Semana On

Quarta-Feira 26.jun.2019

Ano VII - Nº 356

Artigo da semana

Vergonha não é brasileiro sem visto nos EUA, mas Brasil expulsar pobres

Se o diabo está nos detalhes, o inferno são as entrelinhas da nossa fala

Postado em 19 de Março de 2019 - Leonardo Sakamoto

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

"O brasileiro que vem pra cá [Estados Unidos] de maneira regular é bem-vindo. Brasileiro ilegalmente fora do país é problema do Brasil, é vergonha nossa", declarou.

A declaração do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) em evento organizado por Steve Bannon, liderança da extrema direita norte-americana, que precede a visita oficial de Jair Bolsonaro a Donald Trump, é de uma insensibilidade atroz com aqueles que saem do país em busca de uma vida melhor. Expulsos pela falta de emprego ou pela violência, brasileiros têm entrado de forma irregular nos EUA. Não querem infringir a lei, mas guiados pela propaganda de que lá é a terra da oportunidade, não vêm outra opção.

Um representante do povo brasileiro, eleito com uma expressiva votação, deveria defender a dignidade de seus conterrâneos e não as políticas migratórias de outro Estado. No ano passado, centenas de brasileiros ficaram detidos por entrarem de forma irregular nos EUA, dentre eles crianças que chegaram a ser isoladas de seus pais.

Espera-se do Estado brasileiro e seus representantes que, quando tratarem da questão migratória, também manifestem preocupação com relação à qualidade de vida dessas pessoas. E não demonstrem "vergonha" por sua existência.

No Brasil, não são muitos os que defendem o fechamento total de nossas fronteiras para refugiados e a expulsão sumária de migrantes sem documentos de permanência por aqui. Por outro, é crescente a quantidade daqueles que acreditam que eles roubam empregos e pioram a crise. Ou que caem no conto da notícia falsa que diz que o Brasil vai gastar bilhões com Bolsa Família para refugiados, tirando da boca dos nativos.

Desde sua campanha eleitoral, Donald Trump culpa os migrantes pobres por desgraças que acontecem em solo norte-americano – de estupros ao tráfico de drogas e principalmente o terrorismo. Chegou a dizer que eles "infestam" o país e os chamou de o "mal". Ou seja, para ele, os brasileiros pobres que tentaram entrar de forma irregular fazem parte desse "mal".

No Brasil, pouco antes da sanção da Lei de Migração, grupos de extrema direita realizaram microprotestos em cidades como São Paulo, usando os mesmos argumentos que reduzem migrantes pobres a ladrões e traficantes. Diziam que o país se transformaria no caos com a mudança da lei, seguindo o que há de pior na narrativa nacionalista ultraconservadora promovida por Bannon, que tenta fazer com que a Europa e os Estados Unidos se tornem uma sucursal do inferno. O mais irônico é que a lei brasileira, por mais importante que seja, nasceu com problemas que ainda dificultam a vida dos refugiados e migrantes mais pobres.

Grupos radicais no Brasil e nos Estados Unidos estão de mãos dadas para culpar migrantes por roubar empregos, trazer violência, sobrecarregar os serviços públicos, porque é mais fácil jogar a responsabilidade em quem não tem voz (apesar de darem braços para gerarem riqueza para ambos os países) do que criar mecanismos para trazê-los para o lado de dentro do muro que os separa da dignidade – o que, inclusive, geraria mais recursos através de impostos.

Grande parte desses migrantes faz o trabalho sujo que poucos querem fazer, limpam latrinas, costuram roupas, recolhem o lixo, extraem carvão, processam gado, constroem casas. Até porque os países que recebem esses trabalhadores ganham com sua situação de subemprego e o não pagamento de todos os direitos. Não se enganem: a porosidade de fronteiras ajuda na regulação do custo da mão de obra global.

"Brasileiro ilegalmente fora do país é problema do Brasil, é vergonha nossa." Há uma vergonha, sim. E não é o fato de brasileiros entrarem irregularmente em outro país. Mas pelo país ser incompetente para garantir boa qualidade de vida a eles e a suas famílias de forma que não precisassem procurá-la em outro lugar.

Em tempo: Não existe imigrante ilegal. Pois não existem seres humanos ilegais. O que temos, por força das fronteiras, são pessoas que não possuem os documentos de entrada ou de trabalho exigidos por um país ou um bloco de países. Ou que estão em situação de imigração considerada ilegal. Essa distinção parece uma "fresta" conceitual, uma "frescura do politicamente correto". Contudo, esconde um abismo.

Às vezes, esquecemos que a escolha das palavras que usamos, consciente ou inconscientemente, não é aleatória. Diz muito sobre a forma como vemos o mundo e nos relacionamos com ele. Ou como fomos ensinados, formados ou doutrinados a legitimar certas coisas como se fosse algo normal. Afinal, se o diabo está nos detalhes, o inferno são as entrelinhas da nossa fala.

Leonardo Sakamoto - É jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e violações aos direitos humanos em todos os estados brasileiros. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil, conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão e comissário da Liechtenstein Initiative - Comissão Global do Setor Financeiro contra a Escravidão Moderna e o Tráfico de Seres Humanos. É autor de "Pequenos Contos Para Começar o Dia" (2012), "O que Aprendi Sendo Xingado na Internet" (2016), entre outros.


Voltar


Comente sobre essa publicação...