Semana On

Quinta-Feira 24.out.2019

Ano VIII - Nº 368

Mato Grosso do Sul

Em Curitiba, Reinaldo Azambuja discute com chineses investimentos no corredor ferroviário bioceânico

Possibilidades de rotas e ramais que ligarão Brasil e Chile, passando pelo Paraguai e pela Argentina, foram apresentadas no encontro

Postado em 08 de Agosto de 2019 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Representantes de grupos empresariais chineses e portugueses no Brasil discutiram formas de investimento no novo projeto da Estrada de Ferro Paraná Oeste (Ferroeste), que liga os portos de Paranaguá (PR) e Antofagasta, no Chile. As perspectivas foram divulgadas no último dia 7 em reunião realizada em Curitiba (PR) com a presença do governador Reinaldo Azambuja.

Possibilidades de rotas e ramais que ligarão Brasil e Chile, passando pelo Paraguai e pela Argentina, foram apresentadas no encontro. Um grupo de trabalho organizado pelo Governo do Paraná vai avaliar qual o melhor modelo a ser seguido. Atualmente, a Ferroeste liga as cidades de Cascavel a Guarapuava. Novos projetos pretendem aumentar a extensão da linha de ferro até as cidades de Dourados e Maracaju.

Mato Grosso do Sul tem interesse na construção de uma nova linha de escoamento da produção por meio do Oceano Pacífico. “Seremos mais competitivos com essa nova saída. Agora é olhar a melhor lógica e modelagem”, afirmou Reinaldo Azambuja. Ele ainda defendeu a discussão conjunta do traçado, uma vez que a integração logística dá mais competitividade aos produtos brasileiros e asiáticos.

O governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior, também reafirmou a relevância do projeto.  “É um sonho tirar do papel o corredor bioceânico, mas qualquer decisão depende do Governo Federal. Precisamos vencer a burocracia, especialmente para criar uma normativa alfandegária única, já que envolve quatro países”, destacou.

“É uma grande oportunidade. Os agentes financeiros estão muito interessados no projeto. O desafio não é financeiro, é mais de governança”, acrescentou Josemar Ganho, consultor e estruturador do projeto bioceânico pela Onlystars/ICBC, que representa os grupos empresariais chineses e portugueses.

Corredor ferroviário

Com 2,5 mil quilômetros, o projeto inicial de implantação do corredor bioceânico ferroviário facilita as exportações do Cone Sul do Brasil para os países asiáticos pelo Oceano Pacífico. O estudo já foi apresentado ao presidente Jair Bolsonaro, ao presidente paraguaio, Mario Abdo Benítez, ao ministro de Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, e ao diretor-presidente da Itaipu, Joaquim Silva e Luna, informou o governo paranaense.

Também participaram o encontro o secretário Jaime Verruck (Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), o vice-governador do Paraná, Darci Piana; e demais autoridades do estado vizinho.


Voltar


Comente sobre essa publicação...