Semana On

Quinta-Feira 14.nov.2019

Ano VIII - Nº 371

Mundo

Reportagem do Financial Times diz que Bolsonaro é um pária entre liberais

Segundo publicação, presidente só é bem recebido por chefes que concordam com sua política

Postado em 17 de Maio de 2019 - Andres Schipani – Folha de SP / Tradução: Paulo Migliacci

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O presidente Jair Bolsonaro é um pária entre os círculos liberais justamente quando precisa de investimentos estrangeiros, disse reportagem do jornal britânico Financital Times.

O presidente, segundo a publicação desta sexta (17), não teve a mesma receptividade em Nova York, como ocorreu quando visitou o presidente dos EUA, Donald Trump, em Washington em março.

Leia reportagem abaixo:


A noitada parecia destinada a ser memorável. Quase mil convidados aguardavam o presidente visitante, que receberia um prêmio da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, em Nova York. Os presidentes do Senado e do Supremo Tribunal brasileiros, um punhado de governadores e alguns dos principais líderes empresariais do país ouviram o quinteto de metais da Academia Militar de West Point tocar os hinos dos dois países.

O único problema foi que, no momento da cerimônia, o presidente Jair Bolsonaro estava decolando para Dallas, a fim de receber o prêmio lá, depois de protestos de muitos nova-iorquinos que o criticaram como homofóbico e inimigo do meio ambiente.

A cerimônia da noite de quinta-feira (16) deveria ter sido realizada na sede do Museu Americano de História Natural, em Manhattan. Mas a instituição cancelou sua participação no evento no mês passado, se declarando "profundamente preocupada" com os esforços do presidente brasileiro para reduzir as proteções ambientais na floresta amazônica. Depois que outros locais se recusaram a sediar o evento, a noitada terminou transferida ao hotel Marriott Marquis.

Sob os painéis luminosos reluzentes de Times Square, algumas dezenas de manifestantes americanos e brasileiros combatiam a garoa de primavera e carregavam cartazes que diziam "Bolsonaro racista, homófobico, fora de Nova York".

"Não se pode celebrar um homem como ele aqui", disse Miriam Marques, ativista brasileira radicada em Nova York. Mas àquela altura o presidente já havia decidido que Nova York não é seu tipo de cidade, e decidido aceitar um convite do povo do Texas, mais acolhedor.

O desdém de Nova York serviu para sublinhar a preocupação de que Bolsonaro esteja se tornando persona non grata nos círculos diplomáticos polidos, o que demole o longo histórico do Brasil como uma potência branda no cenário mundial.

O prêmio era visto como oportunidade para atrair investidores estrangeiros em um momento no qual os economistas estão reduzindo as previsões de crescimento do Brasil por Bolsonaro estar dedicando tempo demais a fomentar guerras culturais quanto à homossexualidade, armas, cristianismo e "marxismo cultural", e atenção insuficiente às reformas necessárias para levar a maior economia da América Latina a "pegar no tranco".

Bolsonaro, que é próximo de outros líderes nacionalistas como Benjamin Netanyahu, de Israel, e Viktor Orban, da Hungria, "se tornou um pária que só recebe acolhidas calorosas dos presidentes que concordam com suas políticas", disse James Green, professor de história latino-americana na Universidade Brown e crítico do presidente brasileiro.

A recepção gélida a Bolsonaro em Nova York contrasta com a acolhida calorosa que ele recebeu em Washington, em março. O líder brasileiro é seguidor declarado das políticas do presidente americano Donald Trump. Mas na Big Apple, o prefeito Bill de Blasio, democrata que esta semana lançou sua pré-candidatura à presidência dos Estados Unidos, não mediu palavras.

"Já vai tarde. Seu ódio não é bem vindo aqui", ele tuitou depois de o presidente brasileiro desistir da viagem. O porta-voz de Bolsonaro atribuiu a culpa pelo cancelamento a "ataques deliberados do prefeito de Nova York e pressão de grupos de interesses".

Algumas empresas –entre as quais o Financial Times– cancelaram seu patrocínio ao evento de gala depois de uma onda de protestos de ativistas ambientais e pelos direitos dos gays. Ainda que a maioria dos patrocinadores tenha mantido seu apoio, alguns dirigentes da câmara de comércio expressaram inquietação quanto a homenagear Bolsonaro, que venceu a eleição presidencial brasileira por ampla margem no ano passado mas corteja controvérsias há anos, fazendo declarações favoráveis à tortura e dizendo que crianças podem ser curadas da homossexualidade por meio de surras.

"Ele foi uma escolha terrível", disse um importante financista. Muita gente achava que o czar da economia brasileira, Paulo Guedes, formado pela Universidade de Chicago, deveria ter sido o homenageado.

No entanto, alguns participantes do evento criticaram a "intolerância" das pessoas hostis ao presidente brasileiro mais escancaradamente favorável aos Estados Unidos em décadas.

Houve quem aplaudisse freneticamente sempre que o nome de Bolsonaro era mencionado pelo anfitrião, Alexandre Bettamio, presidente da câmara de comércio e diretor do Bank of America Merrill Lynch para a América Latina, na cerimônia.

"Ditadores de toda espécie vêm a Nova York todo ano e ninguém diz coisa alguma, e quando temos um presidente democraticamente eleito, como Bolsonaro, as pessoas o rejeitam", disse um empreendedor americano próximo à família de Bolsonaro.

Em Dallas as coisas foram mais amistosas. Bolsonaro enfim recebeu o prêmio lá, na quinta-feira, e o senador republicano pelo Texas, Ted Cruz, estendeu a "mão da amizade" ao presidente brasileiro durante a visita. O ex-presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, também se reuniu com ele –"uma cortesia que ele estende a dignatários estrangeiros que visitem a área", enfatizou seu chefe de gabinete, Freddy Ford.

Michael Rawlings, o prefeito de Dallas, disse que sua cidade "se esforça por acolher bem a todos, mesmo que não concordemos com as opiniões de nossos visitantes", e definiu como "odiosos" os comentários depreciativos de Bolsonaro sobre os gays.

Não é só no exterior que Bolsonaro enfrenta plateias hostis. Na quarta-feira, dezenas de milhares de universitários saíram às ruas em diversas cidades do Brasil para protestar contra cortes de verbas.
Mas em Nova York, João Dória, ex-prefeito e hoje governador de São Paulo, representou Bolsonaro.

"Apesar de você, Bill de Blasio, amamos a cidade de Nova York, amamos a América", ele disse. Nos fundos da sala, um diretor da câmara de comércio resumiu o clima da noitada: "Que encrenca"


Voltar


Comente sobre essa publicação...