Semana On

Terça-Feira 12.nov.2019

Ano VIII - Nº 371

Poder

Agenda prioritária de Jair Bolsonaro gera interesse em poucos brasileiros

Segundo dados do Datafolha, parcela expressiva da população discorda dos temas centrais de sua plataforma

Postado em 18 de Janeiro de 2019 - Mauro Paulino e Alessandro Janoni – Folha de SP

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Uma primeira leitura dos resultados da pesquisa nacional do Datafolha divulgada ao longo do último mês sugere descolamento entre a agenda do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL) e a opinião pública brasileira.

Apesar de o presidente ter conquistado a maioria dos votos e manter expectativa positiva sobre seu governo, o posicionamento dos eleitores quanto às teses defendidas em pronunciamentos de sua equipe não alcança apoio equivalente.

Com exceção da temática do controle de imigrantes e da redução da maioridade penal, pontos-chave da pauta bolsonarista como Escola sem Partido, posse de armas e aproximação com o governo dos EUA são reprovados por parcela expressiva da população, com percentuais próximos a 70%.

Bolsonaristas ‘light’ - Concordam com até 4 das 13 teses
Bolsonaristas ‘medium’- Concordam com mais de 4 até 8 teses
Bolsonaristas ‘heavy’ - Concordam com pelo menos 9 das 13 teses

O Brasil deve controlar mais a entrada de imigrantes

Maioridade penal deveria ser reduzida para 16 anos

Assuntos políticos devem ser tema de aula nas escolas

É preciso facilitar o acesso de pessoas às armas

O Brasil deve dar preferência ao governo dos Estados Unidos em relação aos outros países

Também se mostram com altos índices de rejeição a redução de terras indígenas, medidas contra o meio ambiente, privatização de estatais e a perda de direitos trabalhistas.

Com esses dados, fica a pergunta: como Bolsonaro foi eleito com tamanho desencontro entre representante e representados?

O governo deve reduzir as áreas destinadas às terras indígenas

A política ambiental atrapalha o desenvolvimento do Brasil

O governo deve privatizar, ou seja, vender para empresas particulares, o maior número possível de empresas estatais

É preciso ter menos leis trabalhistas

O processo de decisão do voto é composto por vetores como avaliação de competência, valores morais e consciência de classe ou grupo.

Dependendo das características dos cenários político, social e econômico, um ou outro fator recebe maior peso no cálculo do cidadão para definir seu candidato.

Ou seja, o eleitor não precisa concordar com todas as propostas de governo de um candidato para escolhê-lo. Pode discordar da maioria, mas valoriza tanto determinado ponto do projeto que acaba optando por ele.

Para ilustrar esse comportamento, eliminando-se a sobreposição de respostas dos entrevistados, chega-se a 86% dos brasileiros que apoiam pelo menos 1 de 13 teses bolsonaristas abordadas pelo Datafolha na pesquisa de dezembro. No extremo oposto, apenas 1% é contrário a todas elas.

Partindo-se desse pressuposto, por meio de análise de segmentação, é possível a estratificação da amostra em gradientes de adesão a esses temas. O resultado são três grupos distintos —os bolsonaristas "heavy" (intensos), "medium" (medianos) e "light" (leves).

O conjunto "heavy" é o que mais tem opiniões parecidas com as do novo presidente —concorda com pelo menos 9 dos 13 temas aplicados e corresponde a 14% da população brasileira.

Entre os mais ricos, essa taxa supera a média em dez pontos percentuais. A grande maioria do grupo (68%) é composta por homens, ao contrário da população.

Mulheres ganharem menos do que os homens é um problema das empresas e não do governo

É o grupo que mais votou no candidato do PSL para presidente e é também o que se mostra mais otimista tanto com seu governo quanto com o futuro do país e da economia.

Entre eles, as taxas de concordância com as teses bolsonaristas são altíssimas.

Alcançam patamares próximos a 70%, superando em larga escala a média da população nas defesas do porte de armas, da aproximação do Brasil com os EUA, das privatizações de estatais e das diminuições de terras indígenas, reservas ambientais e direitos trabalhistas.

O grupo "medium" é o mais numeroso da população, totalizando 55%.

Ficam numa zona intermediária de afinidade com o governo que vai de 5 a 8 pontos dentre os 13 estudados.

Não há contraste significativo por sexo. A maioria optou pelo candidato do PSL, mas um terço votou em Fernando Haddad (PT). Quanto ao futuro, não são tão otimistas quanto os "heavy" nem tão pessimistas quanto os "light".

São majoritariamente pró-governo especialmente no controle da imigração e nitidamente contrários ao acesso às armas e em relação ao Escola sem Partido. Nos demais temas tendem a se dividir.

Educação sexual deve ser tema de aula nas escolas

Mulheres estupradas que engravidem não deveriam abortar e sim receber ajuda financeira para ter o filho*

Já o estrato "light" corresponde a um terço dos brasileiros (31%). Demonstra tendências bolsonaristas em apenas, no máximo, quatro quesitos.

A grande maioria do segmento é feminino e tem escolaridade acima da média. São mais pessimistas quanto ao futuro da economia e do governo. Metade do estrato votou em Haddad, e 35% no capitão reformado —o restante votou em branco ou nulo.

Sobre os temas pesquisados, com raras exceções, são massivamente contrários a quase todas as ideias do atual governo —as taxas de rejeição alcançam ou ultrapassam 80% quanto à posse de armas, debate político nas escolas, privatização, proximidade com os EUA, perda de direitos trabalhistas e diminuição das terras indígenas.

Como se vê, parece arriscado para um governo eleito pela maioria pulverizar a agenda em temas tão polêmicos que, no conjunto, alcançam apoio de um grupo minoritário da população (pouco mais de 10%). Maior sintoma disso é a imagem titubeante do presidente por conta de sua coleção de recuos prematuros.

Pelos dados, há muita expectativa do eleitorado quanto à área econômica e combate à violência e à corrupção.

Sem a apresentação de projetos consistentes e viáveis, em curto período, nesses setores, torna-se provável que a bonança dos simbólicos cem primeiros dias de governo transforme-se em tempestades junto à opinião pública, que teve as esperanças renovadas, mas conserva as demandas prementes acumuladas nos últimos anos.

Se o Brasil se envolvesse em uma guerra, hoje, eu estariadisposto a lutar pelo país


Voltar


Comente sobre essa publicação...