Semana On

Domingo 16.jun.2019

Ano VII - Nº 355

Mato Grosso do Sul

Funtrab é responsável por intermediar metade dos empregos com carteira assinada no MS

Geração de emprego é prioridade nas ações do Governo, afirma Ricardo Senna

Postado em 02 de Maio de 2019 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Mato Grosso do Sul tem um saldo acumulado de 10.570 empregos com carteira assinada gerados nos três primeiros meses de 2019. Dessas, 5.203 vagas de trabalho foram preenchidas por meio da intermediação da Fundação do Trabalho de Mato Grosso do Sul (Funtrab), representando metade dos postos de trabalhos criados no Estado.

O diretor-presidente da Funtrab, Clistiano Fernando Alves, explicou que a Fundação tem papel fundamental na intermediação entre o empregado e o empregador: “Temos nos voltado no combate ao desemprego pela intermediação do trabalhador junto ao empregador. A Casa do Trabalhador está instalada na Capital e mais 30 municípios para que as políticas púbicas cheguem de forma integrada”, disse.

Em 2019, a Funtrab realizou 119.231 atendimentos, contabilizando 12.040 novos currículos cadastrados e oferecidas 8.573 vagas. Foram encaminhados para entrevistas de empregos 22.177 trabalhadores, que resultou em 5.203 contratações com carteira assinada. A Funtrab também atendeu 19.285 cidadãos em busca do seguro desemprego.

Por meio da intermediação de mão-de-obra, a Funtrab visa colocar trabalhadores no mercado de trabalho, promovendo o encontro de oferta e demanda dos postos de trabalho. As principais etapas desse serviço de intermediação são a inscrição do trabalhador no sistema da Funtrab, o registro do empregador, captação e registro das vagas captadas, cruzamento de perfil dos trabalhadores cadastrados com o perfil das vagas, convocação de trabalhadores conforme pesquisa de perfil e encaminhamento para entrevista de emprego, além do registro do resultado do encaminhamento.

O serviço de intermediação de mão-de-obra pressupõe também a administração das vagas, do momento de sua captação até seu preenchimento, ou eventualmente até a extinção do prazo definido pelo empregador para a seleção. Em todas as etapas é necessário gerenciamento e controle das informações, que é feito no sistema chamado “Portal Mais Emprego”.

Prioridade

Mato Grosso do Sul encerrou o primeiro trimestre de 2019 com um saldo acumulado de 10.570 empregos com carteira assinada gerados. Foi o quinto melhor desempenho do país em geração de empregos no mês de março, de acordo com o Caged.

“A política de atração de investimentos do Governo do Estado tem favorecido a manutenção e, principalmente, a criação de novas vagas no mercado de trabalho. Ao contrário do cenário nacional, que registrou a destruição de 43 mil vagas no mês de março, Mato Grosso do Sul segue gerando empregos e recebendo novos empreendimentos”, comenta o secretário em exercício, Ricardo Senna, da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar).

De acordo com Ricardo Senna, a Semagro e os órgãos vinculados à secretaria “trabalham em sinergia com o setor produtivo para que Mato Grosso do Sul tenha as condições necessárias e mais competividade para atrair novos empreendimentos. As federações do setor produtivo são parceiras do Governo, nos auxiliam a avançar na qualificação profissional para atender às novas demandas e à dinâmica do mercado de trabalho. Essas ações, intermediadas pela Semagro, também favorecem os resultados que temos alcançado na geração de empregos”.

O secretário em exercício da Semagro lembrou do anúncio feito no início da semana pelo consórcio liderado pela coreana Enspire KSB Energy, que deve R$ 6 bilhões em uma usina fotovoltaica (energia solar) em Anaurilândia. “O estímulo ao uso de energia renovável é estratégico para o Estado. Fizemos gestões para modernizar nossa legislação e facilitar o acesso aos recursos do FCO com o objetivo principal de diversificar a nossa economia e proporcionar a abertura de novas oportunidades no mercado de trabalho. Essa já é uma realidade, por exemplo, o setor florestal, onde temos uma demanda crescente de mão-de-obra com qualificada para atuar nesse segmento”.

Ainda no mês de abril, Mato Grosso do Sul recebeu a notícia do investimento de R$ 40 milhões no processo de verticalização da produção industrial da GreenPlac, em Água Clara. A ampliação da atividade industrial, com a produção própria de resina, material usado na colagem das chapas de MDF, vai gerar 100 novos empregos no município a partir de julho deste ano.

“Também acompanhamos o excelente resultado da safra do setor sucroenergético, responsável pela geração de 32 mil empregos em Mato Grosso do Sul. O Estado já é o terceiro maior produtor de etanol do país, atrás apenas de São Paulo e Goiás. Vale lembrar que, em 2018, a usina de álcool Rio Amambaí Agroindústria, em Naviraí, reabriu com o apoio do Governo do Estado, por meio de incentivos fiscais, voltando a gerar 1 mil novos postos de trabalho locais”, finaliza o secretário Ricardo Senna.


Voltar


Comente sobre essa publicação...