Semana On

Domingo 17.nov.2019

Ano VIII - Nº 372

Mato Grosso do Sul

Recuperação da Bacia do Taquari é prioridade absoluta, afirma ministro do Meio Ambiente

O processo de assoreamento da Bacia do Taquari teve início há 40 anos e inundou permanentemente mais de 1,3 milhão de hectare no Pantanal

Postado em 21 de Fevereiro de 2019 - Redação Semana On

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Depois de se comprometer no mês passado com a liberação de recursos para reverter o processo de assoreamento do rio Taquari, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, conheceu na última quarta-feira (20) a proposta de recuperação da bacia hidrográfica. “É prioridade absoluta do Ministério encontrar soluções para esse problema, que sejam factíveis e tenham horizonte de aplicação bastante curto”, afirmou Salles em encontro com o governador Reinaldo Azambuja.

O processo de assoreamento da Bacia do Taquari teve início há 40 anos e inundou permanentemente mais de 1,3 milhão de hectare no Pantanal. “É um dos maiores desastres ambientais da história do Brasil”, afirmou o governador Reinaldo Azambuja. Para reverter o cenário de degradação, segundo o gestor, o Ministério vai utilizar recursos de multas ambientais para iniciar, em breve, o processo de recuperação da região.

Em janeiro deste ano, Ricardo Salles assumiu compromisso de viabilizar a recuperação da bacia hidrográfica com a liberação de parte de R$ 6 bilhões que estão num fundo criado pelo Governo Federal e que concentra dinheiro recebido de multas pagas por quem cometeu crimes ambientais pelo País.

Projeto de recuperação

A proposta apresentada pelo governador ao ministro do Meio Ambiente foi elaborada pelo poder público em conjunto com organizações civis e o segmento produtivo. Participaram da audiência os secretários de Estado Jaime Verruck (Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) e Eduardo Riedel (Governo e Gestão Estratégica).

Acompanharam ainda prefeitos de integrantes 11 municípios que compõem o Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento Sustentável da Bacia Hidrográfica do rio Taquari (Cointa), além do diretor-presidente do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), Ricardo Eboli, e dos deputados estaduais Eduardo Rocha e Coronel David.

Para Ricardo Eboli, “essa é a parceria do Governo do Estado com o Governo Federal para solucionar problemas ambientais, sociais e econômicos da Bacia do rio Taquari”.

“Pela primeira vez conseguimos ver uma luz no fim do túnel, pois nunca tivemos, até então, a oportunidade de expor os problemas para o Ministério com nosso governador e nossos secretários nos acompanhando e dando guarida. Pela primeira vez tenho a certeza de que vai acontecer alguma coisa positiva”, disse o prefeito de Rio Verde de Mato Grosso e presidente do Cointa, Mário Kruger,

Bacia hidrográfica

A Bacia do Taquari cobre uma área de 78 mil km² nos estados de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. O rio tem suas nascentes nos municípios de Alto Araguaia (MT) e Alto Taquari (MT), Costa Rica (MS) e Alcinópolis (MS), escoando de Leste a Oeste no sentido do Planalto para o Pantanal, sendo que a maior parte da bacia hidrográfica do Taquari está situada no território de Mato Grosso do Sul.


Voltar


Comente sobre essa publicação...