Semana On

Sexta-Feira 19.abr.2019

Ano VII - Nº 346

Governo abril

Mundo

Escolhido de Trump para levar democracia à Venezuela passou a vida esmagando a democracia

Em El Salvador, Guatemala, Nicarágua, Panamá, Irã e Palestina, Elliott Abrams atuou desestabilizando governos

Postado em 08 de Fevereiro de 2019 - Jon Schwarz – The Intercept_Brasil

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Em 11 de dezembro de 1981, em El Salvador, uma unidade militar salvadorenha criada e treinada pelo Exército dos EUA começou a abater todas as pessoas que encontrou em um vilarejo remoto chamado El Mozote. Antes de assassinar as mulheres e as meninas, os soldados as estupravam repetidamente, incluindo algumas de apenas 10 anos de idade, brincando que suas preferidas eram as de 12 anos. Uma testemunha descreveu um soldado atirando uma criança de 3 anos para o alto e a empalando com sua baioneta. O número final de mortos foi de mais de 800 pessoas.

O dia seguinte, 12 de dezembro, foi o primeiro dia de trabalho para Elliott Abrams como secretário de Estado adjunto para os direitos humanos e assuntos humanitários no governo Reagan. Abrams entrou em ação, ajudando a encobrir o massacre. Em depoimento ao Senado, Abrams disse que notícias a respeito do que havia acontecido “não tinham credibilidade” e que tudo estava sendo “significativamente mal utilizado” como propaganda por guerrilheiros antigovernamentais.

Na sexta-feira passada, o secretário de Estado Mike Pompeo nomeou Abrams como enviado especial dos Estados Unidos para a Venezuela. Segundo Pompeo, Abrams “será responsável por todas as coisas relacionadas aos nossos esforços para restaurar a democracia” na nação rica em petróleo.

A escolha de Abrams envia uma mensagem clara à Venezuela e ao mundo: o governo Trump pretende brutalizar a Venezuela, ao mesmo tempo em que produz um fluxo de discursos obsequiosos sobre o amor dos Estados Unidos pela democracia e os direitos humanos. Combinar esses dois fatores – a brutalidade e a magnanimidade – é a principal competência de Abrams.

Anteriormente, Abrams serviu em uma infinidade de funções nos governos de Ronald Reagan e George W. Bush, muitas vezes com títulos declarando foco na moralidade. Primeiro, foi secretário de Estado adjunto para assuntos de organização internacional (em 1981); depois, o cargo de “direitos humanos” do departamento de Estado mencionado acima (de 1981 a 1985); secretário de Estado adjunto para assuntos interamericanos (de 1985 a 1989); diretor-sênior de democracia, direitos humanos e operações internacionais do Conselho de Segurança Nacional (de 2001 a 2005); e, finalmente, consultor adjunto de segurança nacional de Bush para a estratégia da democracia global (de 2005 a 2009).

Nessas posições, Abrams participou de muitos dos atos mais sinistros da política externa norte-americana dos últimos 40 anos, sempre proclamando o quanto se importava com os estrangeiros que ele e seus amigos estavam assassinando. Em retrospecto, é inquietante ver como Abrams quase sempre esteve presente quando as ações dos EUA eram mais sórdidas.

Abrams, graduado do Harvard College e da Harvard Law School, juntou-se à administração Reagan em 1981, aos 33 anos. Logo recebeu uma promoção devido a um golpe de sorte: Reagan queria nomear Ernest Lefever como secretário de Estado adjunto para os direitos humanos e assuntos humanitários, mas a nomeação de Lefever encalhou quando dois de seus irmãos revelaram que ele acreditava que os afro-americanos eram “inferiores, intelectualmente falando”. Um Reagan decepcionado foi forçado a recorrer a Abrams como segunda opção.

Uma preocupação central da administração Reagan na época era a América Central – em particular, as quatro nações adjacentes de Guatemala, El Salvador, Honduras e Nicarágua. Todas haviam sido dominadas desde a sua fundação por minúsculas elites brancas e cruéis, com um século de ajuda das intervenções dos EUA. Em cada um desses países, as famílias dominantes viam os outros habitantes de sua sociedade como animais de forma humana, que podiam ser usados ou mortos, conforme necessário.

Porém, pouco antes da posse de Reagan, Anastasio Somoza, o ditador da Nicarágua e aliado dos EUA, foi derrubado por uma revolução socialista. Os reaganistas viram isso racionalmente como uma ameaça aos governos dos vizinhos da Nicarágua. Todos os países tinham grandes populações que, da mesma forma, não gostavam de trabalhar nas plantações de café ou de ver os filhos morrerem de doenças facilmente tratáveis. Alguns pegariam em armas e alguns simplesmente tentariam manter a cabeça baixa, mas todos, do ponto de vista dos guerreiros frios da Casa Branca, eram provavelmente “comunistas” recebendo ordens de Moscou. Eles precisavam aprender uma lição.

El Salvador

O extermínio de El Mozote foi apenas uma gota no rio do que aconteceu em El Salvador durante os anos 1980. Cerca de 75 mil salvadorenhos morreram durante o que é chamado de “guerra civil”, embora quase todos os assassinatos tenham sido perpetrados pelo governo e seus esquadrões da morte.

Os números por si só não contam a história toda. El Salvador é um país pequeno, do tamanho do estado norte-americano de Nova Jersey. O número equivalente de mortes nos EUA seria de quase 5 milhões. Além disso, o regime salvadorenho continuamente se engajou em atos de barbárie tão hediondos que não há equivalente contemporâneo, exceto talvez o ISIS. Em uma ocasião, um padre católico relatou que uma camponesa deixou brevemente seus três filhos pequenos aos cuidados de suas mãe e irmã. Quando voltou, descobriu que todos os cinco haviam sido decapitados pela guarda nacional salvadorenha. Seus corpos estavam sentados ao redor de uma mesa, com as mãos postas nas cabeças diante deles, “como se cada corpo estivesse acariciando a própria cabeça”. A mão de um, uma criança pequena, aparentemente continuava escorregando da cabecinha, de modo que havia sido pregada nela. No centro da mesa, havia uma grande tigela cheia de sangue.

A crítica da política dos EUA na época não estava confinada à esquerda. Durante esse período, Charles Maechling Jr., que havia liderado o planejamento do departamento de contra-insurgência durante a década de 1960, escreveu no Los Angeles Times que os EUA estavam apoiando “oligarquias semelhantes à máfia” em El Salvador e em outros lugares e eram diretamente cúmplices em “métodos dos esquadrões de extermínio de Heinrich Himmler”.

Abrams foi um dos arquitetos da política do governo Reagan de apoio total ao governo salvadorenho. Ele não tinha escrúpulos em relação a nada disso nem piedade de quem escapasse do matadouro salvadorenho. Em 1984, soando exatamente como os funcionários de Trump hoje, Abrams explicou que os salvadorenhos que estavam nos EUA ilegalmente não deveriam receber nenhum tipo de status especial. “Alguns grupos argumentam que imigrantes ilegais que são enviados de volta a El Salvador enfrentam perseguição e muitas vezes a morte”, ele disse à Câmara dos Deputados. “Obviamente, não acreditamos nessas alegações, ou não deportaríamos essas pessoas.”

Mesmo fora do cargo, 10 anos após o massacre de El Mozote, Abrams expressou dúvidas de que algo desagradável houvesse ocorrido lá. Em 1993, quando uma comissão da verdade das Nações Unidas descobriu que 95% dos atos de violência ocorridos em El Salvador desde 1980 haviam sido cometidos por amigos de Abrams no governo salvadorenho, ele chamou o que ele e seus colegas no governo Reagan haviam feito de uma “realização fabulosa”.

Guatemala

A situação na Guatemala durante os anos 1980 era praticamente a mesma, assim como as ações de Abrams. Depois que os EUA arquitetaram a derrubada do presidente democraticamente eleito da Guatemala em 1954, o país havia sucumbido a um pesadelo em torno de ditaduras militares. Entre 1960 e 1996, em outra “guerra civil”, 200 mil guatemaltecos foram mortos – o equivalente a talvez 8 milhões de pessoas nos Estados Unidos. Uma comissão da ONU descobriu depois que o estado guatemalteco foi responsável por 93% das violações dos direitos humanos.

Efraín Ríos Montt, que serviu como presidente da Guatemala no início dos anos 1980, foi considerado culpado em 2013 pelo sistema de justiça da própria Guatemala de cometer genocídio contra os indígenas maias do país. Durante a administração de Ríos Montt, Abrams pediu o levantamento de um embargo às remessas de armas dos EUA para a Guatemala, alegando que Ríos Montt havia “trazido progresso considerável”. Os EUA tiveram de apoiar o governo guatemalteco, argumentou Abrams, porque “se assumirmos a atitude de ‘não nos procurem até estarem perfeitos, vamos nos afastar desse problema até que a Guatemala tenha um registro de direitos humanos perfeito’, e deixaremos na mão as pessoas que estão tentando progredir”. Um exemplo das pessoas que estavam fazendo um esforço honesto, segundo Abrams, era Ríos Montt. Graças a Ríos Montt, “houve uma tremenda mudança, especialmente na atitude do governo em relação à população indígena”. (A condenação de Ríos Montt foi mais tarde anulada pela mais alta corte civil da Guatemala, e ele morreu antes que um novo julgamento pudesse terminar.)

Nicarágua

Abrams se tornaria mais conhecido por seu envolvimento entusiasmado com o esforço do governo Reagan para derrubar o revolucionário governo sandinista da Nicarágua. Ele defendeu a invasão total da Nicarágua em 1983, imediatamente após o bem-sucedido ataque dos Estados Unidos à pequena nação insular de Granada. Quando o Congresso cortou fundos para os Contras, força guerrilheira antissandinista criada pelos Estados Unidos, Abrams conseguiu persuadir o sultão de Brunei a desembolsar US$ 10 milhões pela causa. Infelizmente, Abrams, agindo sob o codinome “Kenilworth”, forneceu ao sultão o número errado da conta bancária na Suíça, de modo que o dinheiro foi transferido para um beneficiário sortudo aleatório.

Abrams foi questionado pelo Congresso sobre suas atividades relacionadas aos contras e mentiu abundantemente. Mais tarde, ele se declarou culpado de duas acusações de retenção de informações. Uma era sobre o sultão e seu dinheiro, e outra, sobre o conhecimento de Abrams de um avião C-123 de reabastecimento dos contras que havia sido abatido em 1986. Em uma bela rima histórica com sua nova função na administração Trump, Abrams já havia tentado obter dois C-123 para os contras dos militares da Venezuela.

Abrams recebeu uma sentença de 100 horas de prestação de serviço comunitário e considerou todo o caso como uma injustiça de proporções cósmicas. Logo escreveu um livro em que descreveu seu monólogo interior sobre seus acusadores, que dizia: “Seus desgraçados miseráveis e imundos, seus sanguessugas!” Mais tarde, ele foi perdoado pelo presidente George H. W. Bush na saída dele após perder a eleição de 1992.

Panamá

Embora isso esteja esquecido agora, antes dos Estados Unidos invadirem o Panamá para derrubar Manuel Noriega em 1989, este era um aliado próximo dos EUA – apesar de a administração Reagan saber que ele era um traficante de drogas em larga escala.

Em 1985, Hugo Spadafora, uma figura popular no Panamá e seu ex-vice-ministro da saúde, acreditava ter obtido provas do envolvimento de Noriega no tráfico de cocaína. Ele estava em um ônibus a caminho da Cidade do Panamá para torná-las públicas quando foi capturado por capangas de Noriega.

De acordo com o livro “Overthrow” (Derrubada), do ex-correspondente do New York Times, Stephen Kinzer, a inteligência dos EUA pegou Noriega dando aos seus subalternos a permissão para derrubar Spadafora como “um cão raivoso”. Spadafora foi torturado durante uma longa noite e teve a cabeça serrada enquanto ainda estava vivo. Quando o corpo foi encontrado, o estômago de Spadafora estava cheio de sangue que ele engoliu.

Foi algo tão terrível que chamou a atenção das pessoas. Mas Abrams saltou em defesa de Noriega, impedindo o embaixador dos EUA no Panamá de aumentar a pressão sobre o líder panamenho. Quando o irmão de Spadafora convenceu o hiperconservador senador do Partido Republicano da Carolina do Norte, Jesse Helms, a realizar audiências no Panamá, Abrams disse a Helms que Noriega estava “sendo realmente útil para nós” e “não era um problema tão grande assim. … Os panamenhos prometeram que vão nos ajudar com os contras. Se você fizer as audiências, isso os alienará”.

… E isso não é tudo

Abrams também se envolveu em conduta ilegal por nenhuma razão discernível, talvez apenas para ficar em forma. Em 1986, uma jornalista colombiana chamada Patricia Lara foi convidada aos EUA para participar de um jantar de homenagem a escritores que haviam promovido “o entendimento interamericano e a liberdade de informação”. Quando Lara chegou ao aeroporto Kennedy, em Nova York, foi levada sob custódia e depois colocada em um avião de volta para casa. Logo depois, Abrams apareceu no programa “60 minutos” para alegar que Lara era membro dos “comitês dirigentes” do M-19, um movimento guerrilheiro colombiano. Ainda segundo Abrams, ela era também “uma ligação ativa” entre o M-19 “e a polícia secreta cubana”.

Dada a frequente violência paramilitar de direita contra os repórteres colombianos, isso representou um alvo marcado nas costas de Lara. Não houve evidência de que as afirmações de Abrams fossem verdadeiras – o próprio governo conservador da Colômbia as negou – e nenhuma apareceu desde então.

Os enganos sem fim e desavergonhados de Abrams desgastaram repórteres americanos. “Eles diziam que preto era branco”, explicou mais tarde Joanne Omang, do Washington Post, sobre Abrams e seu colega na Casa Branca, Robert McFarlane. “Embora tivesse usado todos os meus recursos profissionais, enganei meus leitores.” Omang ficou tão exausta com a experiência, que largou o emprego tentando descrever o mundo real para tentar escrever ficção.

Após a condenação, Abrams passou a ser visto como um problema que não podia retornar ao governo. Isso o subestimou. O almirante William J. Crowe Jr., ex-comandante dos chefes de estado maior conjunto, envolveu-se ferozmente com Abrams em 1989 sobre a política dos EUA quanto a Noriega, depois que ficou claro que ele era mais problemático do que era possível aceitar. Crowe se opôs fortemente à brilhante ideia que Abrams havia apresentado: de que os Estados Unidos deveriam estabelecer um governo no exílio em solo panamenho, o que exigiria a guarda de milhares de soldados norte-americanos. Foi algo profundamente estúpido, Crowe disse, mas isso não importava. Prescientemente, Crowe emitiu um aviso sobre Abrams: “Esta cobra é difícil de matar”.

Para a surpresa dos iniciados mais ingênuos de Washington, Abrams estava de volta à ativa logo depois de George W. Bush entrar na Casa Branca. Como poderia ser difícil obter aprovação do Senado para alguém que havia enganado o Congresso, Bush o colocou em um cargo no Conselho de Segurança Nacional – onde não era necessária qualquer aprovação do Legislativo. Assim como ocorrera 20 anos antes, Abrams recebeu um portfólio envolvendo “democracia” e “direitos humanos”.

Venezuela

No início de 2002, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, havia se tornado profundamente irritante à Casa Branca de Bush, que estava repleta de veteranos das batalhas dos anos 1980. Naquele mês de abril, de repente, do nada, Chávez foi expulso do poder em um golpe. Se e como os EUA estavam envolvidos ainda não é conhecido, e provavelmente não será por décadas até que os documentos relevantes sejam desclassificados. Mas, com base nos cem anos anteriores, seria surpreendente que os Estados Unidos não tenham desempenhado nenhum papel nos bastidores. Pelo que se sabe, na época, o London Observer relatou que “a figura crucial em torno do golpe foi Abrams”, e ele “deu um aceno” aos conspiradores. De qualquer modo, Chávez teve apoio popular suficiente para conseguir se reagrupar e voltar ao cargo em questão de dias.

Irã

Aparentemente, Abrams desempenhou um papel importante no silenciamento de uma proposta de paz do Irã em 2003, logo após a invasão do Iraque pelos EUA. O plano chegou por fax, e deveria ter ido para Abrams e depois para Condoleezza Rice, na época conselheira de segurança nacional de Bush. Em vez disso, de alguma forma, a proposta nunca chegou à mesa de Rice. Quando perguntado a respeito disso mais tarde, o porta-voz de Abrams respondeu que ele “não tinha lembrança de qualquer fax do tipo”. (Abrams, como tantas pessoas que prosperam no nível mais alto da política, tem uma memória terrível para qualquer coisa política. Em 1984, ele disse a Ted Koppel que não conseguia se lembrar se os EUA haviam investigado relatos de massacres em El Salvador. Em 1986, quando perguntado pelo comitê de inteligência do Senado se havia discutido a arrecadação de fundos para os contras com qualquer pessoa da equipe do Conselho de Segurança Nacional, também não conseguiu se lembrar.)

Israel e Palestina

Abrams também esteve no centro de outra tentativa de frustrar o resultado de uma eleição democrática, em 2006. Bush havia pressionado por eleições legislativas na Cisjordânia e em Gaza para dar à Fatah, a organização palestina altamente corrupta liderada pelo sucessor de Yasser Arafat, Mahmoud Abbas, uma legitimidade muito necessária. Para surpresa de todos, o rival do Fatah, o Hamas, ganhou, dando-lhe o direito de formar um governo.

Esse desagradável surto de democracia não foi aceitável para o governo Bush, em especial para Rice e Abrams. Eles elaboraram um plano para formar uma milícia da Fatah para assumir a Faixa de Gaza e esmagar o Hamas em seu território. Como relatado pela Vanity Fair, isso envolveu muita tortura e execuções. Mas o Hamas combateu o Fatah com sua própria ultraviolência. David Wurmser, neoconservador que trabalhava para Dick Cheney na época, disse à Vanity Fair: “Parece-me que o que aconteceu não foi tanto um golpe do Hamas, mas uma tentativa de golpe do Fatah que foi esvaziada antes que pudesse acontecer”. No entanto, desde então, esses eventos foram virados de cabeça para baixo pela mídia dos EUA, com o Hamas sendo apresentado como o agressor.

Embora o plano dos EUA não tenha sido um sucesso total, também não foi um fracasso total da perspectiva dos Estados Unidos e de Israel. A guerra civil palestina dividiu a Cisjordânia e Gaza em duas entidades, com governos rivais em ambos. Nos últimos 13 anos, houve poucos sinais da unidade política necessária para que os palestinos tivessem uma vida digna para si mesmos.

Abrams então deixou o cargo com a saída de Bush. Mas agora está de volta para uma terceira rodada pelos corredores do poder – com os mesmos tipos de esquemas que executou nas duas primeiras vezes.

Recapitulando a vida de mentiras e crueldade de Abrams, é difícil imaginar o que ele poderia dizer para justificá-la. Mas ele tem uma defesa para tudo o que fez – e é uma boa defesa.

Em 1995, Abrams apareceu no “The Charlie Rose Show” com Allan Nairn, um dos repórteres americanos mais versados sobre a política externa dos EUA. Nairn observou que George H. W. Bush já havia discutido colocar Saddam Hussein em julgamento por crimes contra a humanidade. Essa era uma boa ideia, disse Nairn, mas “se você é sério, precisa ser imparcial” – o que significaria também processar funcionários como Abrams.

Abrams riu diante do absurdo de tal conceito. Isso exigiria, disse ele, “colocar todos os funcionários americanos que venceram a Guerra Fria no banco dos réus”.

Abrams estava em grande parte certo. A realidade angustiante é que Abrams não é um bandido isolado, mas um respeitado e honrado membro da centro-direita do establishment da política externa dos EUA. Seus primeiros empregos antes de ingressar no governo Reagan foram trabalhar para dois senadores democratas, Henry Jackson e Daniel Moynihan. Ele era um membro sênior do conselho centrista de relações exteriores. Ele é membro da comissão dos EUA sobre liberdade religiosa internacional e agora está no conselho do National Endowment for Democracy. Ele deu aulas à próxima geração de funcionários de política externa na Escola de Serviço Exterior da Universidade de Georgetown. Ele não enganou Reagan e George W. Bush de alguma forma – eles queriam exatamente o que Abrams fornecia.

Portanto, não importam os detalhes macabros da carreira de Abrams, o importante a ser lembrado – conforme a águia americana aperta suas garras afiadas em torno de outro país da América Latina – é que Abrams não é tão excepcional assim. Ele é sobretudo uma engrenagem em uma máquina. É a máquina que é o problema, não suas partes mal intencionadas.


Voltar


Comente sobre essa publicação...