Semana On

Sexta-Feira 24.mai.2019

Ano VII - Nº 351

Brasil

PF contesta a principal versão que aponta Curicica e Siciliano como suspeitos da morte de Marielle e Anderson

Agentes da PF cumpriram oito mandados de busca e apreensão com o objetivo de apurar possíveis ações com intuito de criar obstáculos às investigações

Postado em 21 de Fevereiro de 2019 - Vera Araújo e Chico Otávio – O Globo

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

O assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, que completa um ano no próximo dia 14, pode sofrer nova reviravolta em relação à principal linha de investigação. Apuração feita pela força-tarefa da Polícia Federal enfraquece a tese que apontava o miliciano Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando de Curicica, e o vereador Marcello Siciliano (PHS) como autor e mandante, respectivamente, do crime.

Na última quinta-feira (21), agentes da PF cumprem oito mandados de busca e apreensão com o objetivo de apurar “possíveis ações que estariam sendo praticadas com o intuito de obstacularizar as investigações dos homicídios de Marielle e Anderson”. Os mandados foram autorizados pelo juiz do 4° tribunal do Júri, Gustavo Kalil, que autorizou o compartilhamento do inquérito que investiga o crime para a PF.

A força-tarefa entrou no caso em outubro do ano passado, depois que Curicica denunciou à Procuradora-Geral da República, Rachel Dodge, que estaria sendo coagido pela Delegacia de Homicídios da Capital  (DH) a assumir o crime. Por trás da investigação está um suposto esquema de pagamento de mesadas a policiais da especializada para a não elucidação de casos envolvendo a contravenção. Agora, investigadores federais buscam indícios de que Curicica e Siciliano não teriam envolvimento no duplo homicídio.

Curicica afirmou ao GLOBO, em outubro de 2018, por meio de uma carta em resposta a 15 perguntas feitas pela reportagem, que a DH recebia R$ 200 mil por mês na época em que o ex-chefe de Polícia Civil, Rivaldo Barbosa, era diretor da Divisão de Homicídios. O miliciano se refere ao susposto sistema de pagamento de propina à Polícia Civil como “folha do fixo”. Segund ele, os R$ 200 mil sofreram acréscimo quando os investigadores da Civil negociavam uma imagem que poderia identificar os assassinos e servir de prova nos inquéritos. O ex-PM está preso desde outubro de 2017. Sete meses depois, já após a morte de Marielle e Anderson, ele foi transferido para o Presídio Federal de Mossoró (RN).

Na carta, confirmada em depoimento à Polícia Federal e à procuradora-geral da República, Rachel Dodge, Curicica explica que foi vítima de uma cilada do ex-policial civil Jorge Luiz Fernandes, o Jorginho, que já foi preso na Operação Segurança Pública S/A. Esta ação, desencadeada em 2008, tinha por objetivo desarticular uma suposta quadrilha que atuava na Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro durante a gestão do ex-governador Anthony Garotinho (PMDB). Agora, segundo Curicica, Jorginho pretendia assumir a milícia do primo dele, Geraldo Pereira, morto em 2016, para quem o ex-PM preso em Mossoró trabalhava. Com o assassinato de Pereira, Curicica dominou o Terreirão e comunidades de Jacarepaguá, inclusive o bairro de onde vem o seu apelido.

Segundo Curicica, Jorginho teria se aliado à Ferreira para lhe tomar as localidades que teria recebido de herança do sargento Pereira. Uma das formas, na opinião do miliciano, seria deixando-o preso em presídio federal. Para isso, teria sido montada uma suposta farsa de que ele matou Marielle e Anderson. Atualmente, Curicica perdeu todas as suas áreas. Para confirmar a versão de Curicica de que a denúncia da testemunha-chave do caso não era verdadeira, a PF fez buscas e apreensões nas casas de Jorginho e do delegado Hélio Khristen, na Zona Oeste do Rio. O depoimento do primeiro está marcada para 14h desta quinta-feira. Por meio da sua defesa, Jorginho nega envolvimento na morte da vereadora e de seu motorista, além de negócios nas milícias.

Quando a denúncia de propina veio a público, por meio de nota, a Polícia Civil repudiou as declarações de Curicia: “O chefe de Polícia Civil, delegado Rivaldo Barbosa, repudia a tentativa de um miliciano altamente perigoso, que responde a 12 homicídios, de colocar em risco uma investigação que está sendo conduzida com dedicação e seriedade. Ao acusado foram dadas amplas oportunidades pela Polícia Civil para que pudesse colaborar com as investigações do duplo homicídio dentro do estrito cumprimento da lei".

Curicica e Siciliano entraram no rol de suspeitos dos assassinatos por conta da delação do policial militar Rodrigo Ferreira, que integrava o bando do miliciano. O PM procurou, espontaneamente, o delegado da Polícia Federal Hélio Khristian para contar que ouviu uma conversa entre Curicica e Siciliano, num restaurante no Recreio dos Bandeirantes, em junho de 2017, em que Marielle foi citada.

No encontro, segundo o delator, ele estava numa mesa próxima ao miliciano e o vereador quando ouviu Siciliano falar alto: “Tem que ver a situação da Marielle. A mulher está me atrapalhando”. Em seguida, o verador teria batido com a mão na mesa e gritado: “Marielle, piranha do Freixo”. Depois, olhando para o ex-PM, teria dito: “Precisamos resolver isso logo”. Ferreira disse, em depoimento à DH, para onde foi levado por Khristian e outros dois delegados federais, que os dois interlocutores referiram-se ao deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), de quem Marielle foi assessora durante a CPI das Milícias, na Assembleia Legislativa do Rio. O depoimento do delator afasta Curicica e Siciliano do cenário das mortes de Marielle e Anderson, mas, segundo a DH da Capital, forneceu informações robustas para incriminar o miliciano em, pelo menos, dez inquéritos.

A força-tarefa investiga os delitos de organização criminosa, coação no curso do processo, fraude processual, favorecimento pessoal, patrocínio infiel, exploração de prestígio e falsidade ideológica, entre outros.


Voltar


Comente sobre essa publicação...