Semana On

Sábado 14.dez.2019

Ano VIII - Nº 375

Coluna

Vivendo mundos paralelos, sensação do janeiro de 2019

Teremos que assumir um outro princípio de realidade e sair das vidas paralelas como se nada estivesse acontecendo

Postado em 17 de Janeiro de 2019 - Emerson Merhy

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Confesso que esse janeiro está sendo muito peculiar. Há momentos, em que me vejo na mesma onda de emoções e apostas para o mundo, que me sentia antes. Há outros, em que acho que estou completamente iludido e que, na vida real, estão acontecendo coisas que irão solapar toda aquela onda e me jogar na cara a ilusão que estava tendo, disparada como uma bala de revólver.

Aliás, essa pode ser a mais dura das evidências dessa sensação de mundos paralelos.

Fico apostando que podemos nos conectar com as pessoas como nos conectávamos há meses atrás, fazendo apostas de convivências nas quais a construção de nós na diferença seria o modo de nos produzirmos ali no dia a dia das vidas no trabalho, nos vários coletivos que pertencemos, em qualquer outro processo relacional. Mas, de fato, está se construindo novas regras para a vida nos coletivos que são exatamente o oposto disso.

De fato, ver construírem novas regras para pessoas comprarem e portarem até duas armas, como se fossem vidas vividas no bang-bang do faroeste americano, sonho de muitos menininhos em suas fantasias infantis, bate no meu rosto como uma onda bem violenta.

Preciso sair do sonho ilusório que tudo pode continuar como antes, pois estão solapando as possibilidades de várias coisas acontecerem como aconteciam.

Imaginem as milhares e milhares de pessoas - aposto que serão homenzinhos na maioria - comprando revólveres e cartucheiras penduradas nas cinturas, andando pelas ruas e encarando quem lhes chamar negativamente a atenção.

De repente, sacam das suas duas pistolas e “BUM” atiram para matar.

Se for uma “otoridade”, com a maior facilidade criará um álibi para isso e provará que o outro também estava sacando seus revólveres, e que algum petista ou comunista em geral, passando pela rua, pegou-os e escondeu-os na maior agilidade só para produzir um fake news contra quem é “cidadão decente”, que usa da sua arma como modo de garantir a sua vida.

“BANG” “BANG” será uma onda a bater nas nossas caras daqui para frente e não poderemos, em hipótese nenhuma, ficar em transe ilusória sobre isso. Teremos que assumir um outro princípio de realidade e sair das vidas paralelas como se nada estivesse acontecendo.

Porque só nos cabe vidas paralelas para sobrevivermos e não para nos iludirmos.

Tristes momentos ainda virão, inclusive para muitos daqueles que acreditaram que estavam mudando para melhor a vida em sociedade ao votarem nesse governo que começou nesse janeiro de 2019.


Voltar


Comente sobre essa publicação...