Semana On

Segunda-Feira 25.mar.2019

Ano VII - Nº 343

Super Banner na capa e em toda a revista

Campo Grande

Cerca de 80% dos problemas de saúde poderiam ser resolvidos em UBS, diz Prefeitura

Pacientes de menor gravidade devem procurar as UBS ou UBSF

Postado em 13 de Março de 2019 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Segundo dados da Coordenadoria de Urgência da Sesau, 80% dos pacientes das UPA’s e Centros Regionais de Saúde (CRS’s) poderiam ser atendidos nas Unidades Básicas de Saúde e Unidades Básicas de Saúde da Família (UBSF).

Estes pacientes, classificados como azul ou verde (de menor gravidade), são geralmente os que mais esperam nas UPA’s, onde a preferência de atendimento é dada a classificados como vermelho e amarelo (casos de maior gravidade).  Eles poderiam ter um atendimento mais rápido e com muito mais qualidade se procurassem uma UBS ou UBSF.

Em visita à Unidade Básica de Saúde (UBS) Azaléia e a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Coronel Antonino, o prefeito Marquinhos Trad identificou um contraste: a Unidade Básica de Saúde do Bairro Azaleia vazia e a UPA Coronel Antonino com muitos pacientes esperando atendimento.

“Esses problemas acontecem porque as pessoas não sabem que podem encontrar atendimento em uma Unidade Básica de Saúde do seu bairro. As UBS’s atendem a comunidade local. Todas as pessoas que possuem uma pequena gravidade de enfermidade ou enfermidades crônicas devem ser tratadas nas UBS’s. Na prática, o paciente tem uma febre baixa durante a noite. No outro dia, pela manhã, ele pode procurar uma Unidade Básica de Saúde para investigar o que está gerando esta febre. Mesmo ela (a consulta) não estando agendada. Todas as UBS’s possuem escala para atender pacientes não agendados. Os médicos destas unidades não têm quantidade mínima de pacientes, mas horário de plantão, onde atendem os pacientes que procuram a UBS”, afirmou o prefeito.

O coordenador do Grupo de Apoio de Gestão em Saúde, Bruno Rocha, orienta a população a procurar as UBS’s, que são responsáveis pelo tratamento dos problemas crônicos. “A população precisa ir mais à Unidade Básica de Saúde. Ela precisa dizer pra gente o que não está funcionando lá. As UPA’s não resolvem problemas crônicos, mas momentâneo. Quem trata a doença é a UBS. Na UPA, só são tratadas emergências”, detalhou.

A enfermeira da Unidade Básica de Saúde do Bairro Azaleia, Fátima Durães, ressalta que, geralmente, uma UBS está disponível para 10 mil pessoas e funciona das 7 às 19 horas, onde vários atendimentos são realizados.

“Nós atendemos hipertensos, diabéticos, gestantes e casos agudos, como de dengue, onde recebemos, acolhemos e fazemos classificação de risco. O paciente que chega até nossa recepção é direcionado ao funcionário que está na função de acolhedor ou assistente social, que  encaminha para o enfermeiro da classificação de risco.  Lá, identificamos o problema e encaminhamos o atendimento, onde conseguimos reduzir os problemas de superlotação nas UPA’s, que devem atender urgência e emergência”, pontuou.

Mariele Vera Martinez só procura uma UPA em casos de urgência, principalmente durante a madrugada, quando a UBS está fechada.  Ela já percebeu que na UBS pode encontrar um bom atendimento. “Eu faço acompanhamento quarta-feira. Acho importante. Se está com uma tosse ou algo que dá pra resolver aqui, mesmo quando não estou agendada, trago. Só vou na UPA durante a madrugada, mas prefiro fazer o acompanhamento aqui”, contou.

Francisco Balbuino trata diabetes na UBS do Bairro Azaleia e não frequenta a UPA porque sempre consegue atendimento. “Nunca vou a uma UPA. Aqui eu sempre encontro atendimento bom e rápido”, justificou.

Diferença no Atendimento

Nas UPAs e CRSs, os atendimentos são feitos conforme a classificação de risco. Ao dar entrada na unidade, o paciente é atendido na recepção e, posteriormente, encaminhado para a sala de triagem, onde um profissional de enfermagem fica responsável por fazer essa escuta e classificação. O profissional ouvirá as queixas do paciente para deliberar o atendimento conforme o seu estado de saúde, classificando o como azul e verde (para casos de menor gravidade) e de amarelo ou vermelho (para casos de maior gravidade).

Em casos em que o paciente é classificado como amarelo ou vermelho, o atendimento é imediato. Nos casos de menor gravidade, o tempo protocolar de espera do Ministério da Saúde é de até 4 horas.

Por conta disso, muitos pacientes que são classificados como de menor gravidade se queixam da demora do atendimento, uma vez que a demanda é cada vez mais crescente e a quantidade de profissionais é limitada. Esse procedimento, do Ministério da Saúde, se faz necessário para garantir que aquele paciente que realmente precisa do atendimento imediato tenha a assistência.

Como alternativa para garantir que esse paciente de menor gravidade não enfrente longas esperas nas UPAs e CRSs, a SESAU tem fortalecido o atendimento na Atenção Primária, ou seja, nos postinhos, ampliando a cobertura de Estratégia de Saúde da Família.

Nas unidades básicas e de saúde da família, são realizados o chamado atendimento à demanda espontânea,  que tem por objetivo construir o histórico de vínculo entre os usuários e os profissionais, ouvir as necessidades dos pacientes, prestar o atendimento adequado em todas as situações de complicações de saúde como, por exemplo, febre branda ou alta, dores agudas ou crônicas, luxações ou fraturas e outras demandas.

As demandas espontâneas são de usuários que procuram as UBSs sem consultas agendadas, mas que necessitam de atendimento. Sendo assim, podem ser cuidados na atenção básica, por exemplo, tanto um portador de hipertensão arterial, como alguém com gastrite.

Se o caso for classificado como prioritário, o paciente será estabilizado e atendido pelo médico ou enfermeiro no intervalo entre as consultas programadas. Se o caso for mais simples, o paciente terá a consulta agendada para o mesmo dia, tendo a sua demanda atendida.

Horário estendido

Atualmente, o município conta com 68 unidades, sendo duas Clínicas da Família (Nova Lima e Portal Caiobá), e destas 22 funcionam em horário estendido. Aumentar o horário de funcionamento das unidades básicas foi uma das soluções encontradas para garantir acesso aos pacientes que não conseguem ir até estes locais em horário comercial por razões diversas.

Funcionam em horário estendido (07h às 19h) as unidades:  UBSFs Moreninha, Nova Bahia,  Vila Fernanda,   Vila Nasser,   Santa Carmélia, Jardim Botafogo,  Iracy Coelho, Los Angeles, UBS Guanandi, UBSF Serradinho, UBSF Tarumã, UBSF São Conrado, UBSF São Francisco, UBSF Estrela Dalva, UBS 26 de Agosto, UBSF Jardim Itamaracá, UBS Universitário, UBSF Ana Maria do Couto e UBS Estrela do Sul e UBSF Jardim Noroeste e as Clínicas da Família Nova Lima e Portal Caiobá.


Voltar


Comente sobre essa publicação...