Semana On

Terça-Feira 15.out.2019

Ano VIII - Nº 367

Poder

Caso Lula: Recados do STF e da Câmara a Moro lembram que limites existem

"É retaliação. A prisão do Lula não está sendo como imaginavam", avaliam aliados

Postado em 09 de Agosto de 2019 - Leonardo Sakamoto - UOL

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O Supremo Tribunal Federal suspendeu a transferência de Lula da sede da Polícia Federal, em Curitiba, para a Penitenciária de Tremembé (SP) pelo acachapante placar de 10 votos a 1. Ao negar o pedido da Superintendência da PF, que foi autorizado pela juíza federal Carolina Lebbos, o STF manda um recado ao ministro da Justiça e ex-juiz federal, Sérgio Moro, em meio à divulgação das conversas de Telegram pelo site The Intercept Brasil e veículos parceiros: parece que não, mas as instituições têm seus limites.

Além da pasta de Moro ser responsável pela Polícia Federal, diálogos mostram que ele orientava ações dos procuradores da Lava Jato responsáveis pela denúncia contra o ex-presidente.

E não só o Supremo. Pouco antes, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em meio à votação dos destaques da Reforma da Previdência, criticou a decisão de transferir Lula. "É uma decisão extemporânea. Então, aquilo que a Presidência da Câmara puder acompanhar junto com a bancada do PT, nós estamos à disposição para que o direito do ex-presidente seja garantido." Além de partidos da oposição, deputados do PSDB, MDB, PP, PSD, PRB, PL, Solidariedade, entre outros, também se manifestaram contra a decisão.

Por trás do ato de solidariedade a Lula, há uma ação de autosobrevivência diante do que parlamentares chamam de "escalada autoritária" da operação Lava Jato e "caça às bruxas" do governo federal. Ou seja, da instalação paulatina do macarthismo à brasileira em que fins justificam os meios, como mostrado nos diálogos entre Moro e a força tarefa de procuradores. Muitos acreditam que se nada fosse feito diante do "esculachado" de hoje, amanhã o alvo poderia ser eles, caso isso se torne o novo normal.

Vale ressaltar que a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, defendeu a manutenção de Lula em Curitiba em sustentação oral no STF. E no despacho da juíza Carolina Lebbos, há uma manifestação do Ministério Público Federal que "ratificou a necessidade de respeito à integridade física e moral do custodiado, mantendo-o recolhido em local adequado", "apontou ser tal local a sala especial na sede da Superintendência da Polícia Federal no Paraná", "observou a ausência de oposição do órgão [MPF] na remoção a outro local que se considere adequado e cujos custos de manutenção possam ser reduzidos", "contudo, ponderou que havendo interesse público manifesto na permanência do custodiado na sede da Polícia Federal em Curitiba para a prática de atos processuais e exercício da ampla defesa, a remoção somente poderia ocorrer após o encerramento da instrução criminal" em duas ações penais. E essa oposição foi manifestada pela defesa do ex-presidente.

Ou seja, o próprio MPF – seja em Brasília, seja no Paraná – não era expressamente contrário à permanência de Lula.

Moro comanda a Polícia Federal e exerce influência sobre Curitiba, pelos laços de relacionamento e institucionais. O placar e a rapidez com que a suspensão aconteceu mostram que, neste momento, Moro e a Lava Jato não contam com a mesma simpatia de antes das mensagens de Telegram começarem a apitar no noticiário nacional.

Retaliação

"A transferência para São Paulo em meio à possibilidade de suspensão ou progressão da pena é retaliação. A prisão do Lula não está sendo como eles imaginavam, pois ela é vista por muitos, inclusive no exterior, como injusta e arbitrária, ainda mais após os diálogos entre Moro e os procuradores. Eles não estão sendo vistos mais como os heróis que acharam que seriam para sempre."

A avaliação é de um dos assessores mais próximos a Lula. Segundo ele, o petista não causa problemas em sua cela e é tratado com respeito pelos funcionários da Polícia Federal. No local, cumprem pena Suzane von Richthofen, Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, Gil Rugai, entre outros. 

"Querem humilhar e quebrar Lula em um momento em que a Lava Jato é criticada nacionalmente e num momento em que o caso dele será analisado pela Justiça. E isso tem o dedo do Moro sim, que tem ascendência nessa turma toda, apesar de mandar cada vez menos. Porque, quem manda mesmo agora, inclusive no Moro, é o Bolsonaro."

Na análise de outro assessor próximo ao ex-presidente, ao mesmo tempo que estabilizou a convivência com os grupos de apoio a Lula que permanecem em vigília perto da sede da PF, em Curitiba, não é fácil para a Lava Jato que ele continue recebendo apoio de ex-autoridades estrangeiras, celebridades e até carta de apoio do papa Francisco e que exista uma longa lista de veículos de comunicação pedindo para entrevistá-lo.

Em Tremembé, Lula iria para uma cela comum e ter convivência com os outros presos. Na capital paranaense, ele ocupa uma sala com banheiro por ser ex-presidente da República, mas sem acesso aos demais encarcerados.


Voltar


Comente sobre essa publicação...