Semana On

Terça-Feira 19.mar.2019

Ano VII - Nº 342

Parceiros

Mato Grosso do Sul

A força das mulheres pantaneiras – conquistando espaços e representatividade em seus territórios

Luta por reconhecimento levou a organização social de mulheres no Pantanal

Postado em 30 de Janeiro de 2019 - ECOA

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

No Pantanal, grupos isolados e comunidades enfrentam cotidianamente os desafios da falta de recursos e condições básicas como segurança territorial, saúde e educação, entre outros fatores. A organização social e política torna-se uma premissa básica, neste contexto, para que essas lacunas sejam solucionadas – ou ao menos amortizadas – e seus direitos e dinâmicas de vida sejam respeitados. São grandes as pressões que sofrem para permanecerem nas áreas que habitam. Há aproximadamente 25 anos a ONG Ecoa trabalha apoiando a organização desses grupos. Desde então foram muitas as conquistas, e ainda um longo caminho a ser trilhado.

O papel das mulheres pantaneiras nesse processo merece destaque. Mesmo somando cada dia mais na renda do núcleo familiar, a falta de reconhecimento, representatividade e espaço dentro das associações de moradores – compostas predominantemente por homens – é uma realidade que gera descontentamento. Esse cenário acabou impulsionando a organização dessas mulheres em associações próprias de produção.

Em dezembro passado foram realizadas, com apoio da Ecoa, assembleias gerais de eleição em três associações de moradores nos municípios de Corumbá, Miranda e Ladário. Não surpreendentemente, foram empossadas três associações de mulheres, reafirmando a luta das mulheres pantaneiras pelo reconhecimento merecido dentro da comunidade e do Estado.

• Associação de Mulheres Produtoras da APA Baía Negra

• Associação de Mulheres Extrativistas do Porto da Manga

• Associação de Mulheres Ribeirinhas do Porto Esperança

APA Baía Negra: A Associação de Mulheres Produtoras da APA Baía Negra está dentro de uma Área de Proteção Ambiental em Ladário (MS). Isso fortalece tanto a conservação da região, quanto a perspectiva de que as famílias, em especial as mulheres, consigam melhores condições de vida dentro de uma unidade de conservação de uso sustentável.

Porto da Manga: No Pantanal, as mulheres representam mais que 70% da categoria de pesca de iscas. Por isso, é bastante significativo que a Associação de Mulheres Extrativistas do Porto da Manga, composta por pescadoras – a maioria coletoras de iscas – esteja à frente da nova gestão da Associação de Moradores por questões de interesses comuns e específicos – que só as mulheres tem nessa atividade tão pesada.

Porto Esperança: Em 2015 depois de intensos conflitos socioambientais, os ribeirinhos do Porto Esperança receberam seus Termos de Autorização de Uso Sustentável (TAUS), garantindo o direito histórico da comunidade de permanecer em seu território. A Associação de Mulheres Ribeirinhas do Porto Esperança assume neste contexto o papel político de que este direito seja mantido e seu trabalho gere mais oportunidades numa região que segundo elas mesmas, é abençoada.

Olhares para o futuro

Pelos próximos três anos, estas gestões femininas estarão adiante nas representações comunitárias, em busca de melhores perspectivas de trabalho e renda e também assumindo o papel político em defesa dos seus territórios.

A iniciativa integra o Projeto ECCOS – Conectando Paisajes en el Bosque Seco Chiquitano, el Cerrado y el Pantanal de Bolívia y Brasil para la Sostenibilidad del Desarrollo Productivo, la Conservación de sus valores ambientales y la Adaptación al Cambio Climático, com apoio da União Europeia.


Voltar


Comente sobre essa publicação...