Semana On

Quarta-Feira 13.nov.2019

Ano VIII - Nº 371

Mundo

Europeus fecham espaço aéreo para novo Boeing

Gol suspende voos com modelo de avião envolvido em desastres

Postado em 13 de Março de 2019 - DW

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

A Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA) suspendeu todos os voos com aeronaves Boeing 737 MAX 8 na União Europeia (UE).

A decisão foi anunciada após Alemanha, França, Reino Unido e outros membros da UE se juntarem a uma série de países que proibiram em seus espaços aéreos pouso, decolagem e sobrevoo de aviões do mesmo modelo que caiu na Etiópia no domingo (10).

Além do modelo MAX 8, a agência europeia suspendeu todos os voos com o semelhante modelo MAX 9. A EASA afirmou que se trata de uma medida de precaução, com o objetivo de garantir a segurança de todos os passageiros.

A decisão da agência europeia afeta todas as operações dos dois modelos no espaço aéreo da UE, incluindo voos comerciais de países não europeus dentro, para ou a partir do bloco. 

Antes do anúncio da EASA, o ministro dos Transportes da Alemanha, Andreas Scheuer, comunicou o fechamento do espaço aéreo para aeronaves Boeing 737 MAX 8, em entrevista à emissora alemã N-TV. O ministro alegou preocupações com problemas de segurança em consequência dos dois acidentes recentes envolvendo aeronaves 737 MAX 8.

"Segurança vem em primeiro lugar. Até que todas as dúvidas tenham sido esclarecidas, ordenei que o espaço aéreo alemão seja fechado para todas a aeronaves Boeing 737 MAX 8, com efeito imediato", disse Scheuer.

As medidas dos europeus foram tomadas no dia seguinte à determinação da Agência Federal de Aviação dos EUA (FAA, na sigla em inglês) de que a Boeing realize modificações e ocorre paralelamente à decisão de diversas companhias aéreas de suspender o uso das aeronaves da série MAX.

Em um comunicado, um porta-voz da Autoridade de Aviação Civil do Reino Unido disse que o fechamento do espaço aéreo britânico se trata de uma "medida cautelar" devido à falta de informação e acrescentou que "ela estará em vigor até novo aviso". O Reino Unido proibiu todos os aviões Boeing 737 MAX de sobrevoar o espaço aéreo britânico.

No domingo (10), o voo 302 da Ethiopian Airlines caiu poucos minutos após decolar de Adis Abeda, o que resultou na morte de todos os 157 ocupantes. Em outubro, sob circunstâncias similares, um Boeing 737 MAX 8 da Lion Air caiu na Indonésia, deixando 189 mortos.

Devido às duas quedas num curto espaço de tempo, o órgão regulador americano FAA ordenou que a Boeing realize modificações nos modelos da série MAX, embora tenha afirmado que as aeronaves são seguras para voar e que novas medidas seriam tomadas caso problemas de segurança fossem detectados.

As garantias emitidas pela FAA não foram suficientes para tranquilizar as autoridades de aviação de Reino Unido, Alemanha, França, Cingapura, Austrália, Irlanda, Itália, Áustria, Malásia, Omã e Índia, entre outros, que também baniram temporariamente aviões 737 MAX de seus espaços aéreos.

A China, um mercado muito importante para a Boeing, havia pedido na segunda-feira que as companhias aéreas domésticas suspendessem as operações com o modelo – assim como fizeram Indonésia e Coreia do Sul.

Paralelamente, diversas companhias aéreas decidiram suspender o uso de suas unidades da série MAX.

A série MAX foi lançada no começo de 2017, e a Boeing já recebeu mais de cinco mil pedidos de cerca de 100 clientes. Desde a década de 1970, quando ocorreram sucessivos acidentes fatais com o McDonnell Douglas DC-10, um modelo recém-lançado não está envolvido em duas quedas num período tão curto. O desastre do voo 302 no domingo fez com que as ações da Boeing despencassem até 12% na segunda-feira.

Autoridades da China e da Indonésia já haviam ordenado que todas as companhias de seus países suspendessem voos com o modelo. A mexicana Aeromexico também suspendeu as operações de suas seis aeronaves 737 MAX 8 até que os desastres sejam esclarecidos. 

A Agência Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA, na sigla em inglês), por sua vez, anunciou que vai determinar à Boeing que realize modificações nos modelos 737 MAX 8 e 737 MAX 9, mas afirmou que as aeronaves são seguras para voar.

GOL

A companhia aérea brasileira Gol também suspendeu temporariamente as suas operações com aviões 737 MAX 8, da Boeing, após dois desastres aéreos recentes envolvendo aeronaves do mesmo modelo.

"Sendo segurança o valor número um da Gol, que direciona absolutamente todas as iniciativas da empresa, a companhia informa que por liberalidade, a partir das 20 horas de hoje, suspenderá temporariamente as operações comerciais das suas aeronaves 737 Max 8", diz uma nota.

A empresa possui 121 aviões da Boeing, sendo sete do modelo envolvido nos acidentes. Eles operam em rotas para a América do Sul, Caribe e Estados Unidos.

A Gol informou que os passageiros com voos previstos em aeronaves 737 MAX 8 serão comunicados e realocados em outros voos da companhia ou de empresas parceiras, como a americana Delta Air Lines.  A maioria das viagens afetadas tinha como destino Miami ou Orlando.

"A central também permanece à disposição pelo telefone 0800 704 0465. A empresa continuará operando os destinos internacionais de longo curso com os aviões Boeing 737 NG, sem previsão de cancelamento na malha", acrescentou a empresa.

A nota informa ainda que, desde junho de 2018, a Gol realizou 2.933 voos com o Boeing 737 MAX 8, "totalizando mais de 12.700 horas, com total segurança e eficiência". A empresa é a única no Brasil que tem aviões desse modelo.

O Procon de São Paulo havia anunciado que pediria a suspensão imediata dos voos da Gol com aeronaves 737 MAX 8, como forma de "prevenir futuros acidentes" e evitar colocar em risco a vida de passageiros.


Voltar


Comente sobre essa publicação...