Semana On

Quarta-Feira 20.nov.2019

Ano VIII - Nº 372

Especial

Boas tretas

Tudo o que você precisa saber se ainda quiser sobreviver às discussões familiares no fim do ano

Postado em 21 de Dezembro de 2018 - Aos Fatos

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Você, caro leitor, ainda tem disposição de discutir política? Não pretende ignorar o elefante na sala durante a ceia? Acredita que o milagre de Natal vai estimular discussões civilizadas em família? Pois o Guia de Sobrevivência às Discussões Familiares de 2018 pode ajudar. Trata-se da já tradicional seleção das nossas mais polêmicas checagens para que você, grande diplomata, embaixador da verdade, o elo perdido, possa enfrentar o suplício das discussões familiares com dados confiáveis.

O NAZISMO É DE ESQUERDA?

Não, não é.

O futuro ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles (Novo), publicou em setembro deste ano um artigo na plataforma Medium em que sustenta que o nazismo era parte da esquerda e classificou o movimento liderado por Adolf Hitler de “socialismo de preto” (em um paralelo com o comunismo, que seria o “socialismo de vermelho”).

A informação, claro, é falsa, mas chegou a circular com tal força que a Embaixada da Alemanha no Brasil fez um vídeo explicando a história do nazismo naquele país em que explica que o movimento era uma ideologia cunhada na extrema-direita: "devemos nos opor aos extremistas de direita, não devemos ignorar, temos que mostrar nossa cara contra neonazistas e antissemitas".

Da mesma maneira, pesquisadores refutam completamente esse argumento. À BBC a antropóloga Adriana Dias, da Unicamp, explica: "O nazismo e o fascismo diziam que não existia a luta de classes — como defendia o socialismo — e, sim, uma luta a favor dos limites linguísticos e raciais. As escolas nacional-socialistas que se espalharam pela Alemanha ensinavam aos jovens que os judeus eram os criadores do marxismo e que, além de antimarxistas, deveriam ser antissemitas".

"Tanto o nazismo alemão quanto o fascismo italiano surgem após a Primeira Guerra Mundial, contra o socialismo marxista — que tinha sido vitorioso na Rússia na revolução de outubro de 1917 —, mas também contra o capitalismo liberal que existia na época. É por isso que existe essa confusão", afirmou também à BBC Denise Rollemberg, professora de História Contemporânea da UFF (Universidade Federal Fluminense).

Leia mais.

MULHERES TRABALHAM MAIS QUE HOMENS?

Segundo o estudo Síntese de Indicadores Sociais do IBGE de 2015, em 2004, somando-se a ocupação remunerada e os afazeres domésticos, as mulheres trabalhavam quatro horas a mais do que os homens por semana. Em 2014, a dupla jornada semanal feminina já possuía cinco horas a mais.

Leia mais.

O 'KIT GAY' DE FATO EXISTE? FOI CRIADO POR HADDAD?

O chamado “kit gay” é, na verdade, o projeto Escola Sem Homofobia, produzido em 2011 por organizações de defesa da população LGBT em convênio com o FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação), uma autarquia do Ministério da Educação, à época sob gestão de Fernando Haddad. A verba para o projeto — cerca de R$ 1,9 milhão — foi obtida por meio de uma emenda parlamentar da Comissão de Legislação Participativa do Congresso Nacional.

O objetivo nunca foi promover qualquer tipo de sexualização, mas a aceitação e a inclusão da população LGBT. Composto de três vídeos, seis boletins e um caderno com orientações para os educadores, o material não era destinado “a crianças de seis anos”, mas a estudantes do ensino médio, adolescentes e pré-adolescentes. Duas das peças audiovisuais contidas no projeto tinham classificação indicativa a partir de 11 anos, e uma era livre. Ainda assim, o caderno do Escola Sem Homofobia recomendava aos educadores “assistir/ouvir e verificar se o material é adequado à reflexão sobre o tema e a seu público”. As atividades também eram propostas como sugestões, e não parte de uma disciplina obrigatória.

Leia mais aqui e aqui.

ARMAR A POPULAÇÃO GERA MAIS SEGURANÇA?

O livro “Global Study on Homicide” (Estudo Global sobre Homicídio, em português), de 2011, demonstra que não se pode estabelecer relação direta entre o acesso às armas de fogo e os índices de homicídio. Logo na página 10, lê-se que, por mais que essa relação seja complexa, “as armas de fogo, indubitavelmente, conduzem aumentos de homicídios em certas regiões”.

No artigo Effects of Policies Designed to Keep Firearms from High-Risk Individuals, os pesquisadores Daniel Webster e Garen Wintemute, ao avaliar estudos publicados entre 1999 e 2014, encontraram evidências que regras mais rígidas de porte de armas estão associados a menores taxas de violência. Os pesquisadores também destacam o fato de os Estados Unidos terem taxa de homicídio seis vezes maior do que a taxa média entre países desenvolvidos e que essa discrepância norte-americana com relação aos países ricos ocorre apenas com relação às taxas de homicídio por armas de fogo. A taxa de assassinatos causadas por arma de fogo nos Estados Unidos é 20 vezes maior do que a média registrada em países de alta renda.

No artigo The Transmission of Gun and Other Weapon-Involved Violence Within Social Networks dos pesquisadores Melissa Tracy, Anthony Braga e Andrew Papachristos, foram analisados 16 estudos publicados entre 1996 e 2015. A análise indicou maior risco de vitimização ou de execução de crimes por pessoas expostas à violência armada. Os pesquisadores também destacam que, apesar de haver registro de redução dos homicídios causados por armas de fogo nos Estados Unidos nas últimas duas décadas, a violência armada continua sendo o principal fator para mortes violentas no país, com 11 mil mortes por arma de fogo em 2013 e 62 mil lesões não-fatais no mesmo período.

Leia mais aqui e aqui.

AS URNAS ELETRÔNICAS FORAM FRAUDADAS?

Não há qualquer evidência de que as urnas eletrônicas foram fraudadas em qualquer época desde a sua adoção pelo Tribunal Superior Eleitoral em 1996. Várias teorias da conspiração surgiram durante este ano em relação à segurança do voto computado nas urnas — como a que narrava um ataque hacker, a que afirmava que os aparelhos autocompletavam votos em Haddad, e que o diretor da OEA (Organização dos Estados Americanos) havia detectado fraude no sistema —, mas todas se provaram falsas.

Em 2014, o PSDB pediu uma auditoria nas urnas após o então candidato Aécio Neves ser derrotado no pleito presidencial, mas não identificou fraudes. No relatório, divulgado em novembro de 2015, o partido diz não ter identificado fraudes no pleito, mas ressaltou que o "sistema eletrônico de votação do TSE não foi projetado para permitir uma auditoria externa e independente dos resultados que publica". Uma das recomendações do documento foi a adoção de um registro impresso do voto.

Apesar de as urnas estarem no centro das discussões sobre fraude eleitoral, esse crime tem sido cometido por um meio mais antigos: a compra de votos. Em 2018, 53 municípios tiveram que refazer eleições municipais por conta de irregulares nas campanhas de prefeitos eleitos em 2016, incluindo compra de votos. Na esfera estadual, o Amazonas realizou uma nova eleição em junho de 2017, após a cassação do então governador José Melo (PROS), condenado por compra de votos.

Leia mais.

MACONHA DIMINUI O Q.I.?

Por mais que existam estudos que sugerem que o consumo de maconha por adolescentes pode diminuir sua capacidade mental, há outras pesquisas que mostram o contrário: em 2016, um artigo da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos estudou a influência da erva em gêmeos e constatou que foram encontradas “poucas evidências para sugerir que o uso de maconha adolescente tem um efeito direto sobre o declínio intelectual”. Para haver declínio na capacidade mental, no entanto, os pesquisadores procuram evidências em usuários persistentes dessa droga.

Já o professor Wayne Hall, da King's College, no Reino Unido, mostrou em 2014 que "aproximadamente 9% das pessoas que já usaram maconha se tornaram dependentes, contra 32% para nicotina, 23% para heroína e 15% para o álcool".

A UNODC, departamento de monitoramento de drogas da ONU, defende o que se convencionou chamar de Regra 80/20 — baseada no Princípio de Pareto — , segundo a qual 80% dos usuários de drogas no mundo consomem 20% das drogas disponíveis no mercado, enquanto 20% dos usuários consomem 80% dos psicoativos mundialmente. Isso significa que grande parte dos usuários de drogas são pequenos consumidores, indicando níveis baixos de demanda e, por consequência, pouco descontrole.

Leia mais.

MACONHA CAUSA CÂNCER?

Também não é possível afirmar categoricamente que sim. Por mais que o consumo de maconha traga riscos à saúde, como o aparecimento de sintomas de bronquite crônica e interferências em funções cognitivas e motoras, ainda não é possível correlacionar o câncer com a droga. Segundo o estudo de 2015 “An epidemiologic review of marijuana and cancer: an update”, da revista Cancer, Epidemiology, Biomarkers & Prevention, que reuniu 34 estudos epidemiológicos sobre maconha e câncer, não há como ter certeza se o consumo aumenta o risco de contrair a doença.

Um estudo deste ano, publicado na revista americana Chest, revisou outros artigos que tratam somente da correlação com doenças do pulmão. Segundo o artigo, “um grande estudo de corte e uma análise conjunta de seis estudos de caso bem realizados não encontraram evidências de uma ligação entre o fumo de maconha e o câncer de pulmão”.

Os dois estudos citados apontam que os riscos só serão realmente conhecidos quando forem realizadas mais pesquisas em comunidades onde o acesso a droga é maior (como acontece com o cigarro de tabaco, por exemplo).

Leia mais.

O GOVERNO PAGA 'BOLSA PRESIDIÁRIO' PRA BANDIDO?

O auxílio reclusão, chamado por alguns de “bolsa presidiário”, é um benefício que existe desde 1933, mas que só ganhou esse nome em 1960, durante o governo de Juscelino Kubitschek. Recorrentemente utilizado em boatos — como o que dizia que cada filho da pessoa presa teria direito a uma bolsa —, o auxílio está na Constituição e funciona da seguinte forma: se o indivíduo preso, na data da prisão, estivesse trabalhando e contribuindo regularmente para o INSS, seu regime for fechado ou semiaberto e seu último salário de contribuição não exceder o teto previsto na legislação (atualmente R$ 1.319,18), seu cônjugue ou um de seus dependentes recebe um valor calculado a partir das contribuições previdenciárias que o preso realizou. Sendo assim, o auxílio varia de preso para preso e não possui um valor fixo, como traz a imagem viral.

Em alguns casos, o valor pode exceder o teto: como são utilizadas todas as contribuições previdenciárias que o segurado realizou, mas retiradas as 20% menores, a média aritmética dessa conta, que corresponde ao valor do benefício, pode ultrapassar os R$ 1.319,18 atuais.

Além disso, a duração do benefício também varia de caso para caso, indo de quatro meses (em casos em que o cônjuge ou cônjuge separado recebia pensão alimentícia) até vitalícios (em casos em que o dependente, na data da prisão, possuía mais de 44 anos).

De acordo com os dados do Ministério da Previdência Social, em 2016, o governo desembolsou R$ 44,2 milhões e emitiu 46 mil auxílios reclusão (uma média de R$ 943 por auxílio). Não é possível saber, com exatidão, quantos dependentes receberam o benefício, já que o número varia mensalmente. Um estudo do Contas Abertas, de 2016, estimou que apenas 7,1%das famílias dos encarcerados recebe o auxílio.

O auxílio reclusão começou a ser mais discutido após a apresentação da PEC 304/2013, de autoria da deputada Antônia Lúcia (PSC-AC). O texto queria extinguir o auxílio da Constituição porque acreditava que “é mais justo amparar a família da vítima do que a família do criminoso”.

Leia mais.

E AS MAMADEIRAS ERÓTICAS DISTRIBUÍDAS EM CRECHES? DE FATO EXISTIRAM?

Apenas não.


Voltar


Comente sobre essa publicação...