Semana On

Quinta-Feira 24.out.2019

Ano VIII - Nº 368

Poder

Quem inventou a mentira de que o ministro Ricardo Salles estudou em Yale?

Salles é conhecido – pela justiça, no caso – como especialista em canetadas criativas. Foi condenado por improbidade administrativa após adulterar um mapa para beneficiar mineradoras

Postado em 01 de Março de 2019 - Leandro Demori – Intercept_Brasil

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Em 11 de fevereiro de 2012, um quase desconhecido Ricardo Salles publicou um artigo na Folha de S. Paulo intitulado “Privatização, ainda que tardia”. Ao fim de uma defesa apaixonada da venda dos aeroportos brasileiros, o texto do atual ministro do Meio Ambiente termina com sua biografia resumida em apenas uma linha. “Ricardo Salles, 36, mestre em direito público pela Universidade Yale, é advogado e presidente do Movimento Endireita Brasil”. Yale. Uau. Ali estava alguém que sabia do que estava falando.

A formação em uma das dez melhores universidades do mundo, chancelada pelo maior jornal do país, se espalhou pela internet e foi incorporada definitivamente ao currículo de Salles.

Programa Roda Viva, da TV Cultura, uma semana atrás: “Mestre em Direito Público pela Universidade de Yale, Ricardo Salles foi secretário estadual do Meio Ambiente de São Paulo no governo de Geraldo Alckmin (PSDB) e fundou, em 2006, o Movimento Endireita Brasil.”

Jornal Nexo, dezembro do ano passado: “Advogado de 43 anos, Ricardo Salles é mestre em direito público pela Universidade de Yale.”

Rádio Gaúcha e jornal Zero Hora, reproduzindo a divulgação do Roda Viva: “Mestre em Direito Público pela Universidade de Yale…”

Os incontáveis meios que reproduzem essa informação há anos, no entanto, estão estampando uma mentira.

Nós entramos em contato com Yale, mais precisamente com o Departamento de Comunicações da Faculdade de Direito, onde Salles teria obtido seu diploma. Cinco presidentes americanos estudaram em Yale. Doze vencedores de prêmios Nobel estudaram em Yale. Até o cara que escreveu as músicas do Frozen estudou em Yale. Mas Ricardo Salles, não.

“Oi. Sinto muito pela demora na resposta. A Faculdade de Direito não conseguiu localizar nenhum registro indicando que Ricardo de Aquino Salles frequentou a Faculdade de Direito de Yale”, disse o representante da universidade, por e-mail.

Mas quem então fabricou o factoide publicado na Folha e, mais recentemente, pelo Nexo e pelo site do Roda Viva, entre outros? A gente resolveu ir atrás.

Fizemos a pergunta ao ministério comandado por Salles, simples, objetiva: “Qual o ano de formatura na Universidade de Yale e o título exato que consta no diploma?”

Mas, após três dias de solicitações por e-mail e vários telefonemas, nenhuma resposta. Tampouco nos enviaram o currículo completo de Salles, que também pedimos, já que o que está publicado no site é de uma simplicidade franciscana – e não inclui Yale.

A referência tampouco consta em sua biografia no site da secretaria de Meio Ambiente de São Paulo, preservada pelo Internet Archive, nem no perfil publicado no site de campanha de 2018 – Salles tentou ser eleito deputado federal mas não conseguiu. Outras instituições com que ele colaborou, como o Movimento Endireita Brasil, também não publicam seu currículo completo.

A Folha não se manifestou formalmente – nós enviamos e-mail e ligamos –, mas um funcionário com conhecimento do processo editorial da seção de opinião nos disse que há “98% de probabilidade” de que o próprio Salles enviou a biografia que acompanhou seu artigo de 2012. Receber a biografia diretamente da pessoa que assina o artigo é a norma da casa – exceto para personalidades bastante conhecidas. Mas 98% não é 100%.

O Nexo, por sua vez, informou que usou o currículo publicado pela Folha. A produção do Roda Viva não nos respondeu até a publicação deste texto.

Salles é conhecido – pela justiça, no caso – como especialista em canetadas criativas. Como contamos há alguns dias, ele foi condenado por improbidade administrativa após adulterar um mapa para beneficiar mineradoras.

Isso, claro, não significa que foi ele quem inventou sua passagem pela Universidade de Yale. Nem mesmo que ele seja dono do único currículo marombado no bonde de Bolsonaro.

Questionada pela Folha sobre o título de mestre em Educação e Direito Constitucional e da Família, Damares Alves, ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, saiu com essa: “Diferentemente do mestre secular, que precisa ir a uma universidade para fazer mestrado, nas igrejas cristãs é chamado mestre todo aquele que é dedicado ao ensino bíblico.” Mestre em coisa nenhuma, no caso.

Damares convocou a “ex-feminista” e ativista anti-aborto Sara Winter para cuidar das “políticas públicas para a maternidade”. A pupila da pastora-ministra também já cometeu alguns deslizes no próprio currículo. Num tuíte em que alguém criticava sua qualificação para o cargo, ela retrucou: “Desqualificada eu? Graduação em Relações Internacionais, especialização em crimes na adm. pública, experiência de 4 anos no campo da maternidade, conferencista internacional, agenda cheia até 2021 por toda América Latina, EUA e Europa. 3 idiomas. 26 anos.” Uou.

Ao TSE, porém, ela informou em 2018 ter “ensino superior incompleto”. Mais tarde, ela passou a dizer que ainda é “graduanda”, sem admitir qualquer erro – ou manipulação.

Motivo da primeira crise do governo Bolsonaro, Alecxandro Carreiro bateu o pé após ser demitido do comando da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos pelo ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo. Pois Carreiro, descobriu-se, não falava inglês fluentemente, uma exigência oficial para o cargo que ocupou, nem tem experiência na área – mas é amigo de Eduardo Bolsonaro.

Mas ninguém bate Joice Hasselmann. Deputada federal pelo PSL, ela foi pega por plagiar “65 reportagens, escritas por 42 profissionais diferentes, somente entre os dias 24 de junho e 17 de julho de 2014″, segundo o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná. [Nós colocamos o trecho em aspa, porque não foi escrito por nós, citamos a fonte e incluímos o link, senão seria plágio, viu, Joice?]

No caso do excelentíssimo ministro Ricardo de Aquino Salles, no entanto, nós ainda não sabemos o que houve. Buscamos em todas as suas redes sociais para descobrir se, por acaso, em algum momento ele teria desmentido a informação dada tantas vezes pela imprensa. Nada. Se você souber de algo, manda um e-mail.

Atualizações

Ricardo Salles admitiu que não estudou em Yale. Em seu Twitter, ele disse que “A informação de 2012 foi veiculada erroneamente”, segundo Salles, “por um equívoco da assessoria.” Ele ainda disse que “de qualquer modo, desde então, vem sendo sempre corrigida, exatamente como bem relatou o Roda Viva em sua nota.” Nós estivemos em contato com a assessoria do MMA durante dias, mas eles não corrigiram a informação. Salles só admitiu que não tem diploma por Yale depois da publicação da nossa matéria.

A nota do Roda Viva à qual o ministro se refere foi publicada no sábado às 18:13. Nela, a TV Cultura diz: “O programa Roda Viva, da TV Cultura, informa que o Sr. Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, não fez veicular dados incorretos, tendo alertado previamente a produção acerca da imprecisão das informações que foram erroneamente divulgadas pelo programa. Pedimos desculpas ao Sr. Ministro pelo inconveniente causado.” A emissora tirou de seu texto a falsa formação de Salles por Yale, mas não deu a errata, como deveria ser a praxis do jornalismo.

Na noite de sexta (19:34) a TV Cultura nos mandou o seguinte e-mail: “A informação que constava no site da TV Cultura foi obtida no perfil do ministro realizado pelo portal Nexo.

Para a produção do perfil do entrevistado que abre o Roda Viva, no entanto, a assessoria de Ricardo Salles foi consultada e essa informação foi negada.
O ministro confirmou apenas graduação em Direito pelo Mackenzie e pós-graduações nas Universidades de Coimbra e Lisboa.
Por se tratarem de núcleos diferentes, os dados do site acabaram não sendo atualizados.”

Aqui, a versão antiga, ainda com a mentira.

O perfil do ministro no jornal Nexo segue com a informação errada.

Atualização 2

O Nexo corrigiu a informação e publicou uma errata no pé da página.


Voltar


Comente sobre essa publicação...