Semana On

Quinta-Feira 17.out.2019

Ano VIII - Nº 367

Cultura e Entretenimento

MIS realiza exposição em homenagem a Idara Duncan

Exposição reúne reproduções fotográficas a laser do arquivo pessoal da própria Idara, do artista Jonir Figueiredo e do arquivo do museu

Postado em 23 de Maio de 2019 - Redação Semana On

Foto: Geovanni Gomes - Top Mídia News Foto: Geovanni Gomes - Top Mídia News

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O Museu da Imagem e do Som (MIS) abriu nesta semana a exposição “Idara Duncan”, em homenagem à primeira gestora do museu, considerada a “mãe biológica” do MIS. A curadoria é do artista plástico e produtor cultural Jonir Figueiredo.

A exposição compõe-se de reproduções fotográficas a laser do arquivo pessoal da própria Idara, do artista Jonir Figueiredo e do arquivo do MIS. As fotos são de autoria de diferentes fotógrafos não identificados. A motivação da exposição é a de registrar e revelar a prestação de serviços à Cultura do Estado nesses longos anos por Idara Duncan.23

Idara Negreiros Duncan Rodrigues nasceu no Rio de Janeiro, em Ipanema, e reside em MS desde 1961. É bacharel em Letras pela UCDB e possui especialização em Língua Portuguesa pela Fundação Educacional Severino Sombra. Professora pela Rede Estadual de Ensino, foi presidente da Fundação de Cultura de MS entre 1985 e 1987, primeira presidente da Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais de Campo Grande entre 1988 e 1990 e secretária de Estado de Cultura e Esportes de MS entre 1995 e 1998.

É coautora do livro “Memória da Arte em Mato Grosso do Sul” e do vídeo homônimo produzido em 1993. Com as escritoras Maria da Glória Sá Rosa e Maria Adélia Menegazzo, participou do livro “Personalidades”, editado na série “Campo Grande” em 2007. Coautora de mais dois livros, “As Artes Plásticas de Mato Grosso do Sul”, com Maria da Glória Sá Rosa e Yara Penteado em 2009, e a obra literária “Música de Mato Grosso do Sul”, em parceria com Maria da Glória Sá Rosa em 2009.

Integrou o Conselho Estadual de Cultura de MS ao longo de 16 anos e foi vice-presidente do Fórum Nacional de Secretários de Cultura. Criou o MIS e a Lei Estadual de Incentivos Fiscais à Cultura, em 1998; trabalhou no Conselho Estadual de Educação e como professora na Unaes. Integra o Instituto Histórico e Geográfico de MS (HIG-MS), e é considerada diplomata cultural de MS.

A homenageada foi a idealizadora do MIS e considerada a “mãe biológica” do MIS. Idara lutou por dois anos para a implantação do museu na época em que era secretária de Cultura, quando finalmente o MIS foi oficialmente criado em 9 de dezembro de 1997, por meio da Lei n. 1793. A inauguração se deu em 28 de dezembro do ano seguinte, e a primeira sede foi no subsolo do Palácio Popular da Cultura.

“A criação do MIS é de toda uma geração de pessoas ligadas à música, à fotografia e ao cinema nesse Estado. É uma coisa que representa o que o Estado quer e precisa. O MIS abriga tudo o que aconteceu em imagens, filmes, o que as pessoas fizeram com todo o sacrifício. Eram realmente os amantes da cultura. As coisas foram crescendo, o material se acumulando, e precisávamos de espaço. O que eu fiz foi só alinhavar para conseguir registrar e acolher toda essa riqueza que é a nossa história e a vida do nosso povo. As pessoas se uniram por um ideal, que era um ideal coletivo. Um povo não existe sem memória. O MIS é um exemplo para as outras unidades da Federação”, diz Idara.

Em janeiro de 2001 o MIS oi transferido para um prédio na Avenida Afonso Pena, facilitando assim o acesso à população. Em 2006, com a criação do Memorial da Cultura Apolônio de Carvalho, o museu passou a ocupar o 3º andar do prédio.

Além de coletar, registrar e preservar os sons e imagens da vida do sul-mato-grossense, nos seus aspectos humanos, sociais e culturais, o MIS é um importante núcleo de formação e difusão artística e educativa. “As mostras de cinema, oficinas, exposições, seminários, simpósios, fazem parte da missão do Museu e nos últimos anos as parcerias com diversas instituições culturais e educativas do Estado têm sido fundamentais para o fortalecimento destas ações”, afirma a escritora e cineasta Marinete Pinheiro, atual gestora do museu.

Serviço

A exposição no Museu da Imagem e do Som fica em cartaz até 13 de junho. A entrada é franca. O horário de visitação é de segunda a sexta-feira das 7h30 às 17h30. O MIS fica no 3º andar do Memorial da Cultura e da Cidadania (avenida Fernando Corrêa da Costa, 559). Mais informações pelo telefone (67) 3316-9178.


Voltar


Comente sobre essa publicação...