Semana On

Quinta-Feira 14.nov.2019

Ano VIII - Nº 371

Judiciário

Junta Comercial ajusta sistema e atende OAB/MS

Ação da Ordem preservou o livre exercício da advocacia, flexibilizando a confecção e registro dos atos mercantis no órgão estatal

Postado em 04 de Abril de 2019 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Diante do crescente número de reclamações de advogados, com relação ao novo Sistema de Registro Mercantil que implementou o “Registro Digital”, a Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Mato Grosso do Sul (OAB/MS), solicitou à Junta Comercial para que respeitasse as prerrogativas da advocacia na elaboração de contratos sociais.

A partir da implantação do novo modelo, atos e contratos constitutivos de pessoas jurídicas só estavam sendo registrados na Jucems por meio de “contratos padrões”, sem flexibilização na confecção de suas cláusulas.

Para a OAB/MS, essa imposição de “padrões contratuais” fere o direito fundamental da “autonomia da vontade” e da “liberdade contratual”, no sentido de que a compulsoriedade de cláusulas colide frontalmente com os valores, princípios e regras constitucionais, e na prática traz um verdadeiro engessamento na atuação dos advogados militantes no direito empresarial, violando suas prerrogativas profissionais.

O documento assinado pelo Secretário-Geral da OAB/MS, Stheven Razuk, também defende que “a advocacia tem liberdade de redação, podendo construir textos com os vocábulos e verbos que melhor atendam suas interpretações do sistema jurídico, tudo com a finalidade de eliminar obscuridades e beneficiar seus patrocinados, não podendo, permissa venia, a administração pública substituir a atividade profissional do advogado ou mesmo suprimir a manifestação de vontade dos sócios representados, obrigando-os a pactuar com base em comandos impositivos”.

A Junta Comercial atendeu a OAB/MS e ajustou o novo sistema na última quinta-feira (28) preservando assim o livre exercício da advocacia, flexibilizando a confecção e registro dos atos mercantis no órgão estatal.

Stheven Razuk agradeceu a compreensão dos dirigentes da JUCEMS e pontuou: “A Junta Comercial é um órgão fundamental para a atividade econômica do Estado, felizmente ela é dirigida por profissionais qualificados que compreendem o relevo do papel da advocacia no setor empresarial”.

De acordo com o Presidente da OAB/MS, Mansour Elias Karmouche, “foi muito importante a sensibilidade dos gestores da Junta Comercial em reconhecer essa prerrogativa dos advogados de formularem os seus próprios estatutos. Isso demonstra que um bom diálogo sempre rende bons resultados”.


Voltar


Comente sobre essa publicação...