Semana On

Quinta-Feira 14.nov.2019

Ano VIII - Nº 371

Poder

Defesa de 64 irrita militares, que pedem saída de Vélez do MEC

Bolsonaro dá a entender que o ministro será demitido na semana que vem

Postado em 05 de Abril de 2019 - Igor Gielow (Folha de SP), Alan Gripp e Paulo Celso Pereira (O Globo)

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, afirmou que, para que as crianças possam ter uma "ideia verídica, real do que foi a sua história", seu ministério realizará "mudanças progressivas" nos livros didáticos. A intenção, segundo diz, é transformar a maneira como o golpe de 1964 e a ditadura militar são retratados nas escolas.

Segundo ele, não houve um golpe de Estado em 1964, e a ditadura que se seguiu à tomada do poder pelos militares foi um "regime democrático de força". Essas afirmações foram feitas pelo ministro da Educação em entrevista ao jornal Valor Econômico.

"A História brasileira mostra que o 31 de março de 1964 foi uma decisão soberana da sociedade brasileira. Quem colocou o presidente Castelo Branco no poder não foram os quartéis", afirmou o ministro na entrevista. "Foi a votação no Congresso, uma instância constitucional, quando há a ausência do presidente. Era a Constituição da época, e foi seguida à risca. Houve uma mudança de tipo institucional, não foi um golpe contra a Constituição da época, não", justificou.

"Haverá mudanças progressivas [nos livros didáticos] na medida em que seja resgatada uma versão da História mais ampla", afirmou. "O papel do MEC [Ministério da Educação] é garantir a regular distribuição do livro didático e preparar o livro didático de forma tal que as crianças possam ter a ideia verídica, real, do que foi a sua história."

Pela culatra

Numa ironia, a defesa feita por Velez de que os livros escolares precisam ensinar que 1964 não registrou um golpe irritou a cúpula militar e pode ser a gota d´água no seu processo de fritura.

Integrantes da ativa e do núcleo militar do governo Jair Bolsonaro acreditam que a afirmação feita pelo ministro sobre a narrativa histórica do golpe é apenas uma tentativa dele para manter-se no cargo. Eles farão chegar ao presidente Jair Bolsonaro que a paciência com o ministro acabou.

Isso porque os fardados, em sua maioria, compartilham a ideia de que o golpe militar que completou 55 anos no último dia 31 foi um movimento decorrente de uma mobilização de parcela expressiva da população contra o que chamam de risco de tomada comunista do poder. A derrubada do governo de João Goulart e os subsequentes 21 anos de ditadura teriam de ser inseridos nessa visão, segundo essa interpretação.

É também consenso entre oficiais generais das três Forças, de forma mais preponderante no Exército, de que os livros de história contam a narrativa dos derrotados de 1964, que passaram a ser vitoriosos na Nova República pós-1985. Assim, em outras circunstâncias, Vélez teria tocado música para essa plateia.

O problema é que o ministro está fazendo hora extra, como definiu um dos integrantes da cúpula militar. E se os fardados concordam com a essência, também estão de acordo com a ideia de que trazer o assunto à tona em plena semana seguinte ao 31 de março é um desgaste desnecessário.

Ao longo da semana passada, Bolsonaro já havia ele mesmo causado polêmica ao pedir “comemorações devidas” do aniversário do golpe.

O Ministério da Defesa elaborou então uma cuidadosa ordem do dia, na qual não reconhecia o regime como ditadura e elogiava os militares da época, mas que colocava o tema em perspectiva histórica e celebrava a “volta da democracia” em processo após a anistia de 1979. Para um integrante do Alto Comando do Exército, instância militar máxima do país, o texto era um recado para deixar o tema 1964 em banho-maria.

Deu certo e até Bolsonaro baixou o tom, falando em “rememorar” 1964. Só que no domingo o Palácio do Planalto divulgou um vídeo apócrifo de defesa da ditadura, o que deixou agastados os generais que haviam trabalhado para contornar a espinhosa situação. O evento foi chamado de “inacreditável” por esse mesmo alto oficial, mas o tom geral foi de deixar o tema de lado.

Aí surge Vélez e sua tentativa de agradar os militares nesse contexto. Desgastado pelas desastradas indicações que fez para cargos-chaves do ministério, que na prática paralisaram atividades da pasta como a definição do Programa Nacional do Livro Didático, Vélez já havia tido sua gestão sob intervenção na semana passada com a indicação do brigadeiro da reserva Ricardo Machado para ser seu número 2.

A missão do militar é revisar os processos implantados pelo ministro e suas indicações. Pesa contra Vélez ser um expoente da chamada ala olavista, ou ideológica, do governo. Ele teve seu nome indicado à família Bolsonaro pelo escritor e ideólogo direitista Olavo de Carvalho, cujas ideias de que há um plano de dominação mundial marxista em curso disfarçado de globalismo influenciam os filhos do presidente. Olavo tem outros dois pupilos no governo: o chanceler Ernesto Araújo e o assessor internacional da Presidência, Filipe Martins.

Nas últimas semanas, o escritor envolveu-se em altercações públicas e agressivas com os membros da ala militar do governo. Seu primeiro alvo foi o vice-presidente, general Hamilton Mourão, chamado de golpista para baixo por Olavo. Depois foi a vez do ministro da Secretaria de Governo, general Carlos Alberto dos Santos Cruz. Ambos os militares deram de ombros e descartaram a opinião do ideólogo dos Bolsonaros, gerando um grande mal-estar nas alas subordinadas intelectualmente ao escritor na administração.

No caso do Itamaraty, os militares já haviam enquadrado as ações mais voluntaristas de Araújo, especialmente no caso do anúncio de uma base americana no Brasil e na condução beligerante da crise na ditadura venezuelana.

Vélez, contudo, se mostrou mais disruptivo em temas da vida real, que afetam milhões de brasileiros. Ele pode até sobreviver no cargo, mas sua fala desta quarta tornou a missão ainda mais difícil.

Dias contados

Em café da manhã com jornalistas na sexta-feira (5), o presidente Jair Bolsonaro indicou que pode demitir Vélez , no início da próxima semana. Se a saída do ministro for confirmada, ele será o segundo exonerado por Bolsonaro desde a posse. Em fevereiro, o ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, foi o primeiro.

“Está bastante claro que não está dando certo o ministro Vélez. Na segunda-feira, vamos tirar a aliança da mão direita, ou vai para a esquerda ou vai para a gaveta”, disse o presidente, acrescentando que a decisão já está tomada.


Voltar


Comente sobre essa publicação...