Semana On

Sábado 16.nov.2019

Ano VIII - Nº 372

Coluna

Em Campo Grande, Ciro diz que Dagoberto é 'joia' do PDT para disputar a prefeitura

As notícias que fizeram a semana política em MS, com Marco Eusébio

Postado em 14 de Agosto de 2019 - Marco Eusébio

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Em visita a Campo Grande , o vice-presidente nacional do PDT, Ciro Gomes, disse à imprensa que o deputado federal Dagoberto Nogueira, presidente regional da sigla, é "a joia do partido" para disputar prefeitura nas eleições do ano que vem. Ao lado de Ciro, Dagoberto confirmou a união de partidos para disputar a cadeira de prefeito em 2020. Admitiu que, devido à parceria do prefeito Marquinhos Trad (PSD) com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), vem conversando com o MDB de André Puccinelli e outros partidos sobre as eleições. Depois de palestra pela manhã para estudantes da UFMS, Ciro participa nesta tarde de evento do PDT na sede da Anoreg-MS e à noite faz palestra na UEMS.

Unidos, partidos planejam 'dividir para conquistar' a Prefeitura de Campo Grande

Buscando se unir para enfrentar o prefeito Marquinhos Trad (PSD) nas eleições do ano que vem em Campo Grande, dirigentes do MDB, PDT, PSB, PROS, PRB e Avante planejam "dividir, para conquistar", relevou um integrante do grupo que voltará a se reunir no dia 2 de setembro, na sede do PSB.

A princípio, a ideia dos seis partidos que tiveram no mês passado o primeiro encontro é lançar vários candidatos para buscar forçar um segundo turno e se unirem na reta final. Dentre os possíveis nomes, o MDB tem como opções o ex-governador André Puccinelli e o deputado estadual Márcio Fernandes; o PDT deve lançar o deputado federal Dagoberto Nogueira e o PRB seu presidente regional Wilton da Costa.

O grupo espera ainda candidaturas de outras siglas para pulverizar o pleito, como o PT – que tem como opções o ex-governador Zeca e os deputados estaduais Pedro Kemp e Cabo Almi – e o PSL, que cogita lançar o deputado estadual Capitão Contar. Como não haverá mais coligações proporcionais, as lideranças avaliam que será mais viável para cada partido lançar candidato à cadeira de prefeito e, assim, ajudar a atrair votos às suas chapas de vereadores.

Em vídeo, Zeca convida petistas para atos da Caravana Lula Livre com Haddad em MS

O ex-governador Zeca, presidente estadual do PT, enviou vídeo convidando lideranças e militantes petistas para atos de Fernando Haddad com a "Caravana Lula Livre" em Mato Grosso do Sul. Zeca avisa que o primeiro evento será na sexta-feira da semana que vem, dia 23, às 16h, na Câmara de Dourados. No sábado (24) o ato será em Campo Grande, às 9h30, na sede da Federação dos Trabalhadores na Educação (Fetems). Antes que chegar a MS, Haddad visitará Cuiabá (MT) na quinta-feira. Veja o vídeo.

Só dois deputados de MS votaram contra a urgência do 'abuso de autoridade'

A votação do projeto de "Abuso de Autoridade" aprovado pela Câmara ontem não foi nominal, mas a do pedido que deu urgência ao texto sim. A urgência foi aprovada com o voto de 342 deputados contra o de 83. Dos oito deputados federais de Mato Grosso do Sul, só os dois do PSL votaram contra a urgência do texto: Dr. Ovando e Loester "Tio" Trutis. O partido Novo foi o único a orientar contra a urgência do abuso de autoridade. PSL, Cidadania e Podemos liberaram as bancadas e os demais partidos orientaram a favor. Veja aqui no site Congresso em Foco como votaram os deputados de seu estado.

Juízes de MS reagem contra projeto que prevê prisão por 'abuso de autoridade'

O projeto do Senado contra "abuso de autoridade" aprovado com urgência pela Câmara que prevê prisão para juízes, promotores e policiais casos sejam acusados por criminosos de supostos "abusos" em operações e prisões, gera reações de magistrados sul-mato-grossenses. "Vendaram os juízes, amordaçaram os juízes e agora algemaram os juízes com as mãos para trás. Onde está o abuso de poder? #VetaBolsonaro", escreveu no Twitter ontem o juiz o juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande. A Associação dos Magistrados de Mato Grosso do Sul (Amamsul) divulgou nota em que repudia a medida e afirma: "A intimidação da atuação de magistrados e outras autoridades que atuam no combate ao crime, por meio de lei, somente beneficia àqueles que desejam a impunidade, sobretudo nos caso de corrupção e de crimes praticados por fortes organizações criminosas". Leia aqui a íntegra no site do TJMS.

Bolsonaro pode ajudar a aprovar reforma da Previdência 'ficando calado', diz Simone

Ao falar sobre a tramitação da reforma da Previdência no Senado, a presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), disse hoje à GloboNews que o presidente Jair Bolsonaro pode ajudar na aprovação da PEC na Casa ficando calado. “Eu poderia dizer com muita tranquilidade de quem quer ajudar o governo: o presidente pode ajudar ficando calado. Acho que ele pode ajudar não sendo adversário do próprio governo", afirmou a senadora. "Toda vez que ele [Bolsonaro] gratuitamente ofende a classe política, joga as redes sociais contra o Congresso Nacional, desviando inclusive o foco daquilo que realmente importa à população brasileira, ele acaba atrapalhando", emendou Simone. Veja aqui a íntegra da entrevista em vídeo na GloboNews.

Rose sem janela

André Puccinelli (MDB) disse à imprensa que a deputada federal Rose Modesto "está descontente com o PSDB" e já teve conversas com seu partido e com siglas como o PDT e o PL. "Eu falei com a Rose e com o Harfouche. Assim como muitos partidos falaram", afirmou o ex-governador ao site Midiamax. O plano de Rose de voltar a disputar a Prefeitura de Campo Grande no ano que vem, entretanto, esbarra em grande obstáculos. Principal liderança de seu partido, o governador Reinaldo Azambuja tem reforçado parcerias com a gestão de Marquinhos Trad (PSD) em projetos e obras na Capital, sinalizando que o PSDB deve apoiar a reeleição do prefeito. Neste cenário, a cúpula tucana não cogita liberar a saída de Rose. Para deixar a sigla sem risco de perda de mandato, a deputada terá de esperar uma "janela partidária" que não tem data prevista, o que adia e inviabiliza uma possível estratégia eleitoral em outra legenda.


Voltar


Comente sobre essa publicação...