Semana On

Segunda-Feira 26.ago.2019

Ano VII - Nº 360

Mato Grosso do Sul

Governo e setor produtivo elaboram projeto para fomentar produção de energia solar fotovoltaica em MS

Estado ocupa hoje a 11ª posição no ranking de geração de energia solar fotovoltaica

Postado em 04 de Abril de 2019 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) e a Sefaz (Secretaria de Fazenda) representaram o Governo do Estado na primeira reunião do grupo de trabalho que irá fomentar a produção de energia solar fotovoltaica em Mato Grosso do Sul.

O grupo é composto pelo Governo do Estado, Fiems, Famasul, Fecomércio e conta com o auxílio da Absolar (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica). O objetivo é transformar o Estado em um ambiente mais favorável para o uso e mercado dessa fonte de energia, promovendo os ajustes necessários para o crescimento do setor.

“A Absolar nos apresentou as soluções e propostas da associação já implantadas em outros Estados para estruturar o programa em Mato Grosso do Sul, algumas estão relacionadas à esfera federal. No âmbito do Governo do Estado já tivemos avanços na legislação e também no que se refere ao FCO, com recursos específicos para o financiamento de projetos nesse segmento”, comentou o superintendente de Indústria e Comércio da Semagro, Bruno Bastos, que participou da reunião.

Segundo o presidente-executivo da Absolar, Rodrigo Sauaia, Mato Grosso do Sul ocupa a 11ª posição no ranking de geração de energia solar fotovoltaica, com 14, 2 Megawatts de projetos já desenvolvidos na geração distribuída e, com algumas práticas a serem implementadas, pode se tornar líder do mercado nacional. “Cabe destacar que o Estado tem um potencial elevadíssimo para o uso da energia solar fotovoltaica, o que pode ser um veículo para redução de custo e aumento da competitividade não só dos empresários dos mais diversos setores, mas também para ajudar a reduzir os gastos do poder público, que pode usar essa tecnologia em hospitais, postos de saúde, e outras edificações”, pontuou.

Ele acrescenta que a população como um todo também pode se beneficiar, aliviando o orçamento das famílias, que podem gerar uma energia mais barata em casa. Entre as mudanças propostas, elenca o presidente da Absolar, estão alguns ajustes tributários, promoção do acesso a financiamentos para que a população em geral consiga adquirir essa tecnologia; procedimentos aprimorados de licenciamento ambiental, auxiliando na agilização dos projetos e, ao mesmo tempo, respeitando o meio ambiente e capacitação dos profissionais e empresários para atuar no mercado de energia solar fotovoltaica.


Voltar


Comente sobre essa publicação...