Semana On

Terça-Feira 18.jun.2019

Ano VII - Nº 355

Poder

Sob bênção de Damares, deputada prega sobre 'armadilhas do feminismo' no Ministério da Mulher

Ana Carolina Campagnolo diz que maioria das mulheres não será estuprada nem agredida

Postado em 29 de Março de 2019 - Anna Virginia Balloussier – Folha de SP

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

"Minha linda e doce professora Ana… Mas não tão doce, não, essa professora é brava", disse a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, no último dia 27, antes de apresentar a deputada estadual Ana Caroline Campagnolo (PSL-SC) à plateia.

Campagnolo, a professora de história que já incitou alunos a filmarem professores que considerassem doutrinadores, está ali, no auditório do ministério, para dar uma palestra de um tema que há anos lhe é caro: "As Armadilhas do Feminismo".

"Existem mulheres jovens nessa nação que também são conservadoras, e elas precisam ser vistas", afirmou Damares a um público com mulheres de rosa, de cabelo colorido, de cocar indígena (e um punhado de homens entre elas).

Damares sairia antes de ouvir Ana Caroline, que chamou de "orgulho do Brasil", falar, e sem responder a uma pergunta: se ela, como ministra dos Direitos Humanos, posicionava 1964 na história do Brasil como um golpe ou, como afirmam o presidente Jair Bolsonaro e asseclas, uma revolução. Preferiu entregar uma flor à repórter.

Se ficasse mais, Damares ouviria a professora defender sua frase de que meninas vestem rosa, e meninos, azul. Uma "analogia bem primordial", segundo Ana Caroline, que vê naturalidade na ideia de que "meninas têm certas preferências e tendências". Todos estranhariam um salão de beleza onde todos os funcionários são homens, continua.

De cara, a deputada e autora de "Feminismo: Perversão e Subversão" diz que há mais fumaça que fogo em muitas das gritas feministas. A violência contra elas deve ser combatida, claro, mas "a maior parte das mulheres não sofrerá estupro ou agressão física" ao longo da vida, então sem exageros, diz.

Minutos antes, um vídeo institucional do ministério apontava que 1,6 milhão de mulheres foram espancadas ou sofreram tentativa de estrangulamento no espaço de um ano, e 22 milhões de brasileiras passaram por algum tipo de assédio. Mais: quatro em cada dez casos de violência ocorreram dentro de casa. Os dados foram extraídos de uma pesquisa Datafolha feita em fevereiro a pedido do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

A tese central da palestrante: ao contrário do que a esquerda quer martelar, a feminilidade, "o privilégio de ser mulher", não é uma invenção cultural, como assim pregam feministas como Betty Friedan (1921-2006).

Judith Butler foi outra filósofa americana na sua mira: "Costumo dizer que ela parece o Chris Duran [cantor gospel]. Ela perdeu nela mesmo todas as feições femininas." A deputada destaca o corte de cabelo curto "e masculino" de Butler, um dos principais nomes no estudo de gêneros e da teoria queer. 

Não tem problema mulher tosar as madeixas, mas a americana faz isso de forma premeditada, para anular sua condição feminina, afirma.

Campagnolo rechaça a visão que, segundo ela, feministas querem enxertar a qualquer custo no imaginário social: a de que a mulher é o sexo oprimido, "a pobre criatura destinada a sofrer" e que precisa se rebelar contra os homens opressores.

Coloca na conta da escritora Simone de Beauvoir (1908-1986), mas até admite que em seu livro "O Segundo Sexo", um clássico entre feministas, "nem tudo é ruim". Beauvoir já mencionou, exemplifica, que há espécies de insetos em que a fêmea devora o macho depois do acasalamento. "Talvez seja uma sugestão que ela esteja dando", ironiza.

Mas a francesa acertou em cheio quando disse que a mulher é o segundo sexo, segundo a deputada. "É ruim ser o número dois, né? Você tá correndo de kart, jogando pebolim, quer ser o número um."

Só que a narrativa bíblica, "mito ou não", já dizia que primeiro Deus criou o homem, e depois a mulher. Isso baseia a sociedade ocidental, continua.

Campagnolo repudia a ideia que associa ao feminismo de que "a mulher sofre todos os tipos de preconceito, que qualquer coisa que ela sofra é culpa da sua condição de gênero…"

Conserta-se no meio da frase: gênero, não. Prefere falar de sexo biológico, pois porque argumenta que "gênero" é um termo ideológico demais para o seu gosto.

Para ela, a mística feminina existe, embora a teoria feminista diga que é bobagem imaginar "a mulher como a conhecemos, que gosta de pintar as unhas, de vestido, de tutorial de maquiagem no YouTube".

Ela dá vários exemplos de situações que considera abusivas. Uma colega sua no Parlamento catarinense, Ana Paula da Silva (PDT), foi acusada de quebra de decoro por ir à posse de decote? Ora, um deputado que chegasse à Assembleia com a camisa aberta até o umbigo também seria malvisto.

E por que há tantos livros dedicados ao prazer sexual feminino e tão poucos voltados ao masculino? "Só escrevem se for sobre impotência", e isso é injusto, diz. 

O discurso feminista costuma ressaltar que, historicamente, a maioria dos homens não se preocupa com o que faz a mulher feliz na cama, e que muitas delas podem passar uma vida sem ter orgasmos, daí a necessidade de mais livros sobre o tema.

Campagnolo ainda zombaria a youtuber Kéfera Buchmann, que em dezembro acusou um rapaz da plateia do Encontro com Fátima Bernardes de fazer "mansplaining, que é o homem explicando o feminismo para uma mulher". 

Foi Fátima quem o interpelou. O tema: feminismo. Ele disse então que, "na teoria, elas falam que tem que respeitar, tem que ser isso e tem que ser aquilo, mas na prática começam com agressões".

A deputada diz que "costuma brincar que, se Kefera estivesse ali, não poderia me acusar de mansplaining".

"Homens não podem falar de nada sobre as mulheres sem serem acusados de desconhecer a condição feminina", afirma. Se eles não podem, ela pode. As antifeministas estão chegando.


Voltar


Comente sobre essa publicação...