Semana On

Segunda-Feira 25.mar.2019

Ano VII - Nº 343

Super Banner na capa e em toda a revista

Legislativo

Presidente da ALMS participa de encontro sobre a cadeia produtiva da borracha

Para Paulo Corrêa, produção da borracha é mais uma oportunidade de desenvolvimento e geração de emprego e renda

Postado em 13 de Março de 2019 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALMS), Paulo Corrêa (PSDB), na Federação das Indústrias (Fiems), do 1º Encontro da Cadeia Produtiva da Borracha.

O encontro, realizado pela Fiems e Famasul, teve o objetivo de discutir as formas de plantio da seringueira, colheita do látex, uso industrial da matéria prima, importação e exportação de produtos derivados, e assim, reestruturar o projeto de produção de borracha já existente no Estado. 

Para o presidente da Assembleia, a produção da borracha é mais uma oportunidade de desenvolvimento e geração de emprego e renda. Ao participar do encontro Paulo Corrêa afirmou que a Assembleia é parceira do projeto. “Nós já lideramos um projeto desses no município de Cassilândia, onde o intuito era fazer um polo e agora queremos continuar com esse trabalho. Só pelos números, já somos destaque no Brasil. A Assembleia está à disposição para contribuir com o amparo legal que for necessário para construir esse projeto”, ressaltou. 

O Presidente da Fiems, Sérgio Longen, afirmou que o encontro visa estimular a produção de borracha no Estado. “É projeto antigo, que criou o polo da borracha na região de Cassilândia e Paranaíba, mas que precisa de um estímulo e de uma readequação porque novas tecnologias foram pesquisadas e colocadas à disposição dos produtores. Por isso, precisamos reestruturar um projeto que vai desde o incentivo da produção, passando por tecnologia e inovação até a industrialização desse produto”, afirmou.

Atualmente, Mato Grosso do Sul conta com cerca de 12 milhões de pés de seringueira, totalizando 22 mil hectares plantados. O montante já é suficiente para produzir a primeira remessa de borracha natural, tecnicamente conhecida como GEB (Granulado Escuro Brasileiro), proveniente do coagulo do látex da seringueira. 


Voltar


Comente sobre essa publicação...