Semana On

Quinta-Feira 22.ago.2019

Ano VII - Nº 359

Campo Grande

Madrinha da Campanha de Combate ao Feminicídio, Luiza Brunet destaca trabalho realizado na Casa da Mulher Brasileira

Prefeitura de Campo Grande é parceira da Campanha Estadual de Combate ao Feminicídio, lançada pelo Governo de Mato Grosso do Sul

Postado em 04 de Junho de 2019 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A Modelo e ativista, Luiza Brunet, visitou a Casa da Mulher Brasileira (CMB) em Campo Grande. Em coletiva de imprensa, ela falou sobre sua vida como ativista e destacou o trabalho realizado no local. A Prefeitura de Campo Grande, por meio da Subsecretaria de Políticas para a Mulher, é parceira do Governo do Estado de Mato Grosso do Sul na Campanha Estadual de Combate ao Feminicídio.

Carla Stephanini, Subsecretaria Municipal de Políticas Para a Mulher, parabenizou Luiza Brunet pelo seu papel a frente do movimento e destacou o trabalho realizado em Campo Grande. “Hoje o Brasil te reconhece como uma ativista em defesa dos direitos das mulheres e a sua atitude foi transformadora, não só para a sua vida, mas também na vida de tantas outras mulheres. Essas mulheres reunidas aqui são mulheres que trabalham incansavelmente nas políticas públicas para as mulheres”, afirmou.

A vice-prefeita de Campo Grande, Adriane Lopes, também destacou o trabalho realizado na capital. “Eu venho em nome do prefeito Marquinhos Trad e da primeira-dama da Capital, Tatiana Trad, dar boas vindas a você Luiza, e dizer da importância de você estar aqui conosco na cidade, pra que nós mulheres possamos unir as nossas forças. A Carla Stephanini tem feito um trabalho brilhante por Campo Grande, essa casa tem se tornado referência não só no Brasil, mas fora também. E pra nós, nesta tarde, é uma honra recebê-la em nossa Capital, que é sua também, seja muito bem-vinda”, declarou Adriane Lopes.

Luciana Azambuja, Subsecretária de Políticas Públicas para Mulheres de Mato Grosso do Sul, falou sobre os dados de feminicídio no estado e agradeceu Luiza Brunet por ser exemplo enquanto ativista. “Nesse ano foram 16 mulheres vítimas de feminicídio, mulheres entre 17 e 56 anos. Três indígenas. Uma tentativa muito cruel ontem em Amambai, onde a mulher está em situação muito crítica e nós estamos rezando para que ela seja uma sobrevivente. Foram 12 mulheres no interior e quatro em Campo Grande. A gente conhece a atriz, a modelo, a pessoa Luiza Brunet que foi vítima de violência e se tornou uma ativista pelos direitos das mulheres e está aqui conosco, sendo a voz de 124 mulheres que já morreram vítimas de feminicídio em Mato Grosso do Sul. E também as mais de 160 sobreviventes” afirmou.

Madrinha da Campanha Estadual de Combate ao Feminicídio, Luiza Brunet falou sobre seu trabalho como ativista e destacou as ações realizadas pela Casa da Mulher Brasileira, pioneira no país. “Depois que você é vítima de violência, sua realidade é outra, quando você vivência na pele o que uma mulher passa, você acaba tendo propriedade para falar sobre. Me colocar no lugar das mulheres que sofrem tem um poder enorme. Eu acho que o feminicídio não é um problema só do Estado de Mato Grosso do Sul, o Brasil inteiro está com o índice muito alto, então a sociedade precisa estar envolvida nessa causa. A gente espera que o trabalho realizado na Casa da Mulher Brasileira em Campo Grande, seja exemplo para outros estados do Brasil”, disse. 

Em quatro anos de funcionamento, a CMB, administrada pela Prefeitura de Campo Grande, realizou cerca de 342.796 atendimentos e encaminhamentos realizados nos setores integrados.

Sobre a Campanha Estadual de Combate ao Feminicídio

A Prefeitura de Campo Grande, por meio da Subsecretaria de Políticas para a Mulher, é parceira da Campanha Estadual de Combate ao Feminicídio, que foi lançada pelo Governo de Mato Grosso do Sul.

Para organizar a agenda de eventos que contemplam as ações foi criado o Comitê Estadual de Combate ao Feminicídio, do qual faz parte a subsecretária de Políticas para Mulher de Campo Grande, Carla Stephanini.

“Extremamente significativa essa campanha de combate ao feminicídio em um ano que vemos um número preocupante de morte de mulheres, já que nestes primeiros meses já foram mortas 16 mulheres, 12 no interior e 4 em Campo Grande, além dos feminicídios tentados que também foram elevados”, afirmou.

Dentre os eventos principais para chamar a atenção do público, sensibilizar e conscientizar toda a sociedade de que a violência sofrida pelas mulheres muitas das vezes leva à morte violenta, será realizada uma caminhada com a madrinha da campanha, a modelo e atriz Luiza Brunet.

A secretária reforça a importância da participação da modelo, que é de Mato Grosso do Sul, e é uma inspiração para muitos, por ter tido a coragem de denunciar a violência sofrida, para que mulheres de diferentes classes econômicas e sociais possam ser sentir motivadas a denunciar também.

Haverá ainda, até o dia 7 de junho, ações como palestras, panfletagens, eventos e debates para discutir o feminicídio como a maior violação dos direitos humanos contra as mulheres.

A meta da campanha é que a divulgação se multiplique e que as pessoas abracem a causa, levando informação a todos os cantos do Estado, desconstruindo assim a cultura machista e patriarcal existente em nossa sociedade.


Voltar


Comente sobre essa publicação...