Semana On

Sexta-Feira 15.nov.2019

Ano VIII - Nº 371

Brasil

Papa veta políticos com mandato entre convidados do evento

CNBB lança campanha de sensibilização e informação sobre o Sínodo para a Amazônia

Postado em 05 de Setembro de 2019 - CIMI, Felipe Frazão (O Estado de S. Paulo)

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A um mês da realização do Sínodo da Amazônia, marcado para outubro em Roma, o Vaticano prepara a lista final de convidados especiais do papa Francisco para participar das discussões sobre a floresta tropical, com veto à participação de políticos com mandato. 

“Não virão políticos com mandato, nem militares. Não participarão”, disse ao Estado o cardeal dom Cláudio Hummes, relator-geral do Sínodo, nomeado pelo pontífice. 

O governo brasileiro havia manifestado, por vias diplomáticas e pelas Forças Armadas, o interesse de ter voz na assembleia mundial de bispos dedicada a discutir problemas socioambientais nos nove países “panamazônicos” e a presença católica na região. O presidente Jair Bolsonaro considera que há “muita influência política” no Sínodo.

O papa abriu espaço para convidados não religiosos, os chamados auditores e peritos, e deve convidar personalidades mundiais, cientistas e ambientalistas para participar das consultas de aconselhamento. “O papa fala muito da necessária fundamentação científica”, afirmou d. Cláudio.

Um dos nomes brasileiros na lista é o do climatologista Carlos Nobre. Ele participará das primeiras atividades do Sínodo, que ocorrerá entre os dias 6 e 27 de outubro. 

Lista completa de convidados é mantida em sigilo

Há cerca de duas semanas, Nobre recebeu o convite oficial por e-mail do Vaticano. A lista completa ainda é mantida em sigilo pela Santa Sé, que aguarda as confirmações. Além de aproximadamente 250 bispos, farão parte da assembleia outras lideranças católicas, como padres e leigos, e representantes de povos indígenas.

Engenheiro eletrônico formado no Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) e doutor em Meteorologia pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos Estados Unidos, Nobre é um dos mais respeitados especialistas em mudanças climáticas do País. Foi pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), além de ter passado por cargos de gestão em órgãos federais durante os governos do PT. 

Para ele, a iniciativa do papa “reflete a enorme preocupação global com o futuro da Amazônia”. “Essa preocupação é amparada, em escala nacional, na forte oposição da sociedade como um todo ao desmatamento da Amazônia e, em escala regional, na necessidade de ouvir o anseio das comunidades indígenas e de outros povos da floresta que querem preservar os seus valores”, disse o pesquisador.

Igreja se compromete com os vulneráveis

Representantes de entidades eclesiais e de povos tradicionais amazônicos ocuparam o plenário Ulysses Guimarães, na Câmara dos Deputados, para entregar a carta dos bispos da região aos parlamentares. O ato ocorreu na manhã do último dia 4, e foi conduzido pelo bispo da prelazia de Marajó (PA), dom Evaristo Spengler, e pela Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM-Brasil), com a participação de representantes da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

A proposta inicial do ato era aguardar o fim da sessão no plenário da casa, na qual se debatia a preservação e a proteção da Amazônia. Porém, o presidente da sessão, deputado Alessandro Molon, interrompeu os trabalhos para acolher a comitiva liderada por dom Evaristo e o convidou para discursar na tribuna.

Dom Evaristo leu um trecho da carta aprovada pelos bispos em encontro realizado na última semana, em Belém (PA), e alertou sobre o “contexto global de disputa” no qual a Amazônia está inserida.

“O Papa já havia denunciado em Puerto Maldonado, na Amazônia peruana, em janeiro de 2018, que a Amazônia é um território em disputa, é um território disputado por visões de mundo diferentes, por diferentes modos de ver a relação com o ambiente. São modos diferentes de tratar com a economia. De um lado vemos os povos tradicionais, indígenas, quilombolas, ribeirinhos que preservam o meio ambiente, até o enriquecem. Do outro lado, vemos o agronegócio, vemos as madeireiras, as mineradoras invadindo, poluindo o meio ambiente”.

Dom Evaristo também ressaltou o posicionamento da Igreja com a convocação do Sínodo dos Bispos sobre a Amazônia: “de que lado nós estamos neste momento? Nós estamos do lado dos fracos, assim agia Jesus. Jesus defendia os pobres, os vulneráveis, os fracos, a Igreja se compromete com os povos indígenas, quilombolas, ribeirinhos e todos os povos vulneráveis da nossa Amazônia”.

Antes de entregar o documento, dom Evaristo pediu a solidariedade e o compromisso da comissão de parlamentares com causa indígena “pela qual muitos no Brasil e no exterior estão lutando”.

O deputado Alessandro Molon agradeceu pela realização do Sínodo para a Amazônia, no próximo mês de outubro, e pediu que transmitisse à Presidência da CNBB e ao Papa Francisco a “alegria com a realização e com a escolha deste tema”. Molon também reforçou que os parlamentares querem “que a Igreja continue com a sua coragem de colocar o dedo na ferida e de dizer o que precisa ser dito sobre a preservação da Amazônia. É grande a nossa esperança com o que sairá do Sínodo da Amazônia”, finalizou.

Dom Evaristo agradeceu e reforçou que “a Igreja continuará a ser profética, a denunciar o que deve ser denunciado, o que está contra os desígnios de Deus na terra”.

O ato contou com a participação da CNBB, da REPAM-Brasil, do Conselho Indigenista Missionário, das Pontifícias Obras Missionárias, do Centro Cultural Missionário e da Conferência dos Religiosos do Brasil e da Associação Nacional de Educação Católica (Anec), além de entidades da sociedade civil como o Núcleo de Estudos Amazônicos da Universidade de Brasília e a Sociedade Maranhense de Direitos Humanos.

Povos tradicionais

Após a saída do plenário, o indígena Junior Xukuru fez ecoar pelo Salão Verde da Câmara dos Deputados um canto tradicional ressaltando a ligação dos povos indígenas com a terra, criação de Deus. Xukuru concluiu com o refrão “O jardim de Deus fica na Amazônia” e com a oração do Pai Nosso. A quilombola Anacleta Pires da Silva também convidou os presentes a cantarem junto e reforçou a necessidade de respeito às comunidades tradicionais.


Voltar


Comente sobre essa publicação...