Semana On

Terça-Feira 22.out.2019

Ano VIII - Nº 368

Campo Grande

Força-tarefa pretende terminar desassoreamento no Parque das Nações Indígenas ainda em agosto

Com recursos do estado e do município, ação deve ser finalizada em tempo das comemorações do aniversário de Campo Grande

Postado em 07 de Agosto de 2019 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O Governo do Estado e a Prefeitura de Campo Grande estão mobilizando um grande aparato de pessoal (são 50 trabalhadores),  e  44 equipamentos  (entre caminhões  e máquinas) para concluir, ainda em agosto, mês do aniversário de Campo Grande, o desassoreamento do lago principal do Parque das Nações Indígenas, um dos principais cartões postais da cidade.

Desde o dia 11 de junho, quando o trabalho começou pelo lago menor, já foram retirados  mais de 85 mil metros cúbicos, de um total de 135.474 mil metros cúbicos que estavam assoreando os dois espelhos d’água.  Foram 7.500 viagens de caminhão até o local de descarte.

O trabalho no lago menor, iniciado dia 11 de junho, terminou duas semanas  depois, dia 25. Foram retirados 15.474 metros cúbicos de areia, exigindo 1.500 viagens de caminhão.

Conforme levantamento do Superintendente de Serviços Públicos da Sisep, engenheiro civil Mehdi Talayeh, em 30 dias de efetivo serviço no lago principal, houve a retirada de 70 mil metros de areia, 58% do sedimento acumulado nos  5 hectares por onde suas águas se espraiavam,  engolidas  por imensos bancos de areia. Foram computados até aqui, 6 mil viagens, somando, aproximadamente, 25 mil quilômetros rodados, o suficiente para ir e voltar de São Paulo mais de 12 vezes. Falta ainda retirar 50 mil metros cúbicos, o que deve exigir mais 3 mil viagens dos 30 caminhões envolvidos na operação.

O ritmo dos trabalhos é intenso, de segunda até o final da tarde sábado, das 7 às 17 horas, com uma hora de intervalo para  almoço.  Desde quando começou, foram poucas as interrupções,  quatro  dias de chuva e dois  dias, quando foi preciso interromper o serviço para desobstruir a tubulação do vertedouro do lago. Um dos  desafios  enfrentados foi improvisar  bueiros provisórios  em meio aos bancos de areia para servir de travessia os caminhões sobre o canal original do Prosa, córrego formador do lago junto com o Reveillon e o Joaquim Português.

Além de 50 trabalhadores, entre encarregados, operadores de máquina, motoristas e apontadores, o trabalho no Parque das Nações mobiliza 30 caminhões, 8 escavadeiras, uma pá carregadeira; uma patrola; um trator de esteira; um caminhão de apoiol; um pipa; um comboio e uma retro escavadeira.

Projeto de R$ 8 milhões

A recuperação dos lagos do Parque das Nações Indígenas vai exigir  um investimento de R$ 8 milhões, recurso da Prefeitura (R$ 5 milhões ) e do Governo do Estado (R$ 3 milhões).  O projeto inclui a construção de um piscinão  no Córrego Réveillon, na esquina das avenidas Mato Grosso com Hiroshima; obras de controle de erosão e recomposição vegetal das margens do Córrego  Joaquim Português; e implantação de uma comporta de regulação do nível do lago, tão logo o desassoreamento esteja concluído.

Para evitar que os lagos voltem a ficar assoreados , com o carreamento de areia junto com a enxurrada  que desce dos bairros do entorno do Parque dos Poderes, serão executados dois projetos  nos córregos  Réveillon e Joaquim  Português, cujas águas formam o lago.

No Réveillon, a Prefeitura implantará um piscinão, inicialmente projetado para armazenagem de 22 mil metros cúbicos de água. No Joaquim Português, o Governo do Estado vai executar obras de controle de erosão e replantio da vegetação nas margens. Os projetos já estão sendo contratados e a licitações devem ocorrer até dezembro de 2019.

Com as intervenções programadas, segundo Rudi Fiorese, além de recuperar um  cartão postal da Capital, os lagos terão um papel importante no controle de enchentes de afluentes do Córrego Prosa, que  em dias de chuva mais intensa, transbordam na região do Shopping Campo Grande.  Terão capacidade para armazenar 65 mil metros cúbicos de água, o equivalente a três vezes a capacidade do piscinão que será construído nos altos da Avenida Mato Grosso.=


Voltar


Comente sobre essa publicação...