteriores, que explicou as dificuldades enfrentadas no momento para o projeto.

“Apresentei à bancada o planejamento e estudos que a EPL (Empresa de Planejamento e Logística) ficou de fazer. Há resistência e essa resistência tem de ser superada numa atuação conjunta, com a bancada unida”, disse ele.

Parkinson enfatizou a necessidade do governo federal apoiar a implantação da Rota Bioceânica. “Estamos tentando superar essas dificuldades, demostrando ao estado (governo federal) a importância do projeto e ações que a EPL pode desenvolver e, sobretudo, seu impacto em Mato Grosso do Sul. Em função da importância desse estudo, o governo federal tem que levar em consideração os interesses da bancada”, destacou o ministro.

Para o governador, a Rota Bioceânica “está muito bem concebida, tanto a Ferroviária quanto a Rodoviária”. Segundo Reinaldo Azambuja, “na questão de logística você não trabalha com utopia. A melhor rota é a que passa por Mato Grosso do Sul. O que precisamos?? Avançar nos estudos. O objetivo da reunião é ter do ministro Tarcísio o apoio à EPL, os estudos de viabilidade da rota, custos, precificação, questão alfandegária, competividade da rota. Temos de discutir a questão da alfândega, a segurança pública, como vai ser a questão de aduana, se vai lacrar uma carga no Oceano Pacífico e vai abrir no estado importador ou na exportação”.

Por isso, Azambuja enfatizou que “a bancada vai levar ao ministro da Infraestrutura a importância da EPL, que é uma autarquia federal, por ser a detentora desses estudos para nortear quais as grandes vantagens e alguns obstáculos que nós temos na Rota Bioceânica”.

O coordenador da bancada federal, senador Nelsinho Trad, reforçou a necessidade em se fazer a reunião com o ministro “para solicitarmos, através da unidade que faz, o estudo logístico que nos foi negado”. Trad enfatizou que a bancada vai se reunir semanalmente para definir uma estratégia para obter o maior valor possível de recursos no Orçamento de 2020. Estes encontros vão se estender até 20 de outubro, quando termina o prazo para apresentação das emendas.

Participaram da reunião com o governador Reinaldo Azambuja também Jaime Verruck (Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), Pedro Chaves, secretário especial de Relações Institucionais e Assuntos Estratégicos do Governo de Mato Grosso do Sul no Distrito Federal, as senadoras Simone Tebet e Soraya Thronicke, os deputados federais Fábio Trad, Beto Pereira, Rose Modesto, Luiz Ovando, Vander Loubet, Dagoberto Nogueira e Bia Cavassa, e o secretário de Governo e Relações Institucionais de Campo Grande, Antonio Lacerda.


Voltar


Comente sobre essa publicação...