Semana On

Terça-Feira 21.mai.2019

Ano VII - Nº 351

Coluna

Simone cotada a ministra de Bolsonaro

As notícias que fizeram a semana política em MS, com Marco Eusébio

Postado em 10 de Maio de 2019 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) está sendo cotada para comandar o Ministério da Integração, que deve ser recriado junto com o Ministério das Cidades com a extinção do Ministério do Desenvolvimento Regional pelo governo de Jair Bolsonaro, a pedido de integrantes do Congresso. Conforme o Estadão, o governo deu sinais que prefere um nome do MDB para a Integração, que deve ser indicado pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Uma ala do MDB quer indicar o senador Bezerra Coelho (PE) e outra defende o nome de Simone. Caso sua indicação se confirme, Mato Grosso do Sul que já tem Tereza Cristina (Agricultura) e Mandetta (Saúde), chegaria a três ministros no governo Bolsonaro.

Simone diz que Olavo não pode parar o País e cobra atitude do 'capitão' Bolsonaro

A presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), lamentou o tempo perdido no Senado com a repercussão sobre os ataques de Olavo de Carvalho aos militares e cobrou de Jair Bolsonaro que use o quepe de "capitão" e decida o que é melhor para o País. Frisando que "o silêncio é a única resposta a se dar aos tolos", Simone lamentou que, com "pauta prioritária", o Senado fique "discutindo a fala de uma pessoa que está paralisando, não o País, mas o mais alto Parlamento do Brasil". "Quero me dirigir ao presidente Jair Bolsonaro, nós ajude a ajudá-lo a construir um outro País", afirmou a senadora. "Vossa excelência não diz quem é que manda no Executivo (...) O pátrio poder é do pai e da mãe, não é nunca dos filhos" emendou. "É preciso que o capitão Jair Bolsonaro determine, imponha, coloque o seu pensamento junto a sua equipe e, democraticamente, decida o que é melhor para o País e mande os projetos prioritários, não só a reforma da Previdência". Veja o vídeo.

A nova direção do PSD de Campo Grande

O PSD de Campo Grande vai realizar no dia 1, a convenção para eleger a direção com mandato de dois anos que vai comandar a sigla durante sua campanha de reeleição do prefeito Marquinhos Trad no ano que vem. A única chapa inscrita até agora é encabeçada pelo secretário de Governo da prefeitura e ex-presidente regional da sigla Antônio Lacerda com Robison Gatti, atual presidente, de vice, e foi formada em consenso com o prefeito e seus irmãos, o senador Nelsinho Trad e o deputado federal Fábio Trad. A convenção será das 8 às 11 horas na sede da sigla.

Universidades federais de MS perdem quase R$ 78 milhões com corte do MEC

O corte de 30% no repasse de verbas às universidades e institutos federais anunciados pelo Ministério da Educação nesta semana reduz em pelo menos R$ 77,4 milhões os repasses neste ano às três instituições de Mato Grosso do Sul. A UFMS anunciou ontem que teve R$ 29 milhões bloqueados e enfrentará sérias dificuldades para honrar contratos de manutenção, como pagamentos de energia elétrica, água, telefone, segurança, manutenção e conservação predial. O reitor Marcelo Turine garantiu, entretanto, que a UFMS honrará o pagamento de 100% das bolsas e auxílios a estudantes pelo Plano Nacional de Assistência Estudantil, o PNAES (leia aqui). A Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) diz que teve bloqueados R$ 12,4 milhões que, com um corte de R$ 19 milhões no início do mês, somam R$ 31,4 milhões. Em nota (leia aqui) o Instituto Federal (IFMS) informa que o corte na instituição soma quase R$ 17 milhões.

Servidores da UFMS na greve nacional contra cortes do MEC e nova Previdência

Servidores da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) decidiram em assembleia do sindicato da categoria (Sista-MS), em Campo Grande, aderir à greve nacional da educação na próxima quarta-feira (15) contra o corte de 30% nas verbas das instituições de ensino federais e contra a reforma da Previdência do governo Bolsonaro. O movimento também vai unir centrais sindicais como a CUT e a Força Sindical. "Nos próximos dias vamos decidir, junto com outras forças e entidades, como faremos esse movimento do dia 15", disse Waldevino Basílio, coordenador geral do Sista-MS.

Até OAB vira alvo de 'fake news'

Nem a Ordem dos Advogados do Brasil escapa das "fake news". Boatos em redes sociais neste início de ano sobre uma supostas medidas que seria tomadas pelo presidente Bolsonaro para extinguir o exame da entidade e desobrigar o pagamento de anuidades, levou alguns causídicos a deixarem de pagar à espera da promessa dos boateiros, gerando inadimplência em alguns estados. Em Mato Grosso do Sul, a OAB-MS soltou nota na semana passada esclarecendo que são falsas as histórias sobre fim do exame ou do pagamento de anuidades.

Senadores de MS ficam em lados opostos na votação pela retirada do Coaf de Moro

Dois senadores de Mato Grosso do Sul que integram a comissão mista do Congresso que analisa a reforma ficaram em lados opostos na votação sobre onde fica o Coaf que atua na prevenção e combate à lavagem de dinheiro: Simone Tebet (MDB) votou para que o órgão fique no Ministério da Justiça, sob comando de Sérgio Moro; e Nelsinho Trad (PSD) votou para o Coaf voltar ao Ministério da Economia, decisão que teve 14 votos a 11 no colegiado. Veja acima o placar do G1 sobre a votação.

PF investiga desvio de verbas para escolas de tempo integral em Mato Grosso do Sul

A Polícia Federal deflagrou em Mato Grosso do Sul a Operação Nota Zero que apura fraudes em licitações da Secretaria Estadual de Educação (SED). O esquema desviou R$ 9,6 milhões de verbas do MEC destinadas para obras em oito escolas de tempo integral, seis em Campo Grande, uma em Maracaju e outra em Jardim. O Ministério Público Federal (MPF) pediu a prisão de dez envolvidos, não autorizada. A Justiça só expediu mandados de busca e apreensão cumpridos desde a manhã pela PF com apoio da Controladoria-Geral da União (CGU). Entre os alvos, cujos nomes não foram divulgados, estão cinco servidores da SED. Em nota o governo diz que determinou colaboração com a operação, mas "reitera que devem ser evitados julgamentos prévios quanto à conduta de agentes públicos ocupantes de cargos no governo".

Marun e a lista para a presidência do MDB

"Romero Jucá calcula que hoje há dez candidatos a sucedê-lo na presidência do MDB, entre eles os três governadores – Hélder Barbalho (Pará), Renan Calheiros Filho (Alagoas) e Ibaneis Rocha (Distrito Federal) – José Ivo Sartori, Osmar Terra e até o esquecido Carlos Marun", diz o jornalista Gabriel Mascarenhas em nota intitulada "Os dez famintos do MDB", no blog do Lauro Jardim, em O Globo. Consultado, o ex-ministro Marun respondeu aqui ao Blog: "Não sou candidato, mas se fosse esta a disputa eu teria grande chance. Todos grandes nomes, mas eu também sou um nome nacional do partido, quer queira ou não este mascote do Janot chamado Lauro Jardim."

Ex-ministro de Lula e Dilma falará sobre reforma da Previdência em Campo Grande

Carlos Gabas, que foi ministro da Previdência Social nos governos de Lula e Dilma, estará em Campo Grande na próxima segunda-feira, dia 13, para participar de uma audiência pública às 13h30 na Assembleia sobre "A Reforma da Previdência e os Impactos Constitucionais, Econômicos e Sociais", convocada pelo deputado Pedro Kemp (PT) em parceria com sindicatos e outras entidades como a CUT-MS, MST e Fetems. “Essa reforma causa um estrago, especialmente às mulheres e trabalhadores rurais", diz Kemp, antecipando o tom dos discursos.

Tereza Cristina vê mercado da China como 'janela de oportunidade' para o Brasil

A ministra Tereza Cristina (Agricultura), que viajou para a China, disse que, caso os Estados Unidos aumentem as tarifas de importação de produtos chineses, de 10% para 25%, conforme ameaçou no Twitter o presidente Donald Trump reclamando da demora de um acordo comercial com o país asiático, as exportações do agronegócio brasileiro poderão ser beneficiadas. "A gente precisa saber se foi só um recado duro, ou se vai se efetivar. É claro que se os Estados Unidos e a China não entrarem em acordo e essas tarifas não voltarem ao que eram antes, realmente, é uma janela oportunidade a mais para o Brasil", avaliou a ministra, em reunião do Conselho Superior do Agronegócio na Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp). Dados do Ministério da Agricultura mostram que cada quilo de carne consumido por um chinês representa 1,38 milhão de tonelada [em relação à população atual]. O consumo per capita anual na China é de 103 kg. “São dados fenomenais. O Brasil poderia atender parte desse mercado chinês, com carne bovina e aves. O Brasil tem uma janela de oportunidade que não podemos perder", disse Tereza, que vai iderar uma comitiva de 98 pessoas que visitará o Japão, China, Vietnã e Indonésia ao longo de 16 dias. O Brasil pretende alavancar a venda de carnes bovina, suína e de frango, café, frutas e outros produtos para os países asiáticos. (Com Fiesp e ABr).


Voltar


Comente sobre essa publicação...