Semana On

Quinta-Feira 25.abr.2019

Ano VII - Nº 347

Coluna

Juiz Odilon nega ter um 'novo partido' e lembra que filho não pode deixar o PDT

As notícias que fizeram a semana política em MS, com Marco Eusébio

Postado em 27 de Março de 2019 - Marco Eusébio

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Indagado sobre especulações de que já teria acertado a ida para um novo partido visando as eleições de 2020 em Campo Grande, o juiz Odilon de Oliveira negou. "Vindo a deixar o PDT, ainda não há novo partido escolhido. Obviamente que, como impõe a arte de fazer política, tenho conversado com pessoas que me procuram. Viver no isolamento não convém a nenhuma pessoa, no mundo político. Alguns partidos já me procuram, outros já me sondaram. A política muda de cenário, impulsionada por seus figurantes. É como uma dança de salão, onde o ambiente é o cenário, seguidamente mutante. A quantidade expressiva de votos que recebi, com certeza vinculada ao meu passado, desperta interesse em muitas legendas. Isto é um fato", respondeu. Perguntei ainda sobre uma eventual troca de sigla por parte de seu filho, o vereador filho Odilon Júnior, e o juiz afirmou: "Ele não pode deixar o PDT, partido pelo qual foi eleito. Tem que aguardar a abertura de uma 'janela', se pretender sair."

Pacote Anticrime não precisa esperar reforma da Previdência, diz Simone

Ao contrário do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para quem a proposta para reforçar o combate ao crime pode esperar, a presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, que amanhã vai sabatinar Sérgio Moro, defendeu que a reforma da Previdência e o pacote Anticrime do ministro da Justiça sejam analisados ao mesmo tempo pelo Congresso. "São duas questões relevantes, que têm pressa e exigem uma resposta do Congresso", disse Simone, frisando não ver motivos para que as duas propostas não possam ser debatidas paralelamente pela Câmara e pelo Senado. Ouça o áudio.

Marun sobre Itaipu: 'desembargador que errou ao tentar soltar Lula, errou de novo'

O ex-ministro Carlos Marun afirmou que é "evidentemente ilegal" a decisão liminar (temporária) do desembargador Rogério Fraveto que o afasta do conselho da Itaipu binacional (leia a nota abaixo). "O desembargador Rogério Fraveto, que já errou naquele domingo, quando insistiu na tentativa de soltar o ex-presidente Lula, condenado em primeira e segunda instância, errou de novo. Talvez por não conhecer profundamente, digamos, a essência do que é Itaipu, uma entidade binacional, que não é regida nem pela lei brasileira nem pela lei paraguaia". No vídeo, Marun afirma que isso "em breve será reparado". Veja a íntegra.

Vídeo: Marun sob comando de Mourão

O general Hamilton Mourão participou da comemoração dos 107 anos do Colégio Militar de Porto Alegre, do qual foi aluno até 1971 e comandou o desfile. O detalhe na primeira fila do segundo pelotão desfilando ao som da música Amigos para Sempre tocada pela banda do colégio, foi a presença do ex-ministro Carlos Marun, gaúcho radicado em Mato Grosso do Sul, que estudou no local de 1971, quando foi "calouro" de Mourão, até 1977. Veja abaixo vídeos do desfile e de Mourão falando sobre a história do colégio.

-
 

 


Voltar


Comente sobre essa publicação...