Semana On

Quarta-Feira 26.jun.2019

Ano VII - Nº 356

Coluna

Certa gente

Poetisa polonesa Wislawa Szymborska escreve do mundo para nós

Postado em 05 de Abril de 2019 - Emerson Merhy

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Hoje compartilho na coluna um poema da escritora polonesa Wislawa Szymborska, Prêmio Nobel de Literatura de 1996. Ela se refere as pessoas que procuram fugir de outras gentes que lhes desprezam, que lhes querem mal; o que pode ser muito bem contextualizado em situações sociais onde se vive o preconceito e o racismo, onde se vive a ameaça fascista a todo momento, onde uns se colocam no lugar de poder decidir sobre as vidas dos outros. Por essa magia que a poesia consegue carregar abrindo os mais variados sentidos em quem a lê; aqui, nesse espaço, apresento-lhes:

Certa gente

Certa gente fugindo de outra gente.

Em certo país sobre o sol

e algumas nuvens

 

Deixam para trás certo tudo o que é seu,

Campos semeados, umas Galinhas, cães,

Espelhos Nos quais agora se fita o fogo.

 

Trazem às costas trouxas e potes

Quanto mais vazios tanto mais pesados a cada dia.

 

No silêncio alguém cai de exaustão,

Na algazarra alguém rouba de alguém o pão.

E o filho morto de alguém é sacudido.

 

A sua frente uma estrada sempre errada,

Uma ponte, mas não a de que precisam,

Sobre um rio curiosamente Rosado.

Ao redor uns disparos, ora mais perto, para mais longe,

No alto um avião meio rodopiante.

 

Viria a calhar certa invisibilidade,

uma parda rochosidade

Ou melhor ainda inexistência

Por Um Tempo Breve ou mesmo longo.

 

Algo ainda vai acontecer, mas onde e o quê.

Alguém vai lhe barrar o caminho, mas quando, quem,

Em quantas formas e com que intenções.

Se tiver escolha,

Talvez não queira ser inimigo

E os deixe com alguma vida.

 

Livro Poemas de Wislawa Szymborska

Companhia das letras, 2011


Voltar


Comente sobre essa publicação...