Semana On

Segunda-Feira 19.ago.2019

Ano VII - Nº 359

Brasil

O que dizem bolsonaristas que negam o aquecimento global

E por que eles estão errados

Postado em 08 de Agosto de 2019 - Amanda Ribeiro – Aos Fatos

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Integrantes e figuras influentes do governo de Jair Bolsonaro já negaram ou manifestaram dúvidas sobre o aquecimento global e o fato de que as mudanças climáticas teriam sido causadas por ação humana, contrariando consenso que envolve 99% dos cientistas. Tal ceticismo foi expresso mais de uma vez pelo ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, pelo titular do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e pelo vereador e filho do presidente, Carlos Bolsonaro.

Associadas ao corte de 95% das verbas para políticas sobre mudanças climáticas, à decisão de não sediar evento da ONU sobre o tema e à presença oficial em conferência de cunho negacionista, as declarações colocam o governo brasileiro em posição contrária às evidências científicas.

Veja abaixo o que checamos:

1. Não é verdade que momentos de frio atípicos em algumas regiões negariam a existência do aquecimento global, como já argumentaram Ernesto Araújo e Carlos Bolsonaro. De acordo com cientistas, mudanças de temperatura, inclusive frio extremo, fazem parte do processo de aquecimento do planeta, que provoca, por exemplo, deslocamento de correntes marítimas e do vento;

2. É falso o argumento de Araújo de que o aumento nas temperaturas seria resultado de uma distorção causada pela proximidade das estações meteorológicas de áreas asfaltadas. Essa possibilidade foi refutada por um estudo feito em 2011 em estações meteorológicas nas zonas rural e urbana que não constatou alterações nos resultados apurados nas duas áreas;

3. O IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), da ONU, não previu mudanças abruptas de temperatura que posteriormente não se confirmaram, diferentemente do que afirma o ministro das Relações Exteriores. Projeção de 1990 afirmava que as temperaturas aumentariam cerca de 0,3ºC por década, com margem de erro entre 0,2ºC e 0,5ºC, com possibilidade de aumento de 0,1ºC se fosse estabelecido controle maior sobre a emissão de gases poluentes. Estudos mostram que o aumento efetivo foi de 0,15ºC por década, dentro da média do IPCC;

4. O Brasil integra a sexta, não a décima posição no ranking de maiores emissores de carbono do mundo de 2016, com 2,2% das emissões totais, de acordo com lista da ONG WRI (World Resources Institute), último dado disponível. Os países que mais poluem são a China, com uma parcela de 27% do total, e os Estados Unidos, com 14%.

FALSO

Só por curiosidade: quando está quente a culpa é sempre do possível aquecimento global e quando está frio fora do normal como é que se chama? — Carlos Bolsonaro

Visitei a Itália no começo de maio. Cheguei lá e estava muito frio na Itália para maio. Me disseram que havia sido o abril mais frio em Roma dos últimos 60 ou 70 anos. Isso não aparece tanto. Se tivesse sido o abril mais quente dos últimos 70 anos, claro, estaria em todas as manchetes. — Ernesto Araújo

A conclusão de que o aquecimento global não existiria porque algumas regiões batem recordes de frio, exposta mais de uma vez pelo chanceler Ernesto Araújo e também pelo vereador Carlos Bolsonaro, é FALSA.

Na verdade, segundo os cientistas, o frio incomum em determinados lugares é um dos indicativos de que a temperatura da Terra está subindo, pois invernos rigorosos estão previstos neste processo. Isso porque mudanças climáticas alteram correntes de vento e correntes marítimas, gerando eventos extremos de frio e de calor.

A emissão de gases que intensificam o efeito estufa, observada por cientistas desde a metade do século XX, é responsável por mudanças climáticas mais amplas que o aumento da temperatura da Terra. Foi apontada por pesquisas, por exemplo, a possibilidade de flutuações de temperatura e de precipitação causadas pelo aumento dessas emissões. Isso pode tornar algumas regiões mais quentes, enquanto outras passam a sofrer invernos mais rigorosos. Da mesma forma, podem ocorrer secas ou chuvas muito intensas.

Segundo estudo publicado pela revista científica Nature Geoscience, o aquecimento do Polo Norte fará com que correntes de vento geladas se desloquem na direção sul, o que tornará os invernos nos EUA mais gelados. Em janeiro deste ano, cidades norte-americanas registraram sensação térmica de -30ºC.

Outro erro da argumentação de Carlos Bolsonaro e Ernesto Araújo é a confusão entre os conceitos de tempo meteorológico e de clima. De acordo com o INMET (Instituto Nacional de Meteorologia), enquanto o tempo representa o estado momentâneo da condição atmosférica em um determinado local, o clima engloba um registro sistemático de análise do tempo ao longo de um período. Ou seja, o clima retrata o comportamento médio da atmosfera em um intervalo mais prolongado e pode ser analisado em suas tendências históricas.

FALSO

Nos Estados Unidos, foi feito um estudo sobre estações meteorológicas, e diz que muitas estações que, nos anos 30 e 40, ficavam no meio do mato, hoje ficam no asfalto, na beira do estacionamento. É óbvio que aquela estação vai registrar um aumento extraordinário da temperatura, comparado com a dos anos 50. E isso entra na média global. — Ernesto Araújo

O argumento de Ernesto Araújo de que a localização das estações meteorológicas distorce a medição do aquecimento global é refutado por pesquisadores e já foi checado anteriormente por Aos Fatos.

Em estudo sobre o assunto publicado em 2011 pelo grupo de pesquisa independente Berkeley Earth, foram coletados dados de 36.869 estações meteorológicas entre 1950 e 2011. Os cientistas mediram separadamente a evolução das temperaturas em áreas rurais e urbanas e concluíram que as estações meteorológicas nas duas zonas captaram o mesmo ritmo de aumento nas temperaturas – no geral, uma taxa de aquecimento de 0,96 ºC/100 anos.

Outras equipes de pesquisadores, como das americanas Nasa e Noaa (Administração Oceânica e Atmosférica Nacional) e da britânica CRU (Unidade de Pesquisa Climática), chegaram a conclusões semelhantes ao do Berkley Earth, com taxas de aquecimento apuradas em 0,84ºC e 0,65ºC acima da média do século XX, respectivamente.

Os efeitos de aumento da temperatura também não são observados apenas em terra. De acordo com a Nasa, os oceanos se tornaram mais quentes e registraram aquecimento de cerca de 0,22ºC desde 1969 nos 700 metros mais rasos de água.

O derretimento de calotas polares é outro indicativo de que as temperaturas globais estão subindo. Segundo estudo divulgado pela Nasa, o derretimento basal — que ocorre na área onde a calota e a superfície do mar se encontram — é responsável por 55% da perda de gelo na Antártica.

De acordo com a Nasa e a Noaa, a temperatura da superfície terrestre aumentou 0,83ºC no ano passado com relação à temperatura média entre 1951 e 1980.

Na Suíça, esse processo foi observado de maneira mais acentuada: entre 1864 e 2018, houve um aumento de cerca de 2ºC na temperatura média, enquanto o restante do mundo registrou acréscimo de 0,9ºC neste mesmo período.

FALSO

O que se verifica é que basicamente todos os modelos [de mudança climática do IPCC], desde o começo dos anos 1990, têm previsto uma mudança muito abrupta de temperatura que não tem se verificado — Ernesto Araújo

O comportamento da temperatura tem ficado sempre abaixo do que os modelos pressupõem — Ernesto Araújo

Em pelo menos dois momentos, o chanceler Ernesto Araújo demonstrou duvidar da precisão dos números apresentados por instituições que estudam o aquecimento global no mundo, especialmente o IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), criado pela ONU em 1988.

Um relatório divulgado pela instituição em 1990 previa, a partir das evidências encontradas por pesquisas da época, que as temperaturas da superfície terrestre aumentariam cerca de 0,3ºC por década ao longo do próximo século, com margem de erro entre 0,2ºC e 0,5ºC. Caso as emissões de gases fossem reduzidas no período, a alta chegaria a 0,1ºC a cada dez anos. Os números projetados, portanto, não indicavam mudanças abruptas no clima do planeta, como disse o ministro.

Também não é verdade que as previsões do IPCC não se confirmaram: de acordo com estimativas, houve um acréscimo de 0,15ºC na temperatura média do planeta por década desde os anos 1990. Os números foram reproduzidos em uma reportagem do jornal britânico The Guardian que reafirma a precisão dos dados e ressalta que, apesar disso, é natural supor que o clima talvez não siga os caminhos previstos pelos cientistas, ainda mais a curto prazo.

Com corpo de estudos formado por 195 cientistas de diversas partes do mundo, o IPCC não faz suas pesquisas próprias sobre mudanças climáticas ou efetua medições de clima. Seus estudos compilam evidências encontradas em pesquisas científicas, técnicas e socioeconômicas publicadas por órgãos governamentais oficiais e institutos. O painel também tem diretrizes específicas para lidar com erros.

EXAGERADO

O Brasil tá na décima posição [em emissões de gases do efeito estufa], com 2%. — Ricardo Salles

De acordo com os últimos dados disponíveis em duas bases disponibilizadas pela ONG World Resources Institute na plataforma Climate Watch, o Brasil era o sexto maior emissor de gases responsáveis pelo efeito estufa (2,2% do total) em 2016, não o décimo, como afirmou o ministro do Meio Ambiente.

Segundo um artigo publicado pela organização, no entanto, dados mais atuais mostram que o país teria caído para a sétima colocação.

De fato, como o ministro também afirmou na ocasião, as duas nações com maiores emissões de carbono do mundo são a China (27%) e os Estados Unidos (14%).


Voltar


Comente sobre essa publicação...