Semana On

Segunda-Feira 16.set.2019

Ano VIII - Nº 363

Brasil

131 anos após Lei Áurea, negros seguem à margem do mercado de trabalho

Os números do racismo estrutural no País devem ser questionados ativamente pelos empregadores, dizem especialistas

Postado em 16 de Maio de 2019 - Giovanna Galvani (Carta Capital) e Leonardo Sakamoto (UOL)

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

 13 de maio de 1888 poderia ser uma data lembrada pelos bons frutos que deixou, já que marca o dia da assinatura que acabou com a escravidão no Brasil. Poderia. A Lei Áurea tinha apenas 1 parágrafo e nenhuma maneira de dar oportunidades aos ex-escravos do País. O martírio continuaria.

Passados 131 anos, a maioria da população brasileira ainda encontra barreiras de difícil transposição, independente de onde estiverem no cenário social do País. “Eu achava antes que, quanto mais eu ascendesse, menos eu iria vivenciar essa questão. Porém, quanto mais eu subo, mais eu estou em espaços raros para negros e sinto estranhamento das pessoas na minha presença”, comenta Liliane Rocha, mestra em Políticas Públicas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e CEO da Consultoria Kairós, especializada em promover sustentabilidade e diversidade no ambiente empresarial.

Segundo pesquisas do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) de 2018, o mercado de trabalho absorve profissionais negros para áreas tradicionalmente com rendimentos mais baixos, o que faz com que essa parcela receba, em média, 69,3% do rendimento de não negros.

Por mais que o debate esteja cada vez mais em destaque – para o incômodo da massa conservadora que governa o País -, ainda são poucas as empresas que pensam em políticas de diversidade para o quadro de funcionários. De acordo com a pesquisa Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 maiores empresas do Brasil e suas ações afirmativas, feito pelo Instituto Ethos em 2016, o assunto ainda é incipiente na prática.

Contratar mais negros é uma das soluções mais óbvias, mas não apenas. O conceito de discriminação intergeracional pode explicar melhor sobre a disparidade de oportunidades observada recentemente, de acordo com Adilson Moreira, doutor em direito constitucional pela Universidade de Harvard e professor da Universidade Mackenzie. “O que as gerações sofrem se perdura no tempo. Se eu sou um homem negro e acabo de me formar na mesma faculdade do meu colega branco, o meu colega ganhará mais do que eu. Se eu tiver filhos, o meu colega já conseguiu acumular patrimônio e colocar o filho em um cursinho particular, e eu não, porque ganho metade. O meu filho vai para uma escola com menor qualidade, e assim vai.”

O processo para inclusão, então, deve passar pelo esforço em adotar a diversidade como cultura, e não apenas como mera estratégia de marketing – o que Liliane Rocha definiu como diversitywashing. “As pessoas precisam ter um espaço para prosperar”, disse a empresária, além de acrescentar que é necessário olhar para as estratégias em curto, médio e longo prazo.

“Os estigmas como dimensões prescritivas e falsas generalizações existiam antes dos programas de diversidade e vão existir depois”, acrescentou Moreira, que também é autor do livro ‘Racismo Recreativo’, da coleção Feminismos Plurais. “Parte-se do pressuposto que todas as pessoas brancas estão nos lugares por competência, quando temos uma cultura do clientelismo, nepotismo e preferência”, comentou.

Até o lucro das empresas mostra que políticas por inclusão constroem melhores negócios. De acordo com pesquisa feita pela consultoria inglesa McKinsey em 2017, a correlação entre diversidade étnica e de gênero e a performance financeira mantém-se em todas as regiões do mundo. Empresas com essas políticas em mente tinham 33% maiores chances de maior lucratividade do que as que menos investiam.

Para Adilson Moreira, trabalhar contra o mito da meritocracia é também selecionar talentos por meio de ações pró-ativas, que busquem jovens fora do círculo comum de universidades de elite e que, mesmo nessas, os executivos se mostrem compromissados com as causas.

Nos negócios, Liliane Rocha aponta que não há mais debate internacionalmente sobre o assunto. “Os CEOs são unânimes em considerar que a questão racial é prioritária”, comenta. “Não é mais uma escolha.”

Racismo estrutural

A crise econômica é especialmente dura contra a população negra por esse grupo ser o mais vulnerável, fruto de uma inclusão socioeconômica que nunca se concretizou desde a abolição. Por conta disso, negros contam com uma grande participação de trabalhadores em atividades com baixa qualificação profissional e sentiram especialmente o fechamento de vagas para operários da construção civil e em indústrias.

De acordo com outra PNAD, de dezembro do ano passado, 13,6% dos negros estavam entre os 10% da população com os menores rendimentos. E apenas 4,7% deles estavam entre os 10% com os maiores. Entre os brancos, 5,5% faziam parte dos 10% com menores rendimentos e 16,4% entre os 10% com maiores.

Nós, indivíduos, mas também a sociedade e o Estado reproduzimos as condições para que a desigualdade racial e étnica continue se perpetuando, em um processo não pontual, mas estrutural. Há mais números para demonstra as consequências disso: dados da PNAD/IBGE divulgados em dezembro do ano passado, mostram que um trabalhador branco recebeu, em média, 72,5% a mais do que um profissional preto ou pardo em 2017. O rendimento médio dos brancos ficou em R$ 2615,00, enquanto o dos negros foi de R$ 1516,00

O salário por hora dos brancos superava o dos negros em todos os níveis de escolaridade. A maior diferença estava em quem tem formação com nível superior: R$ 31,90 por hora para os brancos contra R$ 22,30 por hora para os negros. E os trabalhadores negros estavam mais inseridos entre as categorias com menores rendimentos médios: agropecuárias (60,8%), construção (63,0%) e serviços domésticos (65,9%).

O Brasil nunca conseguiu inserir socialmente a população negra. Os descendentes daqueles trabalhadores escravizados do final do século 19 continuaram a ser tratados como cidadãos de segunda categoria, sofrendo todo tipo de discriminação, recebendo bem menos que os brancos pela mesma função, enfrentando as piores condições de trabalho – isso quando não são mortos por balas de traficantes ou milicianos ou executados por policiais ou militares nas periferias das grandes cidades simplesmente por ter a "cor errada".

Para além de ajudar a abrir postos de trabalho para 13,4 milhões de desempregados e atuar para garantir que outros 28,3 milhões, cuja força de trabalho está subutilizada, consigam mais serviço, o governo federal tem que aprofundar as políticas a fim de melhorar as condições para a população negra.

O que inclui não apenas educação profissional e acesso ao mercado de trabalho, mas garantir saúde e segurança a fim de limar a vergonhosa diferença de oportunidades relacionada à cor de pele temos por aqui.

O problema é que o presidente da República acha que a injustiça não são esses dados do IBGE, mas as ações afirmativas na forma de cotas raciais. E defende a meritocracia, como se fosse possível falar sobre ela em uma sociedade na qual as pessoas contam com condições totalmente diferentes no ponto de partida de sua jornada pessoal – o que, não raro, ajuda a definir o que acontecerá em toda sua existência inteira.

Em entrevista enquanto candidato, no ano passado, questionado sobre a dívida que a sociedade tem com negros e negras por conta dessa abolição mal feita e, consequentemente, pela perpetuação das desigualdades e injustiças sociais, Bolsonaro respondeu: "Que dívida? Eu nunca escravizei ninguém na minha vida".


Voltar


Comente sobre essa publicação...