Semana On

Segunda-Feira 18.nov.2019

Ano VIII - Nº 372

Comportamento

Pessoas que leem são mais felizes, afirma nova pesquisa

Estudo indica que os livros ajudam a estimular conversas significativas e criar conexões mais profundas com outras pessoas

Postado em 11 de Junho de 2019 - Galileu

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Um bom livro pode ser um grande amigo para a nossa rotina. E agora uma pesquisa encomendada pelo Kindle (plataforma de leitura da Amazon) e conduzida pela consultoria Kelton Global em 13 países, com 27.305 participantes, mostra o quanto ler é um hábito essencial. De acordo com os resultados obtidos no estudo, a leitura aumenta a felicidade e também pode nos ajudar a nos conectar uns com os outros e melhorar nossos relacionamentos.

Segundo a pesquisa, 71% dos leitores semanais dizem que se sentem mais felizes, em comparação com 55% dos outros leitores. O aumento do relaxamento e os efeitos positivos da leitura podem ser os motivos pelos quais os leitores se sentem mais felizes do que aqueles que leem com menos frequência ou não o fazem. 

Com tantas notificações das redes sociais, muitas pessoas fazem da leitura sua principal atividade de cuidado para si. Inclusive, a pesquisa revela que é comum que as pessoas cancelem planos ou atividades sociais para dedicar tempo para a leitura: mais de 70% dos participantes admitem ter escolhido um livro ao invés de sair. 

Na questão dos relacionamentos, a pesquisa mostra que leitores usam livros para estimular conversas significativas e criar conexões mais profundas com outras pessoas. Mais de 80% credita à leitura melhoras em seus relacionamentos e 81% ficam ansiosos em discutir pelo menos um aspecto de algum livro com outras pessoas. 

Em relacionamentos amorosos, mais de 65% dos entrevistados em todo o mundo concordam que a leitura é um hábito que gera atração e 41% dos casais globais dizem que discutir livros foi uma das coisas que os fizeram se apaixonar. E a importância vai além, com quase 30% dos leitores casados ou em um relacionamento dizendo que questionariam sua relação com base nos tipos de livros ou gêneros escolhidos por seu parceiro. Além disso, quase 29% dos entrevistados afirmaram que questionariam seu relacionamento caso o parceiro não fosse um leitor.

As pessoas também estão querendo dedicar mais tempo à leitura, com quase metade dos participantes (45%) afirmando que estabeleceram como meta de desenvolvimento pessoal para este ano ter o hábito de ler mais livros. Por sinal, o objetivo de dedicar-se à leitura é superior ao desejo de perder peso em países como Brasil, China, Índia e México.


Voltar


Comente sobre essa publicação...