Semana On

Terça-Feira 23.jul.2019

Ano VII - Nº 356

Campo Grande

Obras de drenagem e pavimentação melhoram a vida dos moradores da Região do Segredo na Capital

Para Carlos Alberto Assis, a articulação do Governo do Estado foi essencial para a retomada das obras

Postado em 26 de Abril de 2019 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Os investimentos do Governo do Estado e a Prefeitura de Campo Grande estão melhorando a Região do Segredo na Capital. O secretário especial e chefe de gabinete do governador Reinaldo Azambuja, Carlos Alberto Assis, vistoriou as obras nos bairros Nova Lima, Jardim Anache e aldeia Água Bonita: “O Governador Reinaldo Azambuja e o prefeito Marquinhos Trad tiveram a sensibilidade de olhar para essa região e trazer investimentos aguardados pela comunidade. É um exemplo do que acontece quando Estado e Município caminham juntos”, afirmou Assis.

Aguardado há mais de duas pelos moradores, a pavimentação e drenagem das vias mudaram a paisagem da região. Dono de um mercado na região, o comerciante Luiz Carlos Lopes destacou que há 25 anos esperava pelo asfalto na região: “Com as ruas asfaltadas não vamos mais ter problemas com poeira e lama. Agradecemos ao governador e ao prefeito pelas obras. É o centro vindo para o Nova Lima”, disse.

As obras de drenagem e pavimentação do bairro Nova Lima foram realizadas por meio de convênio com a Caixa Econômica Federal e a contrapartida de R$ 1,7 milhão foi repassada pelo governador Reinaldo Azambuja, possibilitando a retomada da obra. A obra foi executada pela Prefeitura com recursos federais e contrapartida do Governo do Estado e foi viabilizada em parceria também com a Câmara Municipal pelo programa Juntos por Campo Grande.

Carlos Alberto Assis explica que a articulação do Governo do Estado foi essencial para a retomada das obras: “Eram projetos que estavam parados e só conseguiram ser retomados com a contrapartida dada pelo Governo do Estado. E também do conhecimento do governador Reinaldo Azambuja de dialogar com os setores necessários para a continuidade das obras”, disse.  

Na primeira etapa da obra foram feitos 10 quilômetros de drenagem, 14 de pavimentação e 4,78 de recapeamento no quadrilátero das ruas Marques de Herval, Jerônimo de Albuquerque, Zulmira Borba e da avenida Cônsul Assaf Trad. No Jardim Anache as obras de pavimentação e drenagem estão em andamento com as maquinas operando a todo vapor. A comunidade esperava há mais de 30 anos pelo asfalto, que só havia sido feito em corredores do transporte coletivo.

Morando em uma das vias que estão em obras, o técnico em comunicação Fábio Alexandre Andrade destacou que o asfalto era muito aguardado no bairro: “Isso é muito mais que um sonho. Quem não gostaria de ter asfalto na porta de casa? Vai trazer uma qualidade de vida enorme para gente”, disse. O projeto está orçado em mais de R$ 10,3 milhões, com prazo de um ano de execução.  São recursos de um financiamento do PAC Pavimentação, contratado pela Prefeitura (R$ 7,1 milhões), em parceria com o Governo do Estado, que investiu R$  3,1 milhões para contrapartida.

Está prevista a implantação de  2,5 km de drenagem,  9,1 km de pavimentação  e  4,6 quilômetros de recapeamento, incluindo a Avenida Lino Villacha (acesso ao hospital São Julião), Francisco  Coutinho e Avenida  Abrão Anache. Na aldeia Água Bonita, parceria entre União, Estado e município possibilitou a construção de 79 residências com a participação direta dos moradores da comunidade nas obras. 

Trabalhando na construção das residências, Luana Romero afirmou que é uma satisfação participar do projeto e realizar o sonho da casa própria. “Não apenas para mim, mas todas as mulheres mãe de família que estão participando do projeto é de extrema importância. É uma alegria contribuir com a construção das residências e ajudar a comunidade”, completou.

A obras feita pela Agência de Habitação Popular (Agehab) através do Programa Nacional de Habitação Rural (PNHR) para atender 600 indígenas da aldeia urbana Água Bonita, com mais de R$ 2,6 milhões de investimentos, recursos do Governo Federal e Estado de Mato Grosso do Sul. Cada moradia tem o valor de R$ 33,5 mil e deve abrigar famílias das etnias Kinikinau, Guató, Kadiwéu, Terena e Guarani.


Voltar


Comente sobre essa publicação...