Semana On

Quinta-Feira 22.ago.2019

Ano VII - Nº 359

Poder

Em silêncio, Bolsonaro vê ataque de Olavo de Carvalho a ministro general

Passividade do presidente mina quem o está protegendo. Não raro, dele mesmo

Postado em 05 de Abril de 2019 - Leonardo Sakamoto (UOL) e Sérgio Dávila (Folha de SP)

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Os ataques à ala militar do governo Jair Bolsonaro realizados pelo polemista Olavo de Carvalho, que os chama de "bando de cagões", e contra o ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República, Carlos Alberto Santos Cruz, crescem em quantidade e virulência. Enquanto isso, o presidente permanece em ensurdecedor silêncio por concordar, achar graça, não saber o que fazer ou acreditar que promover a guerra entre seus aliados garante que ninguém queira sua cadeira e anima seu fã clube. Vai, dessa forma, minando quem o está protegendo. Não raro, dele mesmo.

O presidente permanece em ensurdecedor silêncio diante dos ataques de Olavo de Carvalho ao ministro e general Santos Cruz. Ele acha graça, não sabe o que fazer ou acredita que promover a guerra entre seus aliados garante que ninguém queira sua cadeira.

Acusando o general de "mediocridade invejosa" e acreditando realmente ter sido o principal responsável pela chegada da extrema direita ao poder, disse que, sem ele, Santos Cruz estaria "levando cusparadas na porte do Clube Militar e baixando a cabeça", ignorando seu extenso e respeitável currículo. Afirmou que ele "é apenas um monstro de auto-adoração e empáfia" e que "obviamente só pensa em si mesmo". Atestou, para quem tem dúvidas, que o general "simplesmente não presta". Com isso, o vice-presidente, general Hamilton Mourão, até então alvo predileto da bile de Olavo de Carvalho, ganhou estrelada companhia.

Ao ter chamado o escritor de "desequilibrado", na semana passada, por conta dos ataques que ele vinha proferindo aos militares, Santos Cruz nada fez além de repetir um lugar-comum, como "a Terra é redonda". Para a maioria das pessoas com o mínimo de bom senso, portanto, isso não chega a ser uma notícia. Já para o guru da família Bolsonaro, que, coincidentemente, também defende teses intelectualmente terraplanistas, como "o nazismo é de esquerda", foi um ultraje.

Por mais que a holding Bolsonaro & Sons o idolatre, Olavo de Carvalho não quis participar diretamente da administração federal. Preferiu se manter como ombudsman do país, além de indicar dois ministros hipossuficientes – Ernesto Araújo (Relações Internacionais) e Ricardo Vélez (Educação). Por outro lado, o general Santos Cruz é ministro lotado no Palácio do Planalto, com um currículo que inclui comandos de missões de paz internacionais no Haiti e no Congo. Altos funcionários das Nações Unidas, em Genebra, com quem conversei, elogiam o general. Se nada disso bastasse para levar Bolsonaro a se pronunciar diante dos ataques contra ele feitos pelo guru da Virgínia, pesaria o fato de que são amigos há décadas. Ou não.

Há uma disputa entre as alas militar e ideológica do governo federal neste momento. A primeira tenta aparar as arestas extremistas do presidente e as de seus dois assessores acima citados, que colocam em risco a articulação política, o futuro (pela falta de funcionamento do ministério da Educação) e a paz (no caso de ações atabalhoadas envolvendo a Venezuela).

A segunda, deseja ver o circo pegando fogo, porque, da cinzas, ressurgiria um novo Brasil. Ou, ao menos, as chamas manteriam os seguidores piromaníacos alertas para defender o governo diante de sua, até agora, incompetência. Acreditam que Bolsonaro teria a maioria da população a seu favor se quiser refundar a República.

Se ele conseguir reduzir, consistentemente e na velocidade que a população precisa, a herança maldita de 64 mil mortes violentas por ano e os 13,1 milhões de desempregados talvez. Mas faltam políticas para tanto.

Ao permitir que figuras externas ao seu governo ataquem um ministro que está agindo para evitar o pior para o próprio governo, Bolsonaro mostra que não é apenas um presidente "café com leite", aquele jogador mais fraco, em que seus erros e falhas são relevados, e que precisa ser continuamente corrigido pela sua própria equipe. Ele também vai mostrando que é um capitão frágil, que nada faz diante das disputas internas de seu time. Talvez por ter ouvido sobre a tática do "dividir para governar". Se for assim, ninguém lhe explicou que é para dividir o inimigo, não os aliados.

Olavo afirmou que o presidente "deveria parar de ouvir maus conselhos". Olavo tem razão. Bolsonaro ouve muitos maus conselhos. Os que causam mais danos ao seu governo, aliás, não são os oriundos da ala militar da cúpula federal, que o escritor considera má influência para o presidente, mas aqueles postados nas redes sociais por ele próprio ou transmitidos por seus pupilos – alguns dos quais pertencentes ao núcleo do poder.

Ou seja, o problema não é a "tutela" do presidente, mas quem deveria realizá-la.

Nada disso

Bolsonaro disse nesta sexta-feira (5) que não existe uma disputa em seu governo entre o núcleo militar e o que chamou de "olavetes", seguidores do escritor Olavo de Carvalho.

Segundo ele, não há uma disputa entre os dois grupos por influência na administração ou por cargos no governo, como pelo comando da Secom (Secretaria de Comunicação Social) e pela Apex (Agência de Promoção de Exportações do Brasil).

"Não existe olavetes contra militares. Agora, [dizem que] militares querem a Apex e a Secom. Isso não existe", disse o presidente.

Segundo o presidente, não há como monitorar os movimentos de pessoas ligadas ao escritor. "Tem mais de 20 mil pessoas formadas por ele [Olavo]", acrescentou.

A declaração foi feita em café da manhã do presidente com jornalistas, no Palácio do Planalto.

Presente no encontro, o ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), Augusto Heleno, afirmou que não existe ala militar no governo. "É uma invenção. Tentam criar. Se existisse, somos amigos há mais de 40 anos. Não vai sair fofoquinha", disse.


Voltar


Comente sobre essa publicação...