Semana On

Quarta-Feira 23.out.2019

Ano VIII - Nº 368

Coluna

Rodrigo Santoro se divide em quatro produções em 2019 e vê Hollywood 'aberta ao diferente'

Ator estreia nos cinemas em 'O Tradutor', sobre tratamento de vítimas do acidente de Chernobyl. 'É como se tivesse feito uma terapia', diz

Postado em 10 de Abril de 2019 - G1

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Rodrigo Santoro estrela um filme em russo e espanhol, gravou um em português, outro em inglês e se prepara para fazer sua ponte aérea costumeira: Rio - Los Angeles pelos próximos quatro meses.

Mas agora, o ator de 42 anos não tem só o desafio no velho oeste de "Westworld", ele também é membro de uma tribo que busca vingança na série "Reprisal".

O ator iniciou carreira internacional há 16 anos, mas sente que seu bom momento coincide com a abertura da indústria do entretenimento à diversidade. Ele explica:

"Quando comecei, o mercado era muito mais fechado, os personagens eram super estereotipados e cheguei a recusar ofertas muito caricatas. Hoje, outros artistas têm ganhado cada vez mais oportunidades, como latinos, indianos e orientais."

O preconceito não deixou de existir. "Existe essa cobrança por grandes papéis o tempo todo, mais no Brasil do que lá fora. Mas eu não tenho essa urgência de ser estrela e ficar famoso. Não é como encaro minha profissão."

O ator garante que o frio na barriga e o prazer de um novo papel são iguais. Ele sente necessidade de voltar a fazer trabalhos no Brasil, falando português. "Tenho esse desejo de restabelecer o diálogo com o grande público, mas o maior para mim é a duração do compromisso."

Foi pra Cuba

Santoro foi a Cuba em 2017 para gravar "O Tradutor", que já estreou no Brasil. Ele vive um professor de literatura russa convocado pelo governo para servir de tradutor entre médicos cubanos e vítimas do acidente nuclear de Chernobyl em tratamento no país caribenho.

O ator não conhecia a história das crianças. "Eu não tinha a menor ideia de que isso tinha acontecido, eu sabia mais superficialmente do acidente de Chernobyl, mas assim que terminei o roteiro, fiquei comovido e comecei a pesquisar."

E foi só por essa comoção que Santoro aceitou o papel. "Fiquei me debatendo com essa ideia, mas foi uma reação involuntária, a história não saía da minha cabeça. Eu não queria aceitar porque estava exausto de gravações e era um risco muito grande por ser o primeiro filme dos diretores [Rodrigo e Sebastián Barriuso], tudo me dizia para não fazer".

"Ainda não assisti ao filme, mas saio das entrevistas e conversas como se tivesse feito uma terapia. Essa experiência reafirmou a importância de se arriscar, escutar o instinto e confiar nos sentimentos."

A maior dificuldade do ator foi equilibrar a emoção de lidar com crianças em estado terminal e a função completamente cerebral de entender e tornar palatável um texto falado em um alfabeto, mas sentido em outro.

"Como eu não entendo russo, tive que internalizar todas as partes do roteiro para reagir ao que os atores estavam falando. É uma língua alienígena", brinca.

Para fazer jus a toda a fluência de um professor, Santoro criou um mapa fonético do idioma que só ele entendia, com demarcação das entonações de cada palavra.

Os segredos de 'Westworld'

Na última temporada de "Westworld", exibida em 2018 pela HBO, o pistoleiro Hector Escaton, vivido por Santoro, se envolve em mistérios.

Fãs da série aguardam essas respostas da terceira temporada, que iniciou as gravações e deve estrear apenas em 2020.

O ator não sabe o que vai acontecer e jura que só recebe os roteiros poucos dias antes das gravações, mas adianta: "Essa temporada vai ser completamente diferente, vai renovar a história e se descolar dos acontecimentos das duas últimas".

Outra série

No intervalo das gravações, ele foi convidado para outra série. Em "Reprisal", do serviço de streaming Hulu, será o líder da gangue The Banished Brawlers, rival do grupo da protagonista Abigail Spencer ("Mad Men").

“Esse personagem não pode ser enquadrado como vilão. Aliás, essa será a grande pergunta da série. Mas é um personagem forte, de filosofia niilista e que vai agitar muito a temporada."

Ah, tem também dois filmes...

Santoro gravou um filme para a Netflix em dezembro, com Jamie Foxx e Joseph Gordon-Levitt. Só pode adiantar que seu personagem é engraçado e terá uma reviravolta. O longa ainda não tem nome nem data de estreia.

Também neste ano, Santoro estreia nos cinemas em dia 27 de junho de 2019, em "Turma da Mônica: Laços":

"Louco era o meu personagem preferido no Gibi. Um arquétipo provocador, lúdico e muito divertido, sempre rompendo com o previsível."


Voltar


Comente sobre essa publicação...