Semana On

Domingo 22.set.2019

Ano VIII - Nº 364

Poder

Marcos Pontes: o astronauta vendedor de travesseiros que virou ministro acidental

A história de Pontes, o futuro dono da pasta de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações

Postado em 14 de Dezembro de 2018 - Fernando Cesarotti - VICE

Clique aqui e contribua para um jornalismo livre e financiado pelos seus próprios leitores.

Marcos Pontes poderia estar levando uma vida tranquila com suas palestras de autoajuda e os royalties pela venda dos confortáveis (e caros) travesseiros “da Nasa”, mas o gosto pelos holofotes o levou em busca de voos grandes e complexos até para quem já frequentou o espaço: o poderoso Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, um órgão que historicamente concentra muito poder.

O MCTIC, por exemplo, é o órgão responsável pela fiscalização do Marco Civil da Internet, espécie de “constituição da rede” no país. Uma lei que levou anos para ser aprovada e até hoje é alvo de críticas e tentativas de mudança – as operadoras, por exemplo, vira e mexe tentam fazer valer o direito de cobrar pelo excesso de dados consumidos pelos internautas. Além disso, está previsto para no máximo 2020 o leilão da próxima geração da internet móvel, o 5G, que vai capacitar operadores para serviços de conexão ultrarrápida úteis para a criação de carros inteligentes, por exemplo.

E ainda há outra casca de banana no caminho de Pontes: os Correios. A empresa viu seu padrão de qualidade nos serviços desabar nos últimos anos, com falta de profissionais e incontáveis queixas da população, algo visto por setores da esquerda como um passo rumo à privatização – bem ao gosto do superministro da Economia, Paulo Guedes. Mas Pontes já avisou, na semana passada, que não existe discussão alguma a respeito da privatização da empresa, vista por ele como “estratégica”.

Uma visão até certo ponto natural de uma pessoa forjada no setor público. Filho de uma família de classe média de Bauru, no interior paulista, o jovem Marcos gostava de voar e por isso alistou-se na Academia da Força Aérea, em Pirassununga, mais conhecida como o berço da Esquadrilha da Fumaça, os grupos de aviões que fazem manobras mirabolantes pelo céu em eventos públicos. De lá, Pontes foi para o ITA, o Instituto de Tecnologia da Aeronáutica, onde se graduou engenheiro e iniciou a escalada que o levaria ao espaço.

Em 1998, logo depois de concluir o mestrado em Engenharia de Sistemas por uma academia militar de Monterrey, inscreveu-se num programa da Nasa, a agência espacial norte-americana, que garantia treinamento espacial aos países membros da Estação Espacial internacional (ISS). O programa seguiu até 2003, mas o voo de Pontes foi adiado indefinidamente após a tragédia com o ônibus espacial Columbia.

Mas o Brasil do governo Lula queria mostrar sua pujança internacional, e colocar um astronauta no espaço era um bônus e tanto para a propaganda petista. Assim, em 29 de março de 2006, Pontes embarcou para o espaço na nave russa Soyuz rumo à ISS. Passou dez dias fazendo experiências em microgravidade – “plantando feijão”, segundo seus detratores. De volta ao Brasil, Pontes foi recebido pelo então presidente com honras de herói nacional, desfilou em carro aberto em Bauru e ganhou até um recado especial do Astronauta de Maurício de Sousa. Um mês depois, passou para a reserva.

A decisão de Pontes de deixar a Força Aérea foi muito criticada nos círculos políticos e militares, especialmente depois dos quase 30 milhões de dólares investidos na formação do tenente-coronel durante quase uma década. Mas Pontes deu de ombros e foi se dedicar a engordar sua conta bancária. Virou palestrante, apareceu em programas de TV, escreveu quatro livros, virou garoto-propaganda dos travesseiros de elastano, o que quase lhe rendeu alguma dor de cabeça na justiça – ele foi acusado de ser sócio oculto de uma empresa que vendia recordações com sua imagem ainda nos tempos de militar da ativa, o que é proibido. Tornou-se sócio de fato da empresa após a prescrição do caso, em 2017.

Na política, a primeira entrada de Pontes, infrutífera, foi em 2014, quando se candidatou sem sucesso ao posto de deputado federal por São Paulo, pelo PSB. Em quatro anos, mudou completamente de lado, filiando-se ao PSL de Jair Bolsonaro e saindo como suplente de senador na chapa encabeçada pelo Major Olímpio. Um dos primeiros nomeados por Bolsonaro para o governo, ainda não sabe muito bem se comportar como político, como relata reportagem da Piauí na semana passada sobre um encontro com pesquisadores em Brasília. Num país que parece estar no mundo da lua, nada menos estranho que um ministro que está onde está por causa de um breve passeio entre as estrelas.

Nome: Marcos Cesar Pontes
Idade: 55
Ministério: Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações
Formação: Engenheiro Aeronáutico pelo ITA (Instituto Tecnológico da Aeronáutica)
Partidos: PSB/PSL


Voltar


Comente sobre essa publicação...