Semana On

Quinta-Feira 23.mai.2019

Ano VII - Nº 351

Coluna

A sombra do pai

A morte e o luto no terror tupiniquim

Postado em 02 de Maio de 2019 - Danilo Custódio

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O cinema comercial brazileiro é famoso por suas comédias rasas de classe média. Esse tipo de filme acabou se tornando um produto de grande aceitação no mercado cinematográfico tupiniquim, vendendo muitos ingressos por todos os cantos desse Brazilzão imenso. Porém, não é apenas de risos falsos que vive o consumidor brasileiro, uma vez que em nosso mercado é o filme de terror – falado em qualquer língua – que atinge melhores resultados, garantindo aceitação não apenas por parte do público, mas também da “crítica especializada”.

O ator Júlio Machado, que interpreta o pai da pequena Dalva, menina de 9 anos que vive a dor do luto pela perda da mãe e que tenta trazer ela de volta do mundo dos mortos, afirmou em recente entrevista ao G1 que A sombra do pai é um terror diferente, que existe ali muitas coisas além dos clichês do gênero que nos fazem sentir medo. Ele disse que o filme "é cheio de sutilezas, porque fica evidente que estamos retratando o Brasil, a questão de classes, o sistema de trabalho que rouba a humanidade das pessoas, criando monstros".

O Brasil produz bons filmes de terror desde sempre. A escola do filme trash brasileiro ganhou protagonismo com Zé do Caixão ainda nos anos 50 e foi estabelecida como linguagem já nos primeiros anos do século XXI, através da publicação do Manifesto Canibal de Petter Baiestorf e sua gangue. Mais recentemente, o produtor brasileiro Rodrigo Teixeira (da RT Feature, que também é a produtora por trás de A Sombra do Pai) nos presenteou com o magnífico A Bruxa (The VVitch: A New-England Folktale - 2015), um dos melhores filmes de terror que já assisti e que traz como antagonista o diabo encarnado no bode Black Phillip.

São filmes que marcam época, que ficam pra história e que se transformam em manifestos políticos e sociais. E o cinema de terror brasileiro continua crescendo, sempre trazendo algo novo pra você curtir na telona. Portanto, fica aqui o meu convite: bora sair do conforto da nossa residência pra ir ver A sombra do pai no cinema? O filme chega no circuito comercial tupiniquim depois de ser exibido com méritos nos mais importantes festivais do país, sendo vencedor de três prêmios no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Partiu?

Chaplin refilmado

Segundo o portal Deadline, o aclamado longa O Garoto (1921), de Charles Chaplin, ganhará uma versão refilmada em formato de animação sci-fi, com a voz de Jacob Tremblay (Extraordinário) na dublagem do protagonista. O projeto é pretencioso e tem como principal objetivo tornar-se algo muito maior que um simples remake. O filme ganhará o título de “The Kid: An Animated Adventure” e os realizadores estão trabalhando em uma adaptação, uma espécie de “reimaginação” do argumento original, com a história se passando em uma Nova Iorque pós-apocalíptica futurista, onde o garoto encontra-se numa jornada para conhecer o mundo para além dos limites de seu bairro e acaba conhecendo uma versão robô do Vagabundo de Chaplin. O filme ainda não tem previsão de estreia e será dirigido pelo francês Christian Volckman (Renaissance), que garante que a animação manterá alguns dos principais elementos do clássico original, como as divertidas fugas para escapar da polícia.


Voltar


Comente sobre essa publicação...