Semana On

Quarta-Feira 23.out.2019

Ano VIII - Nº 368

Mundo

O SUS britânico é uma história de amor que supera a polarização política

O Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido, é um ícone sagrado para políticos e cidadãos

Postado em 13 de Agosto de 2019 - Rafa Miguel - El País

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Quando os britânicos já não suportam mais a imagem de si mesmos que é devolvida pelo espelho do Brexit — um país dividido, paralisado politicamente, remoendo seus preconceitos e desencantado com seus dirigentes—, ele voltam o olhar para a instituição que ainda sustenta o sentimento de unidade e orgulho: o Serviço Nacional de Saúde (NHS, na sigla em inglês), que acabaria, na ideia geral, por inspirar o SUS (Sistema Único de Saúde) brasileiro, fundado em 1988.

Na cerimônia inaugural dos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, James Bond levou a rainha Elizabeth II de helicóptero até dentro do estádio, e as Spice Girls ressuscitaram, com seu reencontro, o espírito de otimismo que invadiu a era da Cool Britannia de Tony Blair. Mas foi uma estranha coreografia, em que dezenas de enfermeiras e médicos empurravam macas com pacientes conectados a frascos de soro, que desatou a emoção de milhões de britânicos que viram o espetáculo.

“Todo mundo, rico ou pobre, mulher ou criança, poderá usar este serviço. Não se cobrará por nada, salvo algumas exceções. Não se exigirá nenhum tipo de seguro. Mas não se trata de uma instituição de caridade. Todos vocês estão pagando, como contribuintes, e servirá para acabar com as preocupações econômicas em tempos de doença.”

Milhões de panfletos com esse texto foram distribuídos em 1948 para explicar em que consistia o recém-criado NHS, contribuindo para infundir nos cidadãos um duplo sentimento de pertencimento e posse. Pertencimento a um país capaz de reinventar-se depois de uma guerra mundial que o tinha deixado exausto, de superar a desigualdade social da era vitoriana e oferecer ao mundo um exemplo prático do tão reclamado Estado do bem-estar. E posse de uma rede de assistência que não era um ato de generosidade outorgado de cima para baixo, e sim o fruto de um esforço coletivo, conquistado no braço após décadas de luta dos movimentos de esquerda. E de cuja virtude todos se apropriaram. Ricos e pobres. Conservadores e trabalhistas.

“Apenas três anos depois de o NHS ser fundado, o novo Governo conservador de Churchill enfrentou uma escolha: voltar aos velhos argumentos do debate ou aceitar a legitimidade do que havia sido criado e continuar a melhorá-lo. Escolheram a segundo opção. E hoje, graças a essa vontade de consenso, sentimos orgulho por uma instituição que serve para unir o nosso país”, disse Theresa May em seu último discurso como primeira-ministra.

Qualquer político no Reino Unido está consciente de que flertar com a ideia de introduzir um elemento de gestão privada no NHS equivale a dar um tiro no pé. No debate britânico, o único modo de abordar a instituição é para prometer melhoras ou defendê-la. Por isso fez tanto sucesso o ônibus da infâmia, promovido por Boris Johnson, que durante a campanha do referendo do Brexit em 2016 estampava em suas laterais a promessa de, em caso de rompimento com a UE, recuperar para a melhoria da saúde 350 milhões de libras (1,65 bilhão de reais) por semana que estariam sendo destinados às instituições comunitárias. Ou, por isso também, quando o presidente norte-americano, Donald Trump, sugeriu em sua recente visita de Estado ao Reino Unido – numa resposta que era claramente improvisada e mal informada – que o NHS estaria na mesa de negociação em um eventual futuro tratado comercial bilateral, não houve político que não rejeitasse a proposta.

A ideia de colocar o serviço público para concorrer em pé de igualdade com os planos de saúde deixou muita gente de cabelo em pé. Porque uma das razões do orgulho com que se defende o NHS é que os britânicos comparam seu sistema de saúde ao que existe do outro lado do Atlântico, sem parar para pensar que logo ali, na Europa continental, também existe uma cobertura universal e gratuita que tem pouco a invejar à do Reino Unido.

“Os ingleses sentem orgulho de todas as suas façanhas. Elogiam o que fizeram bem e se esquecem do que fizeram mal. O sistema sanitário da Espanha, por exemplo, é maravilhoso, mas nós não temos essa tendência a promovê-lo”, diz Natalia Zárate, uma espanhola especialista em neurogastroenterologia que trabalha há 10 anos no NHS e ocupa cargos de responsabilidade no sistema. “Mas é inegável que foram pioneiros em criar um serviço de saúde universal e gratuito. Como o que a Espanha tem, embora nesse caso muito depois e inspirado no daqui. Um país que tinha um passado com um sistema de classes muito marcado entrou num acordo para criar um serviço que atendesse às pessoas sem recursos. A classe médica, que tinha grandes privilégios, aceitou renunciar a eles para beneficiar a toda a sociedade. E isso é um marco que merece ser celebrado. Mas, ao mesmo tempo, desconhecem o que se faz fora”, afirma.

Trabalhadores estrangeiros

Quase 20% do pessoal que trabalha no NHS provêm de fora do Reino Unido. Não só dos países da UE, também dos da Commonwealth, o que um dia foram os domínios do Império britânico. As enfermeiras e enfermeiros espanhóis são especialmente apreciados por seu profissionalismo. E um Brexit descontrolado poderia causar uma tragédia para um sistema que conhece internamente suas carências e se esforça, com maior ou menor sucesso, para superá-las. “No ano passado eles comemoraram o 70º aniversário [do NHS]. Um monte de gente veio ao meu hospital para celebrar. Quando as pessoas se curam de uma doença grave, continuam colaborando como voluntários para o centro”, conta Borja Tejero, um especialista em medicina interna que há três anos trabalha na zona sul de Londres. “Aqui a crítica é mais construtiva. Tentam ser positivos. Há muito orgulho por seu trabalho, e ofertas constantes. Se você está capacitado para fazer algo, vão permitir que você faça. Você se sente integrado desde o primeiro momento, e não param de lhe repetir os valores com os quais a instituição foi criada: acesso imediato para todos, honestidade, o paciente acima de tudo”, explica.

O NHS, entretanto, sofre dos mesmos problemas que os sistemas de muitos outros países: envelhecimento da população e aumento da população imigrante, por exemplo. E olha de esguelha para as soluções adotadas em outras partes, mas com uma ponta de receio frente a qualquer mudança que altere uma instituição sagrada aos olhos da população. “Um instrumento de redistribuição social mais que um serviço, o qual, como todos, às vezes precisa de melhoras. E se não atendermos essa necessidade, acabamos deteriorando a justiça social que se busca, porque acabamos colocando a instituição acima de seus objetivos”, queixava-se recentemente Stephen Dorrell, ex-ministro de Saúde, do Partido Conservador. O medo subjacente nas últimas décadas de austeridade e escassez foi justamente de que o NHS pudesse acabar morrendo de sucesso.


Voltar


Comente sobre essa publicação...