Semana On

Sábado 24.ago.2019

Ano VII - Nº 360

Mato Grosso do Sul

Com Evo Morales, Reinaldo Azambuja alinha projeto da Ferrovia TransAmericana

Acordo assinado na Bolívia dá início ao projeto de construção de termelétrica na região de Ladário

Postado em 05 de Junho de 2019 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Considerado estratégico para o desenvolvimento logístico do Brasil, o projeto da Ferrovia TransAmericana foi debatido entre o governador Reinaldo Azambuja e o presidente da Bolívia, Evo Morales. Os dois trataram do assunto na cidade de Santa Cruz de La Sierra, em encontro marcado para oficializar o fornecimento de gás e ureia bolivianos para Mato Grosso do Sul.

O governador Reinaldo Azambuja explicou que o traçado da TransAmericana, também conhecido como Corredor Ferroviário Bioceânico, encurta distância das exportações brasileiras até a Ásia e dá “enorme” competitividade à produção. “Esse modal é uma extensão das ferrovias brasileiras, adentrando ao território boliviano e chegando aos portos peruanos e chilenos”, destacou Reinaldo Azambuja.

Ao unir os oceanos Atlântico e Pacífico, a Ferrovia TransAmericana integra Brasil, Bolívia, Argentina, Chile e Peru. O traçado do projeto inicia em Santos (SP) e passa por Três Lagoas e Corumbá. “Esse é o destino que todos nós do Brasil sonhamos: adentrar ao Oceano Pacífico com competitividade dos nossos produtos (…) passando pelo território boliviano, gerando oportunidades e fazendo uma integração cultural, turística e econômica”, afirmou o governador.

Evo Morales definiu o projeto importante para a economia da Bolívia, informou Reinaldo Azambuja. Para as autoridades, a TransAmericana vai fomentar a integração e o desenvolvimento econômico dos cinco países. Em Mato Grosso do Sul, o trecho da ferrovia é conhecido como Malha Oeste e tem 1,7 mil quilômetro. Administrado pela Rumo Logística, o modal deve ser contemplado com investimentos do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), do governo federal.

Também participaram do encontro o secretário Jaime Verruck (Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), o diretor-presidente da MSGás, Rudel Trindade, e o ministro de Hidrocarburos do governo boliviano, Luis Alberto Sánchez.

Termelétrica

O acordo assinado em Santa Cruz de la Sierra, Bolívia, rompe uma etapa importante para viabilizar a termelétrica na região de Ladário/Corumbá, investimento de US$ 300 milhões da Camaçari RJ Participações.

A produção de energia elétrica será feita com o gás natural e para isso foi assinado nesta terça-feira documento em que a estatal boliviana Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos S/A (YPFB) se compromete a fornecer 1,1 milhão de metros cúbicos por dia para a Termelétrica Fronteira.

Ao participar da solenidade de assinatura do Termo de Compromisso de Fornecimento de Gás Natural pela YPFB, junto com o presidente da Bolívia, Evo Morales, e do ministro de Hidrocarburos, Luis Alberto Sanches, o governador Reinaldo Azambuja destacou a importância desse ato. “Vamos poder juntos, governo boliviano, governo de Mato Grosso do Sul, a Global e a Camaçari, gerar energia, então vocês, além de fornecer o gás, vão ser sócios de um empreendimento que vai poder gerar energia e irrigar as linhas de transmissão no Brasil”, afirmou.

O governador de Mato Grosso do Sul falou também do fortalecimento da integração do Estado com o governo boliviano, que vem abrindo caminhos para importantes parcerias comerciais. “Poder fazer essa parceria na importação de uréia e do potássio é importante. O Brasil importa todo o potássio consumido de outros países e hoje podemos ter outra oportunidade que é a compra do potássio produzido na Bolívia para a produção agropecuária no Brasil. Então, mais do que a assinatura de um termo de compromisso, é firmar realmente uma integração também nas áreas cultural, turística”, afirmou Reinaldo Azambuja.

“O ato hoje do governador com o presidente Evo Morales é a garantia de demanda de gás para esse projeto, para que ela (a Camaçari) possa participar do leilão, então esse é um fato concreto que vem sendo negociado há mais de dois anos com o governo boliviano. Temos que lembrar que para o governo de Mato Grosso do Sul é extremamente importante essa parceria com o governo boliviano, principalmente em função do gás natural, não é só para essa termelétrica, mas hoje a Bolívia é a principal fornecedora de gás natural para o Brasil e consequentemente de ICMS para o Mato Grosso do Sul”, afirmou o secretário Jaime Verruck (Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar)

A Termelétrica Fronteira

Nesse empreendimento a ser erguido entre Ladário e Corumbá, a Camaçari prevê investir US$ 300 milhões. De acordo com o projeto, a unidade terá capacidade instalada para produzir 266,462 megawatts de energia elétrica.

Esse acordo comercial firmado com a YPFB faz parte da estratégia de negócio da Camaçari. A empresa pretende participar do Leilão de Energia Nova A-6 de 2019, previsto para ser realizada no dia 29 de setembro deste ano pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). De acordo com as regras publicadas pelo Ministério das Minas e Energia, para participar do leilão é necessário que a Camaçari apresente documentação comprovando que terá disponibilidade de gás natural para manter a termelétrica funcionando continuamente.

Outra ação que o Governo do Estado trabalha é para que a UFN3, de Três Lagoas, também passe a fazer a compra direta do gás boliviano quando entrar em atividade. A fábrica começou a ser construída em 2011 e foi paralisada em 2014. Já recebeu investimentos de R$ 4 bilhões e está com 81% da obra já executada. O consumo de gás natural estimada na unidade é de 2,2 milhões de metros cúbicos por dia.

Reinaldo Azambuja convidou as autoridades bolivianas a fazerem uma visita a Três Lagoas, para que eles possam conhecer o potencial de produção de celulose no município. Para o governador, o setor é um potencial consumidor também de gás natural da Bolívia. Acompanharam Reinaldo Azambuja na agenda na Bolívia, além do secretário Jaime Verruck,  e o presidente da Companhia de Gás de Mato Grosso do Sul (MSGÁS), Rudel Trindade.

Na Bolívia o governador Reinaldo Azambuja e o presidente Evo Morales assinaram o Termo de Cooperação entre Mato Grosso do Sul e a Bolívia nas áreas de gás natural e uréia. E o governador apresentou ao presidente, o projeto da ferrovia TransAmericana, importante para melhorar a competitividade dos produtos brasileiros no mercado internacional, com a exportação via portos do Chile e Peru, com custos mais baixos.


Voltar


Comente sobre essa publicação...