Semana On

Segunda-Feira 16.set.2019

Ano VIII - Nº 363

Campo Grande

Avenida Euler de Azevedo tem drenagem reforçada antes da última etapa de recapeamento

A previsão é entregar o serviço dentro de 90 dias, dependendo das condições climáticas

Postado em 06 de Junho de 2019 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A Prefeitura de Campo Grande iniciou os serviços preliminares para a última etapa do recapeamento da Avenida Euler Azevedo, que abrangerá o trecho de um quilômetro entre a Avenida Ernesto Geisel e a rotatória com a Tamandaré.  O trânsito foi interditado em meia pista, na primeira quadra abaixo da rotatória, para as equipes da empresa responsável pela obra iniciarem o reforço da drenagem previsto  no projeto. A previsão é entregar o serviço dentro de 90 dias, dependendo das condições climáticas.

Serão abertas novas bocas de lobo e implantadas mais tubulações para conexão com  os poços de visita da rede de drenagem existente (os chamados ‘bigodes’). O objetivo é  aumentar  a capacidade de captação e escoamento e evitar os alagamentos que trazem transtornos para quem passa por lá, além de reduzir o tempo de vida útil do asfalto. A enxurrada desce em grande velocidade neste trecho por causa da declividade da pista. Em seguida, será feito o reperfilamento da pista (a remoção das ondulações na pista que surgiram com os sucessivos remendos de tapa-buraco) e removidos os trechos mais críticos do asfalto antigo, para  então ser aplicada a nova capa asfáltica.

Antes desta última etapa, a Prefeitura já havia recapeado as duas pistas da Avenida Euler Azevedo (numa extensão de 1,6 km), entre as  rotatórias  com as avenidas Presidente Vargas e Tamandaré. A obra integra o Complexo Altos do São Francisco, financiado com recursos do PAC Pavimentação.

O projeto foi reprogramado para que fossem feitos 11 quilômetros de recapeamento nesta região, com investimento de R$ 3, 7 milhões. A intervenção incluiu além da Avenida Euler de Azevedo, a Rua Fernando Noronha, via de 3,7 km – ligação das avenidas Presidente Vargas e Tamandaré;  e a Avenida Tamandaré,  numa extensão de 4,6 km ,  da Júlio de Castilho até a  Rua Teodoro Roosevelt.

Para  Amarilo Vitilino, funcionário de uma distribuidora de material de construção, o recapeamento é um serviço que garante boas condições de tráfego. “Muito melhor que o tapa-buraco, que é uma solução provisória para manutenção do asfalto”.

O microempresário Magno da Silva, dono de oficina mecânica na Rua General Bertoldo Klinger (paralela a Euler),  diz que a recuperação do asfalto na avenida complementa  a  infraestrutura do bairro (o Nossa Senhora AuxiliadoraI), onde o asfalto chegou no ano passado, como parte das obras do Complexo Altos do São Francisco.

Planejamento de 2019

O programa de recapeamento da Prefeitura 2019, segundo o secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos Rudi Fiorese,  prevê aproximadamente 150 quilômetros de recapeamento, em parceria com a Águas Guariroba; recursos (R$ 22 milhões) de um financiamento contratado junto à Caixa Econômica e  PAC Pavimentação nas regiões do Zé Tavares, Anache, Jardim Seminário, Atlântico, Santa Luzia, Sirio Libanês e Residencial Belinatti.

Dentro do Projeto de Mobilidade Urbana serão recapeadas a Avenida Bandeirantes (em andamento) e a Rua Bahia. No segundo semestre será licitado a execução do mesmo serviço nas avenidas Gury Marques e Gunter Hans.


Voltar


Comente sobre essa publicação...