Semana On

Quarta-Feira 21.ago.2019

Ano VII - Nº 359

Coluna

Rios limpos na zona sul de SP são um convite para a diversão

No extremo sul da capital paulista dá para tomar banho de cachoeira e praticar esportes

Postado em 20 de Fevereiro de 2019 - Regiane Soares – Folha de SP

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Quem pensa que a cidade de São Paulo é somente uma selva de pedra não sabe o que está perdendo. Nos distritos de Parelheiros e Marsilac, extremo sul da capital, ainda há rios com águas limpas, onde é possível tomar banho em cachoeiras e praticar esportes radicais, como rafting e boia cross, e caminhar em trilhas no meio da mata selvagem.

Os rios Capivari e Monos e suas cachoeiras fazem parte do Polo de Ecoturismo de São Paulo, criado em 2014 para garantir um desenvolvimento sustentável e preservar os mananciais da região, que fica dentro da APA (Área de Proteção Ambiental) Municipal Capivari-Monos.

A garantia de um banho em águas limpas é da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo). Segundo o IQA (Índice de Qualidade das Águas), os rios apresentam condições de qualidade variando entre boa e ótima.

E os guias locais vão além: são os únicos rios limpos da cidade de São Paulo. "São limpos porque não jogam esgoto nem nada nele", afirmou o guia Jean da Silva Lima, 23 anos.

Os rios nascem na Serra do Mar e seguem cursos diferentes até se reencontrarem novamente na serra para formação da cachoeira da Usina, com queda de 70 metros, e desaguar em Itanhaém, já no litoral sul de São Paulo.

Para conhecer as belezas naturais dos rios é preciso disposição em ritmo de aventura. Somente no Capivari são mais de 40 cachoeiras, quase todas elas em áreas particulares. Por isso, a recomendação é agendar as visitas com guias locais. O Posto de Atendimento ao Turista de Parelheiros pode indicar os profissionais.

Mas para quem quiser ir por conta própria o parque de aventura Selva SP, em Marsilac, é uma opção. No local fica a cachoeira Marsilac, uma das mais conhecidas da região.

Porém, é preciso pagar R$ 10 para entrar e usar a infraestrutura de banheiros, vestiários e estacionamento. O local também oferece passeios tendo o rio e a mata como cenários.

Já para nadar no rio Monos é de graça, mas sem infraestrutura. Uma das entradas é na estrada do Curucutu, em Parelheiros, perto da antiga barragem, em Parelheiros.

Abastecimento

Além de promover lazer e diversão, as águas limpas do rio Capivari também garantem o abastecimento de boa parte das torneiras da capital. Isso porque um terço da água que passa pelo leito do rio é retirada para a represa Capivari, um dos reservatórios que fazem parte do sistema Guarapiranga.

"Muitas pessoas não sabem, mas a preservação desse rio é extremamente importante para o abastecimento de água na cidade de São Paulo", afirmou o guia de turismo local Jean da Silva Lima, 23 anos.

O rio Monos é outro atrativo para os dias calor. Um dos acessos fica na estrada do Curucutu, na antiga barragem da represa Billings, atualmente desativada. Nos dias quentes, é comum ver garotos pulando e nadando.

A diarista Roberta de Aquino Silva Siqueira, 33 anos, disse que sempre via pessoas nadando no rio. Recentemente, criou coragem e também entrou na água para ver se era fundo. E liberou os filhos. A família gostou tanto que voltou no dia seguinte.

"Achei ótimo vir aqui porque o rio é raso e limpo. É maravilhoso tomar banho aqui porque é de graça. E as crianças não cansam", afirmou Roberta. "Aqui é muito bom", completou o filho dela, Paulo Gustavo de Aquino, 12, um dos mais animados da família no rio.

A professora Simone do Carmo Almeida Barichello, 46 anos, até já tinha feito um trabalho acadêmico sobre os rios limpos de São Paulo, mas foi só em janeiro que conheceu pessoalmente as belezas naturais do rio Capivari.

"É muito interessante. aqui", afirmou ela, que pretende voltar para fazer rafting (descida de corredeiras em bote inflável).

Moradora de Cidade Dutra (zona sul), Simone foi até a cachoeira Marsilac a convite da amiga Vanessa Caris, 39, "Já tinha vindo há muitos anos, quando não tinha essa estrutura toda", disse.


Voltar


Comente sobre essa publicação...