Semana On

Sexta-Feira 22.nov.2019

Ano VIII - Nº 372

Brasil

7 de Setembro: de preto, estudantes voltam às ruas em defesa da Educação e da Amazônia

Bolsonaro reedita Collor e pede à população para ir às ruas com verde e amarelo

Postado em 05 de Setembro de 2019 - Brasil de Fato, Sul 21

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Os estudantes brasileiros voltam às ruas neste sábado, 7 de Setembro, para protestar contra os ataques do governo Bolsonaro à educação pública, entre eles o corte de verbas para o setor, a ingerência na autonomia universitária e a tentativa de “privatização” das universidades e institutos federais por meio do programa “Future-se”.

Os outros protestos deste ano se desdobraram em manifestações contra a reforma da Previdência e de apoio à greve geral dos trabalhadores. No sábado, os estudantes vão incorporar à pauta educacional a bandeira do meio ambiente e da defesa da Amazônia.

Esta é a quarta manifestação contra as políticas do presidente Jair Bolsonaro (PSL) e seu ministro da Educação, Abrahan Weintraub, para o setor. As anteriores, em 15 de maio, 30 de maio e 13 de agosto, levaram milhões de pessoas às ruas de todo o país.

UNE quer estudantes de preto

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) apelou no último dia 3 para que a população compareça às comemorações da Independência vestindo o verde e o amarelo. Segundo ele, as cores da bandeira servem para mostrar que a “Amazônia é nossa”. Em resposta, a União Nacional dos Estudantes (UNE) pediu que os estudantes saiam às ruas vestindo preto para manifestar indignação.

Segundo o presidente da entidade, Iago Montalvão, o atual governo não tem política de preservação ambiental para a região amazônica, e em vez de apostar em surtos patrióticos, deveria se preocupar com o corte de recursos para as universidades e das bolsas de pesquisa. “É uma chacota com a cara do povo brasileiro. Não podemos aceitar isso. Precisamos ir às ruas, sim, para defender a nossa educação e a nossa Amazônia da destruição que esse governo tem operado. Por isso, dia 7 eu vou de preto. Eu luto pela educação e pela Amazônia”, afirmou em vídeo nas redes sociais.

Além do preto, os estudantes também prometem caras-pintadas, para fazer lembrar o movimento ocorrido em 1992, quando o então presidente Fernando Collor de Mello conclamou “todo o Brasil” a usar as cores da bandeira em apoio ao seu governo, fustigado por denúncias de corrupção. Em diversas cidades do país, a população saiu de preto naquele domingo de 13 de agosto, impulsionando o processo de impeachment que retiraria Collor da presidência naquele mesmo ano. O próprio Bolsonaro fez menção ao evento histórico. “Eu lembro lá atrás que um presidente disse isso e se deu mal. Mas não é o nosso caso.”

Os estudantes discordam. “Vamos mostrar, no dia 7, que patriota não é aquele ou aquela que bate continência à bandeira americana, enquanto desmonta o Estado nacional, desde a educação até o meio ambiente. Patriotas de verdade são os estudantes, trabalhadores e o povo brasileiro que luta incansavelmente para construir um país plural, democrático, soberano e desenvolvido. Nesse 7 de setembro, os caras pintadas voltarão”, afirmou o presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), Pedro Gorki.

Pelas redes sociais, os estudantes se mobilizam em torno da hashtag #Dia7EuVouDePreto.

Segundo a UNE, já estão definidos os locais dos atos em 19 Estados, sendo 11 capitais.

Confira

Rio Grande do Sul: Porto Alegre, às 15h, no Parque Farroupilha, Redenção.

Santa Catarina: Florianópolis, 8h30, na Catedral.

Paraná: Curitiba, às 11h, na praça Santos Andrade.

São Paulo: São Paulo, às 10h, na praça Oswaldo Cruz. Em Campinas, às 14h, no Largo do Rosário.

Minas Gerais: Belo Horizonte, às 9h, no viaduto Santa Tereza. Em Uberlândia, às 8h30, no Terminal Central.

Rio de Janeiro: Rio de Janeiro, horário a definir, na Candelária.

Espírito Santo: Vitória, às 8h, na Praça de Porto de Santana.

Goiás: Goiânia, às 8h30, na Catedral de Goiânia.

Brasília: Plano Piloto, às 15h, na praça dos Três Poderes.

Mato Grosso: Cuiabá, às 15h, na praça Cultural do CPA II.

Amazonas: Manaus, às 15h, na praça da Saudade.

Pará: Belém, às 8h, no Terminal Rodoviário São Brás. Em Santarém, às 8h, na Praça São Sebastião.

Bahia: Salvador, às 8h, praça Campo Grande.

Pernambuco, Recife, às 8h, na praça do Derby.

Ceará: Fortaleza, às 8h, na avenida Dioguinho; e às 15h, na praia de Iracema.

Rio Grande do Norte: Natal, às 8h, na praça Heróis dos Pescadores

Maranhão: São Luís, às 10h, na Areinha

Paraíba: João Pessoa, às 14h, na igreja de Nossa Senhora das Neves. Em Campina Grande, às 8h30, na Catedral.

Alagoas: Maceió, às 9h, na praça Sinimbu.


Voltar


Comente sobre essa publicação...