Semana On

Sábado 24.ago.2019

Ano VII - Nº 360

Entrevista

'Negar as Ciências Humanas nos deixa à deriva num mundo movido por forças econômicas', diz Judith Butler

Escritora e filósofa americana organizou manifesto contra Bolsonaro, em resposta a possíveis cortes nas áreas de filosofia e sociologia no Brasil

Postado em 20 de Maio de 2019 - Audrey Furlaneto – O Globo

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A escritora e filósofa americana Judith Butler, professora da Universidade de Berkeley, é uma das fundadoras da Gender International, uma rede de intelectuais de Harvard, Princeton, Cambridge, USP, UFRJ, entre outras instituições de mais de 20 países, que defende o estudo de gêneros. No mês passado, ela mobilizou o grupo para criar um manifesto contra a declaração do presidente Jair Bolsonaro, feita em rede social, em defesa da redução de verbas para disciplinas como filosofia e sociologia. Mais de 17.000 intelectuais dos quatro cantos do planeta assinaram o documento em que defendem: "As Ciências Humanas não são um luxo".

Judith Butler quis tratar do tema por ter relação singular com o Brasil. Em 2017, quando veio ao país, para participar do encontro "Os fins da democracia", a intelectual foi agredida verbalmente e alvo de protestos em São Paulo. Na ocasião, manifestantes foram à sua palestra com cartazes apontando uma "influência negativa" da chamada ideologia de gênero. Houve também quem a defendesse — Judith Butler, afinal, é um dos expoentes no estudo de gêneros e na teoria queer, e autora de livros como "Problemas de gênero" (de 1990), além de nome de destaque do feminismo contemporâneo.

A filósofa mantém o Brasil em sua mira. E depois de debater a situação do país com os acadêmicos parceiros da Gender International, estimulou a elaboração do manifesto. Anteriormente, os intelectuais já haviam causado barulho com um abaixo-assinado contra decisão do presidente ultraconservador da Hungria, Viktor Orbán, de banir das universidades do país o estudo de gêneros

Butler defende que as Ciências Humanas são cruciais para "dar aos alunos um amplo senso de História". Para ela, a área do conhecimento deve ser valorizada independentemente de "posicionamentos políticos". E também lembra que "alguns dos maiores pensadores conservadores surgiram justamente da filosofia e da sociologia".

 

Por que decidiu organizar o manifesto contra Bolsonaro? A senhora acredita que as Ciências Humanas de fato estão sob ataque no Brasil?

Existe um temor de que essas disciplinas tenham se tornado ideológicas, que elas representariam agendas políticas distintas (das do governo atual). Mas, na verdade, há debates e conflitos importantes dentro desses campos, e a maior parte dos estudos de Ciências Humanas não tem orientação partidária. Elas oferecem aos alunos habilidades necessárias - escrita, leitura e comunicação - para debaterem os valores que guiam a sociedade. Se as universidades se voltarem exclusivamente para as habilidades técnicas ou dedicadas à promoção de interesses de mercado, elas perdem sua missão de dar aos alunos um amplo senso de História, de debater os valores e apresentar pontos de vista respaldados por evidências. 

O que representa esse eventual corte de verbas para as Ciências Humanas?

É impossível entender nosso mundo sem entender as histórias e as imagens, a interpretação e a argumentação. Precisamos das Ciências Humanas e Sociais para desenvolver uma compreensão bem informada da história, da sociedade e da imaginação. Negar essas disciplinas é negar tanto a memória quanto a esperança, e nos deixa à deriva em um mundo impulsionado apenas por forças econômicas. Como poderíamos responder à questão sobre o que vivemos e em que tipo de mundo queremos viver se negarmos a filosofia? Como entenderíamos como o mundo é organizado se erradicarmos a sociologia? Pode-se ter qualquer posicionamento político e ainda valorizar esses campos de estudo. Alguns dos maiores pensadores conservadores surgiram de ambas as disciplinas.

Dentro das Ciências Humanas, o estudo de gênero corre mais riscos?

Os estudos de gênero atravessam todas as disciplinas, incluindo a História da Ciência e a da ética médica, por exemplo. O medo do gênero é o medo de um fantasma. Se aqueles que se opõem ao estudo do gênero soubessem da complexidade do campo, ficariam surpresos. Mas eles agem a partir da ignorância. Portanto, se concordamos que é melhor agir com base no conhecimento do que na ignorância, daremos espaço para campos que nos ajudam a entender nosso lugar no mundo, o significado da igualdade e os ideais de justiça.

Há consequências ao se cortar recursos para sociologia e filosofia?

Sim. O mundo se torna mais pobre. Para o Brasil, negar financiamento para essas áreas é deixar a busca internacional pelo conhecimento acadêmico e privilegiar o medo sobre o conhecimento informado. Se as pessoas aprendem a questionar o governo, então eles não podem comandar o povo sem serem desafiados. O ataque ao conhecimento é historicamente uma tática de autoritarismo. Sem cursos de História embasados por sólida pesquisa histórica, não podemos entender isso. 

Na semana passada, o MEC anunciou bloqueio de 30% de recursos para as universidades federais, o que gerou protestos da comunidade acadêmica. O que a senhora diria sobre a medida?

As universidades são uma fonte de perspectivas críticas. Elas nos dão a chance de repensar ideias pré-concebidas.  Esse movimento draconiano no Brasil é um sinal de que o governo Bolsonaro teme a difusão de conhecimento. Eles imaginam as universidades como bastiões do esquerdismo, mas isso é um sinal de que eles não têm a menor ideia do que está acontecendo dentro das universidades. 

Em entrevista ao jornal "Folha de S.Paulo", a escritora Camille Paglia afirmou que a ideologia de gênero "contaminou" as universidades brasileiras. Segundo ela, a esquerda é culpada pela homofobia e por empurrar eleitores para a direita no Brasil. A senhora concorda?

Camille Paglia é uma provocadora, cujos pontos de vista não são levados a sério. Ela está sempre interessada em fazer declaraçôes ultrajantes para atrair atenção. As questões por ela tratadas merecem um olhar mais sério. Não há um conceito único ou mesmo uma teoria única de gênero. Chamar isso de ideologia é traduzir o termo com base em uma mistificação política. Os estudos de gênero buscam compreender em diferentes culturas os significados de masculinidade e feminilidade, a relação entre natureza e civilização, a história da desigualdade e as formações sociais da família. Os estudos de gênero não prescrevem um modo de vida; eles olham para os modos de vida históricos e culturais para entender melhor a sociedade. Todos nós negociamos categorias de gênero na vida cotidiana, imaginando o que é certo para as mulheres e para os homens, e vemos que há um espectro de maneiras de entender a sexualidade na sociedade. Entender esse espectro não é endossar um modo de vida em detrimento de outro. É simplesmente tornar-se mais conhecedor do nosso mundo. E isso só pode nos fazer viver e agir de uma maneira mais ampla e consciente. 


Voltar


Comente sobre essa publicação...